Orange é o novo gênero: ressignificações e transsignificações do feminino/masculino em formato televisivo para plataforma web

Autores

  • Tania Siqueira Montoro PPGC/UFPB
  • Clarissa Raquel Motter Dala Senta

Resumo

Em uma cultura de massas na qual predominam, nos produtos midiáticos, visões estereotipadas sobre gênero e seus atravessamentos de raça, etnia, idade e sexualidade, o novo formato televisivo para plataforma web tem permitido uma difusão de narrativas com visões mais complexas sobre as feminilidades e as masculinidades. A série televisual Orange is the new black, produzida e distribuída pela empresa Netflix, destaca-se como produto audiovisual contemporâneo que, conjugando drama e comédia, possibilita uma leitura contestadora dos antagonismos de gênero, configurando-se como um caminho narrativo para novas conjecturas de poder no imaginário televisivo. Palavras-Chave: Gênero. Televisão. Web. Imaginário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2015-12-27

Como Citar

MONTORO, T. S.; DALA SENTA, C. R. M. Orange é o novo gênero: ressignificações e transsignificações do feminino/masculino em formato televisivo para plataforma web. Culturas Midiáticas, [S. l.], v. 8, n. 2, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/cm/article/view/27199. Acesso em: 28 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: As séries televisivas contemporâneas