“Eu não vou tirar o meu batom vermelho”: descortinamento de injustiças e abusos em relacionamentos afetivos no ciberespaço

Autores

  • Danila Cal PPGC/UFPB
  • Juliana Miranda

Resumo

Este artigo objetiva analisar relatos de mulheres que sofreram ou sofrem em um relacionamento abusivo à luz da Teoria do Reconhecimento, de Axel Honneth (2003), e das considerações de Patricia Lange (2007; 2008) sobre a exposição de intimidades no ciberespaço. Dessa forma, examinamos os comentários referentes ao vídeo “Não Tira o Batom Vermelho”, do canal “JoutJout Prazer”, de Júlia Tolezano, no Youtube. O vídeo fala a respeito de relacionamentos abusivos e cita exemplos de comportamentos que seriam considerados prejudiciais à autoestima e ao bem-estar das mulheres em um relacionamento. Os comentários mostraram que o vídeo permitiu o desvelamento de situações opressivas e atuou na construção da percepção pública desse problema e na construção de uma semântica coletiva a respeito dos comportamentos que transformam os relacionamentos afetivos em espaço de desrespeito e opressão. Palavras-Chave: Relacionamentos Abusivos. Reconhecimento. Intimidades. Ciberespaço.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2016-12-26

Como Citar

CAL, D.; MIRANDA, J. “Eu não vou tirar o meu batom vermelho”: descortinamento de injustiças e abusos em relacionamentos afetivos no ciberespaço. Culturas Midiáticas, [S. l.], v. 9, n. 2, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/cm/article/view/32229. Acesso em: 24 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Novas ambiências e práticas interacionais emergentes