Representações sobre a reforma agrária no Brejo Paraibano

  • Patrícia Alves Ramiro Universidade Federal da Paraíba
  • Maria Clara Menezes Lima de Menezes Universidade Federal da Paraíba (UFPB)
  • Caterine Soffiati Universidade Federal da Paraíba (UFPB)
  • Ana Victória Santos Batista Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Resumo

O presente artigo apresenta algumas das representações construídas para justificar as trajetórias vividas por homens e mulheres que passam, no final da década de 1990, da condição de trabalhadores assalariados da usina Santa Maria para a de assentados rurais de reforma agrária.  Para tanto, nos valemos de narrativas construídas por moradores de um dos assentamentos implantados, no ano 1997, nas terras desapropriadas da usina falida: o assentamento União, localizado no município de Areia, na região do Brejo Paraibano. As representações aqui presentes são parte de depoimentos ouvidos durante a execução de diferentes atividades (propostas de adaptação de algumas técnicas de práticas de extensão rural participativas), que permitiram a criação de momentos compartilhados de discussão e de interpretações sobre o passado e o presente; revelando, nas memórias individuais, o fio condutor para a compreensão das transformações coletivas vividas.

Biografia do Autor

Patrícia Alves Ramiro, Universidade Federal da Paraíba
Pós doutorado pela EHESS. Doutora em Sociologia pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Docente do Departamento de Ciências Sociais, UFPB.
Maria Clara Menezes Lima de Menezes, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Graduanda em Ciências Sociais Universidade Federal da Paraíba (UFPB).Voluntária CNPq/PIVIC 2017/2018.

Caterine Soffiati, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Graduanda em Ciências Sociais Universidade Federal da Paraíba (UFPB).Bolsista CNPq/PIBIC 2017/2018.

Ana Victória Santos Batista, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Graduanda em Ciências Sociais Universidade Federal da Paraíba (UFPB).Bolsista extensão PROBEX 2017.

Referências

ALMEIDA, Horácio de. Brejo de Areia: Memórias de um município.2. ed.João Pessoa : Ed. Universitária UFPB,1980.

BOURDIEU, Pierre. Espaço físico, espaço social e espaço físico apropriado. Estudos Avançados, 27 (79), p. 133-144, 2013.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 9ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

BRANDÃO, C. R. Plantar, colher, comer: um estudo sobre o campesinato goiano. Rio de Janeiro: Graal, 1981. (Série Antropologia, nº 20).

CÂNDIDO, Antônio. Os Parceiros do Rio Bonito: estudo sobre o caipira paulista e a transformação de seus meios de vida. 7 ed. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1987.

COELHO, Fabiano. A prática da mística e a luta pela terra no MST. Dissertação (Mestrado em História), UFGD, 2010.

CORREIA DE ANDRADE, Manuel. Cidade e campo no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1974.

D’AQUINO, Teresinha. A casa, os sítios e as agrovilas: uma poética do tempo e do espaço no assentamento rural das terras de Promissão-SP. Cadernos CERU, série 2, nº 8, p.29-50, 1997.

DATALUTA. Banco de Dados da Luta pela Terra - Paraíba Relatório 2013. Disponível em:

GARCIA Jr., Afrânio Raul. O Sul: caminhos do roçado - estratégias de reprodução camponesa e transformação social. São Paulo: Marco Zero, 1990.

GARCIA Jr., Afrânio Raul. Terra de trabalho: trabalho familiar de pequenos produtores. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC – Livros Técnicos e Científicos, 1989.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

HEREDIA, Beatriz Maria Alásia de. A morada da vida: trabalho familiar de pequenos produtores no Nordeste do Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

LEACH, E. R. Repensando a Antropologia. São Paulo: Perspectiva, 1974.

MARTINS, José de Souza (org.). Travessias: estudo de caso sobre a vivência da reforma agrária nos assentamentos. Porto Alegre: UFRGS, 2003.

MARTINS, José de Souza. Expropriação e Violência: a questão política no campo. São Paulo: Hucitec, 1980.

_____________________. O Cativeiro da terra. São Paulo: Hucitec, 1979.

MEDEIROS, Leonilde Sérvolo et al. (org.). A Formação dos assentamentos rurais no Brasil: processos sociais e políticas públicas. Porto Alegre/Rio de Janeiro: UFRGS/CPDA/UFRRJ, 1999.

MELO, Mário Lacerda de. Paisagens do Nordeste em Pernambuco e Paraíba. 2 ed. Recife: CEPE, 2012.

MENEZES, M. A. de; MALAGODI, E.; MOREIRA, E. Da usina ao assentamento: os dilemas da reconversão produtiva no Brejo paraibano. Estudos Sociedade e Agricultura, vol. 21, n. 2, 2013, pp. 332-358.

PALMEIRA. M. Casa e trabalho: notas sobre as relações sociais na plantation tradicional. In: WELCH, C. A. et. al. (org.). Camponeses brasileiros. São Paulo/DF: UNESP/NEAD, 2009. p. 203-215.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 5, n. 10, p. 200-212, 1992.

RAMIRO, Patrícia Alves. O mundo social entre compartilhado e segmentado: relembrando os espaços de “O Sul: caminho do roçado”. Entrevista com Afrânio Garcia Jr. Política & trabalho, v.45, p. 375 - 393, 2016.

RAMIRO, Patrícia Alves; MANCUSO, Maria Inês Rauter. Revisitando o campo: o retorno e a permanência no meio rural. CADERNOS CERU, série 2, v. 20, n. 2, p. 15-31, 2009.

STEDILE, J. P.; FERNANDES, B. M. Brava gente: a trajetória do MST e a luta pela terra no Brasil. 2 ed. São Paulo: Expressão Popular, 2012.

VERDEJO, Miguel Expósito. Diagnóstico rural participativo: guia prático. Brasília: EMATER/MDA, 2006.

VIEIRA, Luiz Carlos. A mística no MST: um ritual político. Anais do XIII Encontro de História ANPUH, Rio de Janeiro, 2016.

WANDERLEY, Maria de Nazareth B. Raízes históricas do campesinato brasileiro. In: TEDESCO, João Carlos (org.). Agricultura familiar: realidades e perspectivas. 2 ed. Passo Fundo: EDIUPF, 1999.

WOORTMANN, K. “A comida, a família e a construção do gênero feminino”, Dados – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 29, n. 1, pp. 103-30, 1986.

Publicado
2020-03-06