Oswaldo Rodrigues Cabral e a formação da Antropologia em Santa Catarina

  • Amurabi Oliveira
  • Inaê Barbosa

Resumo

A história da antropologia no Brasil tem sido continuamente revisitada. Porém, neste processo é recorrente a reafirmação de hierarquias acadêmicas que invisibilizam aquelas antropologias consideradas “provincianas”. Visando contribuir com esse debate, este artigo traz alguns elementos para compreendermos a formação da antropologia em Santa Catarina a partir da atuação de Oswaldo Rodrigues Cabral (1903-1978) entre as décadas de 1950 e 1960. A análise será realizada principalmente a partir dos documentos da Faculdade Catarinense de Filosofia (FCF), mas considerando também a atuação de Cabral em outros espaços neste mesmo período.

Referências

CABRAL, Oswaldo Rodrigues. Cultura e folclore: bases científicas do folclore. Florianópolis: Comissão Catarinense de Folclore, 1954.

______. João Maria: interpretação da Campanha do Contestado. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1960.

______. Santa Catharina – história, evolução. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1937.

CORRÊA, Mariza. As Ilusões da Liberdade: a escola Nina Rodrigues e a antropologia no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2013.

COSTA, Maria C. Castilho. Etnografia de arquivos – entre o passado e o presente. Matrizes, v. 3, n. 2, p. 171-186, 2010.

CUNHA, Olivia. M. Gomes da. Tempo imperfeito: uma etnografia do arquivo. Mana, v. 10, n. 2, p. 287-322, 2004.

______. Gomes da. Do ponto de vista de quem? Diálogos, olhares e etnografias dos/nos arquivos. Estudos Históricos, n. 36, p. 7-32, 2005.

FREITAS, Patrícia de. Como se faz um historiador: o lugar de Oswaldo Rodrigues Cabral na historiografia catarinense. Revista Santa Catarina em História, v.6, n.1, p. 1-14, 2012.

FREYRE, Gilberto. Como e porque sou e não sou sociólogo. Brasília: Editora Unb, 1968.

GONÇALVES, Janice. Defender o patrimônio tradicional: a atuação dos folcloristas catarinenses entre 1948 e 1958. Memória e Patrimônio. v. 8, n. 2, p. 4-25, 2012.

GUERRA, Rogério F. Oswaldo Rodrigues Cabral: notas sobre a trajetória de vida de um intelectual brilhante. Revista de Ciência Humanas, v. 42, n. 1, p. 9-60, 2008.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, s/v, nº 5, p.7-41, 1995.

MATOS, Odilon Nogueira. Anais do Primeiro Congresso de História Catarinense. Revista de História, v. 10, n. 21-22, p. 537-539, 1955.

MICELI, Sergio. Intelectuais e classe dirigente no Brasil: (1920-1945). São Paulo: Difel, 1979.

OLIVEIRA, Amurabi. O ensino de ciências sociais na Faculdade Catarinense de Filosofia. Ciências Sociais UNISINOS, v. 54, n. 1, p. 117-125, 2018.

OLIVEIRA, Lúcia Lippi. Cultura é patrimônio. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2008.

PEREIRA, João Baptista Borges. Emilio Willems e Egon Schaden na história da Antropologia. Estudos Avançados, v. 8, n. 22, p. 249-253, 1994.

PINTO, Costa & Carneiro, Edison. As ciências sociais no Brasil. Rio de Janeiro: CAPES (Série Estudos e Ensaios, nº 6), 1955.

PONTES, Heloisa. Retratos do Brasil: editores, editoras e “coleções brasiliana” nas décadas de 30, 40 e 50. In: MICELI, Sergio. História das Ciências Sociais no Brasil. Vol.1, São Paulo: Vértice, 1989, p. 359-409.

REESINK, Mísia; CAMPOS, Roberta. A Geopolítica da Antropologia no Brasil: ou como a província vem se submetendo ao Leito de Procusto. In: SCOTT, Parry; CAMPOS, Roberta Bivar; PEREIRA, Fabiana (Orgs.). Rumos da Antropologia no Brasil e no Mundo: Geopolíticas Disciplinares. Recife EDUFEPE/ABA, 2014, p. 55-81.

SANTOS, Sílvio Coelho dos. A Antropologia em Santa Catarina. In: SANTOS, Sílvio Coelho dos (org.). Memória da Antropologia no Sul do Brasil. Florianópolis: Ed. da UFSC, Associação Brasileira de Antropologia, 2006, p. 15-77.

______. In Memoriam: Oswaldo Rodrigues Cabral (1903-1978). Revista de Antropologia, v. 22, s/n, p. p. 277-278, 1979.

VILLAS BÔAS, Glaucia. A Vocação das Ciências Sociais no Brasil: um estudo da sua produção em livros do acervo da Biblioteca Nacional 1945 a 1966. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 2007.

Publicado
2018-09-05
Seção
Espaço Aberto