O cinema à luz das teorias da complexidade de Edgar Morin:

uma reflexão produtiva para o momento atual

Autores

  • Marcos Kahtalian Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)
  • Leda Tenório da Motta Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-5930.2020v13n2.55890

Palavras-chave:

Cinema, Teoria da complexidade, Edgar Morin

Resumo

O propósito deste artigo é evidenciar as relações produtivas entre as teorias da complexidade de Edgar Morin (1996) e o cinema, entendido a partir dessa moldura como arte complexa, prenunciadora de seu pensamento posterior. Joga-se aqui com a hipótese de que o entendimento do cinema como arte complexa pode ser relevante para a recente discussão sobre as diversas modalidades da visualização do filme, com o declínio percebido das salas de cinema como ponto de recepção do filme. Teoricamente serão mobilizados não apenas os aportes das teorias da complexidade e das redes culturais, mas também as contribuições específicas das teorias da forma cinematográfica e do cinema como prática social, também a partir de Morin (2014) e da discussão mais recente referente à ontologia do cinema, como se pode ver em Jacques Aumont (2012), entre outros autores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Kahtalian, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)

Doutorando em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP. Mestre em Multimeios pela UNICAMP (2001). Graduado em Comunicação Social pela Universidade Federal Fluminense (1992). Tem experiência na área de Comunicação, Audiovisual e Administração e Pesquisa.

Leda Tenório da Motta, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)

Professora do Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica da PUC/SP e membro da Rede Internacional de Pesquisadores Roland Barthes. Como pesquisadora do CNPq 1, desenvolve atualmente a pesquisa intitulada “Palavra, imagem e testemunho. Investigação sobre uma nova política do olhar”.  

Referências

AUMONT, Jacques. Que reste-t-il du cinéma? Paris: Vrin, 2012.
BAECQUE, Antoine. Cinefilia. São Paulo, Cosacnaify, 2010.
BAZIN, André. O que é o cinema? São Paulo: Ubu, 2018.
EINSENSTEIN, Sergei. O sentido do filme. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.
EPSTEIN, Jean. Bonjour Cinéma, Excertos in: XAVIER, Ismail (org). A experiência do cinema. São Paulo: Graal, 2008, p 276-282.
ETHIS, Emanuel. Sociologie du cinéma et de ses publics. Paris, Armand Colin, 2018.
GAUDREAULT, André; MARION, Phillipe. O fim do cinema? Campinas: Papirus, 2016.
LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos. São Paulo: Editora 34, 2019.
MORIN, Edgar. O cinema ou o Homem Imaginário: ensaio de antropologia sociológica. São Paulo: É realizações, 2014.
______A inteligência da complexidade. São Paulo: Editora Fundação Peirópolis, 2000.
______O método IV. As idéias, Habitat, vida, costumes, organização. Porto Alegre: Sulina, 1998.
______O problema epistemológico da complexidade. Lisboa, Publicações Europa-América, 1996.
MUSSO, Pierre. Filosofia da Rede in: PARENTE, André (org). Tramas da rede. Porto Alegre: Sulina, 2004, p 17-38.
PARENTE, André (org). Tramas da rede. Porto Alegre: Sulina, 2004.
RAMOS, F. P. Mas afinal, o que sobrou do cinema? A querela dos dispositivos e o eterno retorno do fim. Galaxia (São Paulo, Online), n. 32, p. 38-51, ago. 2016
Valor Econômico, 29/03/2019, Caderno Eu e Fim de Semana, p. 24-25.
VASCONCELLOS, Maria José Esteves. Pensamento Sistêmico: o novo paradigma da ciência. São Paulo: Papirus, 2005.
XAVIER, Ismail. A experiência do cinema. São Paulo, Graal, 2008.

YOUNGBLOOD, Gene. Expanded Cinema. New York: P. Dutton & Co., Inc., 1970.

Downloads

Publicado

2020-12-17

Como Citar

KAHTALIAN, M.; TENÓRIO DA MOTTA, L. O cinema à luz das teorias da complexidade de Edgar Morin:: uma reflexão produtiva para o momento atual. Culturas Midiáticas, [S. l.], v. 13, n. 2, p. 22–38, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.1983-5930.2020v13n2.55890. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/cm/article/view/55890. Acesso em: 24 jul. 2024.

Edição

Seção

Comunicação Audiovisual e Impressa