PERCURSO HISTÓRICO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA: ENTRE PARADIGMAS E RECONFIGURAÇÕES

  • Rayssa Maria Anselmo de Brito UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA
  • Ricardo de Figueiredo Lucena UFPB

Resumo

Compreender a presença da pessoa com deficiência em salas de aula de nossas escolas regulares constitui-se em não apenas percebê-la enquanto sujeito histórico, por vezes invisibilizado ou excluído, quer seja por razões dos professores não saberem como ensiná-los ou pelo fato de não se estarem dispostos a buscar novas competências que os permitam alcançar a heterogeneidade presente em todos os espaços educativos de nossa sociedade. O presente artigo evidencia por meio de uma pesquisa qualitativa, de caráter histórico, que estudar este amplo processo percorrido pelas pessoas com deficiência não apenas nos auxilia a compreender como chegamos às escolas que temos hoje, como também nos ajuda a pensar nas políticas públicas emergentes a partir das conquistas por estes já alcançadas, trazendo assim fortes implicações sobre os paradigmas atuais, bem como uma nova figuração a este espaço chamado escola.

Biografia do Autor

Rayssa Maria Anselmo de Brito, UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA
Doutoranda em Educação na Linha de Processos Ensino-Aprendizagem do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba.

Referências

ARANHA, Maria Salete Fábio. Paradigmas da relação da sociedade com as pessoas com deficiência. In: Revista do Ministério Público do Trabalho, v. 11, n. 21, p. 160-173, 2001.

______ Educação inclusiva: v. 3: a escola. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2004. 26 p.

BIANCHETTI, Lucídio. Aspectos históricos da educação especial. In: Revista Brasileira de Educação Especial, v. 2, n. 3, p. 7-19, 1995.

BRASIL. Constituição: República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, Centro Gráfico, 1988, p. 137 -141.

_____. Senado Federal. Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional, lei de nº 9.394/96. Brasília: 1996.

______ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica. MEC/SEESP, 2002.

¬¬¬________ Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. MEC/SEESP, 2008. Disponível em http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/politica.pdf Acesso em: Mar. 2016.

______ Resolução nº 4, de 2 de outubro de 2009. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf Acesso em: Dez. 2016.

_______. Presidência da República. Casa Civil. Lei 13.146/2015 de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Brasília, 2015. Disponível em: http://unesdoc.unesco. org/images/0008/000862/086291por.pdf. Acesso em: Out. 2016.

CAMPBELL, Selma Inês. Múltiplas faces da inclusão. Rio de Janeiro: Wak Ed. 2009.

CARNEIRO, Krystine. Escola pública promove educação especial inclusiva em João Pessoa: Sala de recurso auxilia alunos com deficiências no turno oposto às aulas. 15/08/2014. Disponível em: http://g1.globo.com/pb/paraiba/noticia/2014/08/escola-publica-promove-educacao-especial-inclusiva-em-joao-pessoa.html Acesso em: Mar. 2016.

CARVALHO, Márcia. Educação inclusiva: um dever da escola. 2006. Secretaria Municipal de Educação de Goiânia. Disponível em: http://www.planetaeducacao.com.br/portal/impressao.asp?artigo=1465 Acesso em Jan. 2017.

COSTA, Marisa Vorraber; SILVEIRA, Rosa Hessel; SOMMER, Luis Henrique. Estudos culturais, educação e pedagogia. In: Revista Brasileira de Educação [online]. 2003, n. 23, p. 36-61. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n23/n23a03. Acesso em: dez. 2015.

ELIAS, Norbert; SCOTSON, John. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeio: Jorge Zahar Ed, 2000.

ELIAS, Norbert. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar ed.,1994.

GLAT, R. et all. A educação especial no paradigma da inclusão: a experiência da rede pública do Rio de Janeiro. In: Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino, 13, 2006, Recife. Anais... Recife, 2006. p. 1-10.

KASSAR, Mônica de Carvalho Magalhães. Percursos da constituição de uma política brasileira de educação especial inclusiva. In: Rev. bras. educ. espec, v. 17, n. spe1, p. 41-58, 2011.

ONU. Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. (2007). Disponível em: www.presidencia.gov.br/sedh/corde Acesso em: Nov. 2016

SANTIAGO, Sandra Alves da Silva. Educação para todos: Um Estudo sobre a política de inclusão dos portadores de necessidades educacionais especiais no Brasil. (2003). 190f. Dissertação (Mestrado em Educação)- Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003. Disponível em: http://repositorio.ufpe.br/bitstream/handle/123456789/4756/arquivo5872_1.pdf?sequence=1&isAllowed=y Acesso em: jan. 2016.

______ A história da exclusão das pessoas com deficiência: aspetos sócio-econômicos, religiosos e educacionais. João Pessoa, Editora Universitária da UFPB, 2011.

SANTOS, Jaciete Barbosa dos. A “dialética da exclusão/inclusão” na história da educação de ‘alunos com deficiência’. In: Educação e Contemporaneidade, p. 27, 2002.

SAMPAIO, Cristiane T.; SAMPAIO, Sônia Maria R. Educação inclusiva: o professor mediando para a vida. Edufba, 2009.

SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão: Construindo uma sociedade para todos. 7. ed. Rio de Janeiro: WVA, 2006.

UNESCO. Declaração Mundial sobre Educação para Todos: satisfação das necessidades básicas de aprendizagem. aprovada pela Conferência Mundial sobre Educação para Todos. Jomtien, Tailândia – 5 a 9 de março de 1990. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0008/000862/086291por.pdf Acesso em: Mar. 2016.

________ Declaração de Salamanca e Linha de Ação sobre Necessidades Educativas Especiais. Brasília: CORDE, 1994. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf Acesso em: Mar. 2016.

Publicado
2018-05-08
Como Citar
Brito, R. M. A. de, & Lucena, R. de F. (2018). PERCURSO HISTÓRICO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA: ENTRE PARADIGMAS E RECONFIGURAÇÕES. Revista Educare, 2(2), 269-290. Recuperado de https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/educare/article/view/39378
Seção
Fluxo contínuo