Amor, interdito e transgressão em Rútilo Nada

Autores

  • Francisca Yorranna da Silva Universidade Federal do Ceará
  • Mary Nascimento

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2237-0900.2020v16n2.55978

Resumo

Falar de amor é, na maioria das vezes, evocar um sentimento puro, generoso e justo. Entretanto, a literatura, desde o diálogo platônico entre Sócrates e Diotima que revela que Eros não é bom nem belo, pois não se trata de um deus, mas de um daimon, até os textos mais contemporâneos, nos mostra uma face do amor que causa destruição. A culpa disso não está no sentimento em si, mas em ser um amor interdito pelas regras que orientam nossa sociedade e estão arraigadas em discursos fundantes como os religiosos. Assim, este trabalho tem o objetivo de discutir a relação entre amor, interdito e transgressão a partir da leitura comparativa de Rútilo nada (1993), de Hilda Hilst, e de O erotismo (1987), de Georges Bataille. Por fim, ao concluirmos a análise, esperamos contribuir para a reflexão em torno do tema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-11-25

Como Citar

Silva, F. Y. da, & Leitão, M. N. da S. (2020). Amor, interdito e transgressão em Rútilo Nada. DLCV - Língua, Linguística &Amp; Literatura, 16(2), e020011. https://doi.org/10.22478/ufpb.2237-0900.2020v16n2.55978

Edição

Seção

Dossiê: Clarice & Hilda: da exaustão da palavra à efervescência do desejo