Rousseau para além de si mesmo: Nietzsche e o perfil psicológico do rousseauísmo

  • Saulo Krieger Universidade Federal de São Paulo, Unifesp
Palavras-chave: Iluminismo, Inconsciente, Alma, Cogito, Tipo

Resumo

O objetivo do presente artigo é reabilitar e aprofundar um traço da relação entre Nietzsche e Rousseau que a pesquisa Nietzsche tem relegado, possivelmente por considerá-lo óbvio e crer que nada há a se dizer a respeito: Nietzsche crítico de Rousseau. Com isso, propomo-nos trazer à luz esse traço, mas evidenciando a esfera mesma que o filósofo alemão está a levar em conta em suas observações críticas: a esfera inconsciente, que segundo Nietzsche teria ditado os rumos da filosofia de Rousseau e do rousseauísmo. Nesse sentido, abordaremos o atentado à noção de alma por Descartes no século XVII, a crescente vulnerabilização dessa noção em razão da Revolução Científica dos séculos XVII e XVIII, e a reação de alguns luminares do XVIII ao que podemos referir por um desencantamento do mundo, a reação de Rousseau.  Para Nietzsche, a reação de Rousseau, mais do que uma contribuição filosófica autônoma, seria uma reincidência do filósofo e de seus seguidores em dispositivos ancestrais de relação do homem com a natureza, como o de imaginar um passado áureo de deuses e heróis e o de imputar ao meio externo ameaças que visualiza dentro de si.

Biografia do Autor

Saulo Krieger, Universidade Federal de São Paulo, Unifesp

Saulo Krieger defendeu doutorado no Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Unifesp em abril de 2019, a tese tendo recebido indicação para publicação e para seleção interna ao departamento tendo em vista o prêmio Anpof.

Referências

ANSELL PEARSON, K. Nietzsche contra Rousseau. A study of Nietzsche´s Moral and Political Thought. Cambridge: Cambridge University Press, 1991.

BURNS, W. E. Science in the Enlightenment. An Encyclopaedia. Santa Barbara CA: ABC Clio, 2003.

CHAUÍ, M. “Um anacronismo interessante”. In: Martins, A., Santiago, H. & Oliva L. C. As ilusões do eu. Spinoza e Nietzsche. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011, p. 323-348.

HARDT, L. S. “Rousseau e Nietzsche: de como a ideia da natureza estabelece o devir”. In: Cadernos de ética e filosofia política, n. 21 (2012): Rousseau: Natureza e Sociedade, p. 207- 218.

KRIEGER, S. “Um olhar de Nietzsche ao século XVII: os subterrâneos da revolução cartesiana”. In: Cadernos Nietzsche, vol. 39. n. 3, 2018,

NIETZSCHE, F. Sämtliche Werke – Kritische Studienausgabe (KSA). Edição organizada por Giorgio Colli e Mazzino Montinari. Berlim: De Gruyter & Co., 1988, 15 vols.

__________. A gaia ciência. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

__________. Além do bem e do mal. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

__________. Aurora. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

__________. Crepúsculo dos ídolos. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

__________. Humano, demasiado humano. Trad. Paulo César de Souza. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

__________. O andarilho e sua sombra (Humano, demasiado humano II). Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

VIESENTEINER, J. L. “Algumas refutações sobre a crítica de Nietzsche a Rousseau”. In: Anais do II Colóquio Rousseau, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas – IFCH, Unicamp.

Publicado
2020-06-07
Como Citar
Saulo Krieger. (2020). Rousseau para além de si mesmo: Nietzsche e o perfil psicológico do rousseauísmo. Aufklärung: Revista De Filosofia, 7(1), p.129-140. https://doi.org/10.18012/arf.v7i1.48047