MEMÓRIA ORGANIZACIONAL COMO FORMA DE PRESERVAÇÃO DO CONHECIMENTO

  • Letícia Gorri Molina Universidade Estadual de Londrina
  • Marta Lígia Pomim Valentim Universidade Estadual Paulista / campus Marília
Palavras-chave: Memória. Memória Organizacional. Gestão do Conhecimento. Aglomerações Empresariais. Arranjos Produtivos Locais (APL)

Resumo

Com o acelerado desenvolvimento da sociedade, resultado do constante crescimento de distintas áreas, as pequenas e médias empresas precisaram desenvolver mecanismos que as ajudassem no seu próprio desenvolvimento, visando à sobrevivência no mundo competitivo. Uma das maneiras encontradas por essas empresas foi a estruturação de aglomerações empresariais e industriais, voltadas ao mesmo segmento de negócio, denominada de arranjos produtivos locais. Nesse cenário, evidencia-se o papel das organizações como protagonistas de um ambiente que se caracteriza por uma extensa produção informacional, que precisa ser organizada e tratada, com objetivo de facilitar seu acesso e uso. Distintos conteúdos informacionais têm sido produzidos pelas organizações, entretanto muitos conteúdos têm se perdido. Isso pode ser resultado da inexistência de mecanismos que possam gerenciá-los e preservá-los eficazmente para o futuro acesso e disseminação. De acordo com esse panorama, surge a necessidade de se estudar e analisar a importância da criação de uma estrutura de memória organizacional, que possibilite o registro, a preservação e a disseminação do conhecimento que tem sido produzido pelos participantes do Arranjo Produtivo Local de Tecnologia de Informação de Londrina e região. Como objetivo geral do trabalho, pretendeu-se analisar de que maneira a memória organizacional se constitui em espaços empresariais, especificamente em arranjos produtivos locais, tendo como enfoque a importância do acesso e uso da informação, possibilitando o gerenciamento do conhecimento produzido. Como métodos de pesquisa, utilizaram-se o Estudo de Caso que segundo Yin (2005) é uma estratégia de pesquisa voltada ao conhecimento de fenômenos individuais, organizacionais e de grupo, entre outros, e a Análise de Conteúdo de Laurence Bardin. Como resultados destacaram-se que os participantes da pesquisa consideram importante a estruturação de uma memória organizacional, com vistas ao registro e preservação da informação e conhecimento por eles produzidos; as formas de disseminação e compartilhamento da informação ainda são precárias; a informação e conhecimento por eles demandados são parcialmente supridos, visto que ainda não existe uma estrutura, de base tecnológica, que auxilie no registro e preservação, facilitando sua localização e uso, porém ressalta-se que está sendo implantado um novo site, com gerenciador de conteúdo, visando solucionar alguns desses problemas; o acesso à informação útil e de qualidade é uma das principais vantagens em se participar do APL, ou seja, a informação tem muito valor para os participantes; nesse ambiente, a cooperação é uma das principais bases para o desenvolvimento das empresas; nesse grupo, observou-se alto nível de união e relacionamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Letícia Gorri Molina, Universidade Estadual de Londrina
Professora do depto. de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Doutora em Ciência da Informação pela UNESP/Marília.
Marta Lígia Pomim Valentim, Universidade Estadual Paulista / campus Marília
Professora do depto. de Ciência da Informação da Universidade Estadual Paulista / campus de Marília. Doutora em Ciência da Informação.
Publicado
2015-12-22
Como Citar
Molina, L. G., & Valentim, M. L. P. (2015). MEMÓRIA ORGANIZACIONAL COMO FORMA DE PRESERVAÇÃO DO CONHECIMENTO. Perspectivas Em Gestão & Conhecimento, 5(2), 147-169. Recuperado de https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/pgc/article/view/18962
Seção
Relatos de Pesquisa | Research Articles