Eneias como representação do principium individuationis de Augusto

Autores

  • Douglas Esteves Moutinho UFRJ NIELIM-UFRJ

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2237-0900.2020v16n1.46383

Resumo

O período compreendido como Pax Romana, iniciado por Augusto, pode ser considerado como um dos momentos mais significantes da civilização romana. Nela teve início a Era de Ouro das artes em latim, tendo seu apogeu na literatura com a Eneida de Virgílio, poema que elogia o Império, o povo e seu representante máximo. Essa paz apenas foi possível graças a um conjunto de fatores, dentre eles a utilização da própria obra de Virgílio como propaganda. O trabalho em questão pretende analisar a obra e o momento histórico de sua composição, a fim de buscar os motivos inconscientes que possibilitaram à Eneida elogiar de maneira tão substancial o Princeps Civitatis, o qual ela retratava.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Douglas Esteves Moutinho, UFRJ NIELIM-UFRJ

Bacharel em letras: português/alemão pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Aluno de mestrado em letras clássicas da linha de pesquisa: estudos interdisciplinares da antiguidade clássica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Aluno de graduação em História pela Universidade Católica de Petrópolis.

Downloads

Publicado

2020-06-15

Como Citar

Moutinho, D. E. (2020). Eneias como representação do principium individuationis de Augusto. DLCV - Língua, Linguística &Amp; Literatura, 16(1), e020002. https://doi.org/10.22478/ufpb.2237-0900.2020v16n1.46383

Edição

Seção

Dossiê: Língua e Literatura Clássicas