ACERCA DA EXISTÊNCIA DE PENSADORAS NO BRASIL E NA AMÉRICA LATINA

  • Ana Mírian Altmayer Wuensch Professora do Dep. de Filosofia da UnB
Palavras-chave: Pensadoras, América Latina, Identidades femininas, Diário de um filósofo

Resumo

Neste texto, procuramos pelas pensadoras latino-americanas, com ênfase nas pensadoras brasileiras. O pensamento de autoria feminina abre-se para um campo multidisciplinar; nele reconhecemos um protagonismo revelador de identidades femininas reflexivas exemplares. Buscamos fazer um inventário inicial da reflexão protagonizada por mulheres, entre nós, e constatamos a necessidade de uma obra de referência que se dedique exclusivamente ao pensamento delas, no contexto latino-americano e brasileiro, para evitar que a marginalização da produção filosófica feminina se dissolva no problema mais geral do desaparecimento da filosofia latino-americana. Dialogamos com o Diário de um Filósofo no Brasil, de Julio Cabrera, perguntando por categorias capazes de revelar as nossas pensadoras, em suas singularidades e diferenças. Neste sentido, apresentamos duas categorias, abrangentes e inaugurais: párias e exiladas, recuperando, para os nossos propósitos, algumas reflexões de Flora Tristán, Hannah Arendt e María Zambrano.


[doi:http://dx.doi.org/10.7443/problemata.v6i1.24238]

Biografia do Autor

Ana Mírian Altmayer Wuensch, Professora do Dep. de Filosofia da UnB
Licenciada em Filosofia pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM/RS), Especialista em Fenomenologia pela Universidade de Brasília (UnB/DF), e Mestre em Filosofia Política pela Universidade Federal de Goiás (UFG/GO). Professora do Dep. de Filosofia da UnB desde 1995, ocupa-se com a formação de professores para o ensino de filosofia, em diversos níveis educacionais. Estuda filosofia para crianças desde 1989, tendo publicado um livro didático para adolescentes em parceria com Angélica Sátiro - Pensando Melhor, Iniciação ao filosofar (Saraiva, 1ª ed.1997, ed. reformulada 2003) - entre outros artigos e cursos sobre o tema.  Em diversos cursos de extensão pelo Fórum Permanente de Professores, Interação Ensino Médio do CESPE (UnB/DF) entre 1997- 2005, assim como em eventos e disciplinas de Graduação e Pós-Graduação Lato Sensu, tem buscado apresentar bibliografia e temáticas que incluam as pensadoras no debate filosófico. Desde 2001 coordena o projeto/linha de pesquisa "Pró-memória das filósofas".

Referências

ARENDT, Hannah. La tradición oculta. Traducción de R.S. Carbó y Vicente Gómez Ibañez. Buenos Aires: Paidós, 2005 (a).

BARRETO, Raquel de Andrade. Enegrecendo o Feminismo ou Feminizando a Raça. Narrativas de Libertação em Angela Davis e Lélia Gonzalés. Dissertação de Mestrado no PPG em História Social da Cultura, Departamento de História da PUC-Rio, 2005 (b).

BARROS, Gracinda Vieira. “Sóror Juana Inés de la Cruz. A mulher na Cidade das Letras”. In: Darandina. Revista Eletrônica da Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Juiz de Fora. Anais do Simpósio Internacional Literatura, Crítica, Cultura V: Literatura e Política. http://www.ufjf.br/darandina/eventos-2011/comunicacoes/ Acesso em 22/01/2015.

BERRÍOS, Mario, e KOHAN, Walter Omar. Una outra mirada: niños y niñas filosofando em América Latina. México, DF: Universidad Iberoamericana Golfo Centro, 1995.

BINGEMER, Maria Clara Lucchetti; YUNES, Eliana (org.). Mulheres de Palavra: Hannah Arendt, Cecília Meireles, Simone Weil, Teresa de Ávila. São Paulo: Loyola, 2003.

CABRERA Julio. Diário de um Filósofo no Brasil. Ijuí, RS: Ed. Unijuí, 2010.

______. O Cinema Pensa. Uma Introdução à Filosofia através dos Filmes. Tradução de Ryta Vinagre. Rio de Janeiro: Rocco, 2006.

COURTINE-DÉNAMY, Sylvie. Hannah Arendt. Tradução Ludovina Figueiredo. Lisboa: Instituto Piaget, 1999. Coleção História e Biografias.

