O corpo feminino como ferramenta de protesto feminista e subversão ao machismo nas imagens do meme “Bela, Recatada e do Lar”

Resumo

O meme Bela, Recatada e do Lar começou a circular de forma aleatória após a revista Veja realizar uma reportagem no dia 18 de abril de 2016, que falava da então primeira dama Marcela Temer trazendo como elogios e atributos positivos o fato dela ser uma mulher “bela, recatada e do lar”. Em poucos dias ele se transformou em uma poderosa ferramenta midiática contra-hegemônica para fazer frente à narrativa criada pela revista sobre os atributos da feminilidade. Neste artigo pretende-se analisar as construções simbólicas que permitiram a expansão desse meme. Para tanto, serão interpretados, a partir de uma análise de expressão simbólica, fundamentada na literatura sobre gênero, os memes imagéticos concentrados no Tumblr www.belarecatadaedolar.tumblr.com. O critério de escolha dessa rede é motivado pela aleatoriedade da contingência da criação espontânea de uma narrativa virtual, já que todos os modelos de corpos que estão nessa rede social foram enviados voluntariamente por mulheres que buscavam desmistificar a imagem da mulher ideal como sendo aquela que tem a tríade de adjetivos narrados pela revista. Na análise, identifica-se que, os avanços tecnológicos e o feminismo em rede apresentam uma nova lógica no pensar e agir feminista, e os memes imagéticos analisados tornam-se ferramenta de disseminação mais rápida e em grande escala pelo seu alto grau de replicabilidade, tendo como principal modelo a representação de um corpo-bandeira (GOMES; SORJ, 2014) emancipatório e plural. O novo ambiente virtual onde se localizam os memes se propõe a debater questões do movimento feminista como: a relação público/privado, direito ao corpo, mudanças comportamentais e resistências a padrões definidos como sendo espaços reservados e associados aos homens.

Biografia do Autor

Eugenia Blanco Lúgaro, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

Mestranda do Programa de Pós-graduação em Estudos da Mídia (PPGEM) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Maria das Graças Pinto Coelho, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Pós-doutorado em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Docente no Programa de Pós-graduação em Estudos da Mídia (PPGEM) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e coordenadora do Grupo de Estudos da Mídia (GEMINI), na mesma instituição

Referências

ALMEIDA, S.S. Violência de gênero: público X privado. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 1997.

BEAUVOIR, Simone de. O Segundo Sexo I. Revisão de Carlos Pinheiro. Lisboa: Quetzal Editores, 2009.

BENTES, Ivana. Biopolítica feminista e estéticas subversivas. Matrizes, São Paulo, v. 11, n. 2, p. 93-109, 2017.

BUTLER, Judith. El gênero em disputa. El feminismo y la subversión de la identidad.

Traducción Ma. Antonia Muñoz. Barcelona: Paidós, 2008.

BUTLER, Judith.“Sex and Gender in Beauvoir ́s Second Sex”. In: Yale French Studies, Simone de Beauvoir: Witness to a Century, no 72, Winter 1986.

CARLSON, Marvin. Performance: uma introdução crítica. Belo Horizonte: UFMG, 2009.

FRASER, Nancy. Feminismo, capitalismo e a astúcia da história. Mediações, Londrina, v. 14, n.2, pp. 11-33, Jul./Dez. 2009.

JUNHO PENA, Maria Valéria. Mulheres e trabalhadoras: presença feminina na constituição do sistema fabril. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

LEMOS, André. Cibercultura: tecnologia e vida social na cultura contemporânea. 4.ed. Porto Alegre: Sulina, 2008.

LINHARES, Juliana. Marcela Temer: bela, recatada e “do lar”. Veja.com. 18/04/2016. Disponível em: . Acesso em: 19 de abril de 2016, às 14h56.

NOGUEIRA, Conceição. Feminismo e discurso de gênero na psicologia social. Revista da Associação Brasileira de Psicologia Social, 2001. Disponível em: . Acesso em 23 abr. 2015.

PEDRO, Joana Maria. Traduzindo o debate: o uso da categoria gênero na pesquisa histórica. Revista História, São Paulo, v.24, N.1, P.77-98, 2005.

TOLEDO, Cecília. Mulheres: o gênero nos une, a classe nos divide. In. Marxismo Vivo, nº 2. São Paulo. Sundermann, 2001.

WARK, Jayne. Radical Gestures: feminism and performance art in North America, 1970 a 2000. Montreal: McGill, Queen‟s University Press, 2006.

WOLF, Naomi. O Mito da Beleza. Como as Imagens de Beleza são usadas contra as Mulheres. Tradução de Waldéa Barcellos. Rio de Janeiro. Ed. Rocco, 1992.

WOLFF, Janet. Recuperando a corporalidade. Feminismo e política do corpo. In: MACEDO, Ana Gabriela; RAYNER, Francesca (Orgs.). Género, cultura visual e performance. Antologia Crítica. Minho: Edições Húmus, 2011.

Publicado
2020-09-30
Como Citar
BLANCO LÚGARO, E.; PINTO COELHO, M. DAS G. O corpo feminino como ferramenta de protesto feminista e subversão ao machismo nas imagens do meme “Bela, Recatada e do Lar”. Culturas Midiáticas, v. 13, n. 1, p. 129-149, 30 set. 2020.
Seção
Artigos - Comunicação, Gênero e Raça