Caminhada dos terreiros de Pernambuco

contra a intolerância religiosa e o racismo

  • Fábio Cruz da Cunha Tribunal de Justiça de Pernambuco
  • Roselia Adriana Barbosa da Rocha Fundaj

Resumo

A Caminhada dos Terreiros de Pernambuco é um evento que vem acontecendo há mais de uma década na cidade do Recife (capital de Pernambuco), abrindo as celebrações do mês da Consciência Negra em Novembro, buscando ser um instrumento na luta contra a Intolerância Religiosa no nosso Estado, na qual os fiéis, seguidores e sacerdotes das religiões de matrizes africanas vêm sofrendo no Brasil em especial pelos adeptos religiões neopentecostais. Seus organizadores são sacerdotes das nações de candomblé nagô, queto, jejê, angola, e da umbanda-jurema (religião de herança africana). O cortejo acontece na área central da cidade durante o horário vespertino, iniciando com um ato público e uma pequena cerimônia religiosa, saindo, em seguida, os participantes seguem os trios elétricos que vão cantando e louvando em toadas e zuelas os orixás. Durante todo o ato acontecem discursos conscientizadores da obrigatoriedade do respeito religioso e informativos das leis e dos instrumentos legais que amparam estes povos. Os religiosos acompanham o cortejo trajados nas suas vestes rituais: calça de ração, kaftas, ojás, saias de baianas, turbantes, torços, xales de pano da costa, alakas, adjás e suas guias ou voltas de contas de seus orixás. É um evento que tem caráter político-ideológico na luta contra o racismo, e principalmente em favor do direito de liberdade religiosa dos povos das religiões de matrizes africanas.

Biografia do Autor

Fábio Cruz da Cunha , Tribunal de Justiça de Pernambuco

Graduando em Ciências Sociais (UFRPE). Licenciado em Letras (UFPE). Bacharel em Direito e em Museologia (UFPE) e Pós-Graduado em Patrimônio, Direitos Culturais e Cidadania (UFG). Tribunal de Justiça de Pernambuco, Brasil.

Roselia Adriana Barbosa da Rocha , Fundaj

Fotógrafa, Bacharel em Museologia (UFPE), Pós-Graduanda em Museus, Identidades e Comunidades (Fundaj).  Museu Cais do Sertão, Brasil.

Publicado
2020-03-06