CARLO GINZBURG E O DIALOGISMO: A HISTORIOGRAFIA NO ENCONTRO COM BAKHTIN

  • Marco Aurélio de Souza Universidade Estadual de Ponta Grossa
Palavras-chave: dialogismo, historiografia, Carlo Ginzburg

Resumo

Este artigo propõe uma análise da concepção de dialogismo e, por decorrência e co-relação, da categoria texto, nas reflexões teóricas de Carlo Ginzburg publicada no artigo O Inquisidor como antropólogo (1991). Para tanto, tomarei por base os escritos de Mikhail Bakhtin reunidos nos títulos Estética da Criação Verbal (2003) e Questões de literatura e estética: a teoria do romance (1998), assim como contribuições de pesquisadores de sua obra, buscando identificar o modo como o historiador italiano se apropriou da noção de dialogismo em sua construção teórica, resultando daí uma ideia de texto que sustenta e percorre pelo conceito de História de Ginzburg.

Biografia do Autor

Marco Aurélio de Souza, Universidade Estadual de Ponta Grossa
Graduado em História pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), atualmente é bolsista capes no Mestrado em Linguagem, Identidade e Subjetividade, também na UEPG.
Publicado
2017-01-20
Seção
Artigos