PRODUÇÃO E CORREÇÃO TEXTUAL: DESAFIOS POSSÍVEIS NO CONTEXTO ESCOLAR

  • Giselle Pupim Back Instituto Superior de Educação Professora Lucia Dantas (ISEL)
Palavras-chave: Produção textual. Prática docente. Correção textual e plano de intervenção.

Resumo

Dentre as inúmeras tarefas do professor, uma das mais importantes é, sem dúvida alguma, o ensino de produção de textos. O trabalho docente sempre se volta para o universo da leitura e da escrita. Sendo assim é nosso dever propiciar situações para a inserção dos alunos nas práticas de leitura e escrita instituídas socialmente. Este artigo visa discutir os mecanismos de produção e correção adotados pelo professor e propor técnicas de produções e de ajustes textuais para que o aluno quando exposto a um trabalho sistemático e sistematizado de leitura e escrita, possa aprender a dominar os recursos linguísticos-discursivos necessários à produção escrita autoral. As fontes científicas utilizadas para o embasamento teórico desta pesquisa foram livros, revistas e internet com autores como Bakthin (1997), Geraldi (2004), Jolibert (1994), Machado (2007), Marcuschi (2001), Matencio (2001), Miller (1998), Moscovici (2003) dentre outros. Para coletas de dados foram utilizados os registros de cadernos dos discentes, entrevistas e documental. Buscamos compreender o espaço que a escrita ocupa na prática escolar dos alunos do 5º ano, do Ensino Fundamental, de uma escola pública da cidade de Alta Floresta – MT. Observamos que a prática de produção textual na escola é rotineira, no entanto não há um plano de intervenção que atinja todos os alunos. Os resultados indicam que a prática de produção textual nas escolas deve ser repensada tornando-se mais significativa nos seus diversos contextos.

Biografia do Autor

Giselle Pupim Back, Instituto Superior de Educação Professora Lucia Dantas (ISEL)
Mestrando em Educação pelo Instituto Superior de Educação Professora Lucia Dantas (ISEL), com pós-graduação em Interdisciplinaridade e formada em Pedagogia. 

Referências

BAKHTIN, M. Estética de criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais –Língua Portuguesa-3° e 4° ciclos.Brasília: MEC,1998.

GERALDI, João Wanderlei. Da redação à produção de textos. In: CHIAPPINI, L. (Coord.). Aprender e ensinar com textos de alunos. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2004. v. 1.

JOLIBERT, J. (Coord.) Formando crianças produtoras de textos. Porto Alegre: Artmed, 1994, v. 2.

KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça; ELIAS, Vanda Maria. Ler e escrever: estratégias de produção textual. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2010.

KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça; ELIAS, Vanda Maria. 1.Leitura, texto e sentido; 2.Leitura, Sistemas de conhecimento e Processamento Textual; 3. Texto e Contexto; 4. Texto e Intertextualidade; 5. Gêneros Textuais. In: Ler e Compreender os sentidos do texto. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2009.

MACHADO, A. R.; ABREU-TARDELLI, L. S.; LOUSADA, E. Trabalhos de pesquisa: diários de leitura para a revisão bibliográfica. São Paulo: Parábola. Editorial, 2007.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Da fala para a escrita: atividade de retextualização. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONÍSIO, Ângela Paiva; MACHADO, Anna Rachel; BEZERRA, Maria Auxiliadora (Orgs.). Gêneros Textuais e Ensino. RJ: Lucerna, 2002.

MARCUSCHI, Luiz Antonio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Paráabola Editorial, 2008.

MATENCIO, Maria de Lourdes Meirelles. Estudo da língua falada e aula de língua materna: uma abordagem processual da interação professor/alunos. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2001.

MATENCIO, Maria de Lourdes Meirelles. Atividades de (Re) textualização em práticas acadêmicas: Um estudo do resumo. Scripta, Belo Horizonte, v.6, n.11, p.109-122, 2º sem. 2002.

MATENCIO, Maria de Lourdes Meirelles. Referenciação e retextualização de textos acadêmicos: um estudo do resumo e da resenha. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DA ABRALIN, 3., Anais... Rio de Janeiro, 2003.

MATENCIO, Maria de Lourdes Meirelles; SILVA, Jane Quintiliano Guimarães. Retextualização: movimentos de aprendizagem. In: ENCONTRO INTERNACIONAL: UM ESTUDO SOBRE A CORREÇÃO DE TEXTOS: DIÁRIO DE LEITURA. Anais... v. 4, n.1. ano IV, dez. 2011.

MILLER, S. O epilinguístico: uma ponte entre o linguístico e o metalinguístico. 1998. 185f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 1998.

MOITA LOPES, L. P. Oficina de lingüística aplicada. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1996.

MOSCOVICI, Serge. Representações sociais: investigação em psicologia social. Tradução de Pedrinho A. Guareschi. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

ROJO, R. H. R. A prática de linguagem em sala de aula: praticando os PCNs. Campinas: EDUC/Mercado de Letras, 2000.

RUIZ, Eliana Maria Severino Donaio. Como se corrige redação na escola. – Campinas, SP: Mercado de Letras, 2001.

SCHNEUWLY, B. E DOLZ, J. (Org.). Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: mercado de Letras, 2004.

SOARES, M. Aprender a escrever, ensinar a escrever. In: ZACCUR, E. A magia da linguagem. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

VERA, A. A. Metodologia da pesquisa científica. 5. ed. Tradução de Maria Helena GuedesCrespo e Beatriz Marques Magalhães. Porto Alegre: Globo, 1979.

Publicado
2018-12-30
Seção
Artigos de Revisão