O USO DE COMUNIDADES DE PRÁTICA VIRTUAIS (VCoPs) PARA FINS DE INOVAÇÃO SEGUNDO PERCEPÇÃO DE SEUS MEMBROS

  • Julieta Kaoru Watanabe Wilbert Universidade Federal de Santa Catarina
  • Isabela Cristini Gonçalves de Oliveira Fundação de Ensino e Engenharia de Santa Catarina
  • Andrea Valéria Steil Universidade Federal de Santa Catarina
  • Gertrudes Aparecida Dandolini Universidade Federal de Santa Catarina
  • João Artur de Souza Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Comunidades de Prática Virtuais, Inovação, Compartilhamento do Conhecimento, Setor Público

Resumo

Comunidades de Prática Virtuais (VCoPs) têm despertado interesse de pesquisadores quanto ao uso potencial para inovação. Há autores que mencionam esta possibilidade, entretanto são poucos os relatos de casos de emprego de VCoPs como facilitadoras de processos de inovação. Dentre estes se destacam pesquisas no setor de saúde pública, que desmistificam a crença de que a falta de concorrência não estimule organizações públicas a adotarem práticas promotoras de inovação. Constatada a existência de inovações ocorridas por meio de VCoPs em uma empresa pública brasileira de grande porte, investigou-se a percepção de membros de VCoPs dessa organização sobre o potencial do seu uso para fins de inovação. O estudo foi pautado pelo paradigma interpretativo. A coleta de dados ocorreu por meio de entrevistas com nove participantes de VCoPs que geraram inovações na organização estudada. Os procedimentos de análise envolveram a codificação estrutural dos dados e sua posterior categorização. Como resultado verificou-se que os entrevistados percebem que as VCoPs têm grande potencial para darem suporte a processos de inovação e identificaram três condicionantes para que isso ocorra: o contexto organizacional, a dinâmica das comunidades e o comportamento das pessoas (membros e moderadores). O artigo contribui para ratificar, no contexto estudado, alguns pontos apresentados na literatura internacional sobre os condicionantes que promovem o uso de VCoPs para fins de inovação. Exemplos destes condicionantes incluem o amplo apoio da organização às VCoPs, a existência de tecnologia adequada e a existência de membros e moderadores ativos e abertos à inovação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julieta Kaoru Watanabe Wilbert, Universidade Federal de Santa Catarina
Departamento de Engenharia do Conhecimento
Andrea Valéria Steil, Universidade Federal de Santa Catarina
Professora do Departamento de Psicologia, Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento e Programa de de Pós-Graduação em Psicologia
Gertrudes Aparecida Dandolini, Universidade Federal de Santa Catarina
Professora do Departamento de Engenharia do Conhecimento e do Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento
João Artur de Souza, Universidade Federal de Santa Catarina
Professor do Departamento de Engenharia do Conhecimento e do Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento
Publicado
2017-03-25
Como Citar
Wilbert, J. K. W., Oliveira, I. C. G. de, Steil, A. V., Dandolini, G. A., & Souza, J. A. de. (2017). O USO DE COMUNIDADES DE PRÁTICA VIRTUAIS (VCoPs) PARA FINS DE INOVAÇÃO SEGUNDO PERCEPÇÃO DE SEUS MEMBROS. Perspectivas Em Gestão & Conhecimento, 7(1), 109-125. https://doi.org/10.21714/2236-417X2017v7n1
Seção
Relatos de Pesquisa | Research Articles