Da infância à juventude em Noturno sem Música, de Gilvan Lemos

Autores

  • Antony Cardoso Bezerra UFRPE
  • Andreza Karoline Cavalcanti Martins Graduada em Jornalismo pela Faculdade Joaquim Nabuco

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2237-0900.2020v16n2.48999

Resumo

Um dos fatores capitais na obra do escritor pernambucano Gilvan Lemos é a representação das fases da existência humana. Em seu romance de estreia, Noturno sem Música, esse quadro já se faz presente. A narração em primeira pessoa por Jonas, jovem que também protagoniza a narrativa, é reveladora dos percalços do amadurecimento e, também, dos conflitos geracionais dele derivados. A partir do acompanhamento do percurso literário de Gilvan Lemos, promove-se uma leitura crítica do romance. O foco da investigação se dirige às percepções do narrador e do protagonista sobre si próprios e sobre os mais velhos, num jogo entre passado e presente marcado pelo contraste. Para a problematização acerca da infância, da juventude e da velhice, conta-se com os estudos de Buenaventura Delgado (1998), Bosi (1987) e Elias (2001) como fundamento. A caracterização do tempo na narrativa bebe das fontes oferecidas por Mendilow (1972) e Pouillon (1974).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andreza Karoline Cavalcanti Martins, Graduada em Jornalismo pela Faculdade Joaquim Nabuco

Graduada em Jornalismo pela Faculdade Joaquim Nabuco Licencianda em Letras na Universidade Federal Rural de Pernambuco

Downloads

Publicado

2020-11-25

Como Citar

Bezerra, A. C., & Martins, A. K. C. (2020). Da infância à juventude em Noturno sem Música, de Gilvan Lemos. DLCV - Língua, Linguística &Amp; Literatura, 16(2), e020016. https://doi.org/10.22478/ufpb.2237-0900.2020v16n2.48999

Edição

Seção

Artigos