DISCURSO PRÁTICO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO EM ORGANIZAÇÕES

  • Clóvis Ricardo Montenegro de Lima IBICT
  • José Rodolfo Tenório Lima Universidade Federal de Alagoas (UFAL)
  • Helen Fischer Günther Unisul
Palavras-chave: Discurso Prático. Aprendizagem em Organizações. Desenvolvimento moral.

Resumo

Discute o desenvolvimento nas organizações a partir do discurso prático e da aprendizagem, com vistas a identificar contribuições de uma perspectiva pragmática para o desenvolvimento moral e aprendizagem nas organizações, aqui observadas como sistemas. Para tanto, contrapõe-se as ideias de Discurso prático (Habermas) e de evolução na teoria de sistemas (Luhmann) com elementos de aprendizagem (Piaget e Paulo Freire). Compreende-se que o Discurso prático é uma forma especial de agir comunicativo, tem dimensões subjetiva, objetiva e social e desenvolve-se a partir do fio condutor de se colocar no outro. A aprendizagem, por sua vez, pressupõe uma mudança cognitiva, além de ser uma reconstrução racional que recria o conhecimento sobre as coisas no mundo da vida. Por conseguinte, não se pode olhar as organizações como se estivessem sobre trilhos que conduzem inevitavelmente para a melhoria e a inovação. As organizações estão dentro do mundo da vida e podem passar por acidentes e retrocessos. A teoria do desenvolvimento das organizações, portanto, necessita avançar no entendimento de como os seus participantes aprendem e como tal aprendizagem interfere na dinâmica organizacional. Ressalta-se que aprender por si só não garante evolução no sentido de melhorar desempenho e adaptação ao entorno.

Biografia do Autor

Clóvis Ricardo Montenegro de Lima, IBICT
Doutor em Ciência da Informação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Pesquisador Adjunto 1 do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT).
José Rodolfo Tenório Lima, Universidade Federal de Alagoas (UFAL)
Doutorando em Sociologia pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Professor na Universidade Federal de Alagoas (UFAL).
Helen Fischer Günther, Unisul
Doutora em Engenharia e Gestão do Conhecimento pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professora Titular da Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul). 

Referências

HABERMAS, J. Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.

______. O discurso filosófico da modernidade: doze lições. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

______. Para a reconstrução do materialismo histórico. São Paulo: Unesp, 2016.

LUHMANN, N. Social systems. Stanford: Stanford University Press,1995.

______. Organización y decisión. Autopoieses, acción y entedimiento comunicativo. México: Anthropos,1997.

______. La sociedad de La sociedad. Ciudad de México. Editora Herder, 2007.

NOBRE, M.; REPA, L. Breve Apresentação. In: NOBRE, Marcos; REPA, Luiz. Habermas e a reconstrução: sobre a categoria central da teoria crítica habermasiana. Campinas: Papirus, 2012a. p. 7-11.

______. Introdução - reconstruindo Habermas: etapas e sentido de um percurso. In: NOBRE, Marcos; REPA, Luiz. Habermas e a reconstrução: sobre a categoria central da teoria crítica habermasiana. Campinas: Papirus, 2012b. p. 13-41.

RIBEIRO, A. M. M.; NEVES, F. M. A conformação dos grupos de pesquisa em biotecnologia da cana de açúcar na região norte-fluminense: a perspectiva do "novo sistemismo". Ciências Sociais Unisinos, São Leopoldo, v. 41, n. 3, p.171-182, 2005. Set/dez.

RODRIGUES, L. P.; NEVES, F. M. A sociologia de Niklas Luhmann. Petrópolis: Vozes, 2017.

SEIDL, D.; BECKER, K. H. Niklas Luhmann and Organization Studies. Denamark: Copenhagen Business School Press. 2006a

______. Organizations as distinction generating and processing systemas: Niklas Luhmann's contribution to oragnizacion studies. Organization, London, v. 1, n. 13, p.9-35, abr. 2006b

SIEBENEICHLER, F. B. O direito das sociedades pluralistas: entre o sistema imunizador luhmanniano e o mundo da vida habermasiano. In: SIEBENEICHLER, F. B. Direito, moral, política e religião nas sociedades pluralistas: entre apel e habermas. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2006. p. 39-60.

SILVA, F. G.; MELO, R. Crítica e reconstrução em direito e Democracia. In: NOBRE, M.; REPA, L. Habermas e a reconstrução: sobre a categoria central da teoria crítica habermasiana. Campinas: Papirus, 2012. p. 135-167.

SOUZA, Y. S. Organizações de Aprendizagem ou Aprendizagem Organizacional. RAE Eletrônica, v. 3, n. 1, 2004.

VIZEU, F. Ação comunicativa e estudos organizacionais. Revista de Administração de Empresas, v. 45, n. 4, 2005.

Publicado
2018-12-30
Seção
Comunicações de Trabalhos/Pesquisas em Andamento