A interseccionalidade e o entrecruzamento das identidades estruturais nas interações comunicativas

Resumo

Este artigo oferece uma aproximação entre a abordagem interseccional e o modelo relacional da Comunicação, discutindo como as categorias identitário-estruturais de privilégio e subalternidade interagem e se entrecruzam de modo a complexificar as relações sociais. Para isto, são discutidas algumas das contribuições do pensamento feminista negro na elaboração da interseccionalidade, demonstrando a insuficiência da abordagem em eixos isolados para apreender as formas como as categorias de poder permeiam a sociedade. O artigo argumenta que, precisamente por centralizar como os eixos de poder emergem na experiência dos sujeitos em sua vida social, a interseccionalidade oferece um rico quadro analítico para compreender as interações entre sujeitos; as formas de representação, produção cultural e narrativas midiáticas; e o pano de fundo que ambienta as relações sociais.

Biografia do Autor

Lucianna Furtado, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Comunicação Social (PPGCom) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e integrante do Grupo de Pesquisa em Comunicação, Raça e Gênero (CORAGEM) na mesma instituição. 

Referências

CARNEIRO, Sueli. Escritos de uma vida. Belo Horizonte: Letramento, 2018.

COMBAHEE RIVER COLLECTIVE. The Combahee River Collective Statement. Originalmente publicado em 1977. Disponível em bit.ly/2OTlayh. Acesso em 10 jun. 2019.

CRENSHAW, Kimberlé. Demarginalizing the Intersection of Race and Sex: A Black Feminist Critique of Antidiscrimination Doctrine, Feminist Theory and Antiracist Politics. University of Chicago Legal Forum, vol. 1, art. 8, 1989.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, ano 10, n. 1, p. 171-188, 2002.

CRENSHAW, Kimberlé. Mapping the margins: Intersectionality, identity politics, and violence against women of color. Stanford Law Review, v. 43, n. 6, p. 1241-1299, jul. 1991.

DAVIS, Angela. A liberdade é uma luta constante. São Paulo: Boitempo, 2018.

FRANÇA, Vera. L. Quéré: dos modelos da comunicação. Revista Fronteiras, v. 5, n. 2, p. 37-51, dez. 2003.

FRANÇA, Vera. Discutindo o modelo praxiológico da comunicação: controvérsias e desafios da análise comunicacional. In: FRANÇA, Vera; SIMÕES, Paula (Org.). O modelo praxiológico e os desafios da pesquisa em Comunicação. Porto Alegre: Sulina, 2018. p. 89-117.

HOOKS, bell. Outlaw culture: resisting representations. New York, London: Routledge, 1994.

HOOKS, bell. Ain’t I a Woman?: Black women and feminism. Second edition. New York: Routledge, 2015.

POGREBINSCHI, Thamy. Pragmatismo: Teoria social e política. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2005.

TRUTH, Sojourner. Ain’t I a woman? Women’s Convention, Akron, Ohio, 1851. Disponível em www.sojournertruth.com/p/aint-i-woman.html. Acesso em 10 jun. 2019.

Publicado
2020-09-30
Como Citar
FURTADO, L. A interseccionalidade e o entrecruzamento das identidades estruturais nas interações comunicativas. Culturas Midiáticas, v. 13, n. 1, p. 111-128, 30 set. 2020.
Seção
Artigos - Comunicação, Gênero e Raça