DUSSEL, Enrique; MENDIETA, Eduardo; BOHÓRQUEZ, Carmen (ed.). El pensamiento filosófico latinoamericano, del Caribe y “latino” (1300-2000): historia, corrientes, temas y filósofos. México: Siglo XXI, 2011.

FÁVERO, Maria de Lourdes de A.; BRITTO, Jader de Medeiros. Dicionário de Educadores no Brasil. Da Colônia aos dias atuais. Brasília/MEC INEP, Rio de Janeiro/Editora UFRJ, 1999a.

FLORESTA, Nísia. Opúsculo Humanitário. Introdução e Notas de Peggy Sharpe-Valadares. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: INEP, 1989.

GUARDIA, Sara Beatriz. “Literatura e escritura feminina na América Latina.” In: SACRAMENTO, Sandra Maria Pereira do. (org.) XII Seminário Nacional Mulher e Literatura e do III Seminário Internacional Mulher e Literatura – Gênero, Identidade e Hibridismo Cultural (2007) http://www.uesc.br/seminariomulher/anais/ Acesso em 22/01/2015.

GUY, Alain. La Filosofía en América Latina. Traducción de Blas Matamoro. Madrid: Acento Editorial, 1998 (a).

HIERRO, Graciela. De la domesticación a la educación de las mexicanas. México, DF: Editorial Torres Asociados, 2002a .

JAIME, Jorge. História da Filosofia no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes; São Paulo: Faculdades Salesianas. Volumes 1 e 2 (1997), Volume 4 (2002b).

LISPECTOR, Clarice. Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

______. De corpo inteiro. (Entrevistas). Rio de Janeiro: Rocco, 1975.

MARTINO, Giulio e BRUZZESE, Marina. Las filósofas. Las mujeres protagonistas en la história del pensamiento. Apêndice “Pensadoras españolas”, de Alicia H. Puleo. Traducción al espanhol de Mónica Poole. Madrid: Edicciones Cátedra, 1996. Colección femenismos.

MUNIZ-HUBERMAN, Angelina. “María Zambrano y el concepto de exilio.” IN: KAMAJI, Greta Rivara (coord.). Vocación por la Sombra. México, DF: ӗdere, 2003.

MURARO, Luisa. “Nuestra capacidad común de infinito”. In: DIÓTIMA (coletivo de filósofas italianas). Traer al mundo el mundo. Objeto y objetividad a la luz de la diferencia sexual. Traducción de Maria Milagros Rivera Garretas. Barcelona: Icaria editorial, 1996.

MURARO, Rose Marie. Sexualidade da Mulher Brasileira. Corpo e classe social no Brasil. Rio de Janeiro: Petrópolis,RS: Vozes, 1983.

MUZART, Zahidé Lupinacci (org.). Escritoras Brasileiras do Século XIX. Antologia. Florianópolis: Editora Mulheres; Santa Cruz do Sul, RS: Ed.UNISC, 1999b.

OLIVEIRA, Susane Rodrigues de. Por uma História do Possível. Representações das mulheres incas nas crônicas e na historiografia. Jundiaí, SP: Paco Editorial, 2012 (a).

PERROT, Michele. Mi historia de las mujeres. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2009.

PIZAN, Christine. A Cidade das Damas. Tradução e Apresentação de Luciana Eleonora de Freitas Calado Deplagne. Florianópolis: Editora Mulheres, 2012(b).

PORTAL, Magda. Flora Tristán, Precursora. Lima: Editorial La Equidad, 1983.

SCHUMAHER, Schuma, e BRAZIL, Érico Vital. Dicionário de Mulheres do Brasil. De 1500 até a atualidade, biográfico e ilustrado. Rio de Janeiro, Zahar, 2000 (a)

Acesso virtual em 10/02/2015 http://www.mulher500.org.br/publicacoes/dicionario-mulheres-do-brasil.asp

SILVEIRA, Nise. Gatos, a emoção de lidar. Rio de Janeiro: Léo Cristiano Editorial, 1998 (b).

TRISTÁN, Flora. Peregrinações de uma pária. Tradução de Maria Nilda Pessoa e Paula Berinson. Introdução de Roland Forgues. Florianópolis:Editora Mulheres; Santa Cruz do Sul, RS:Ed.UNISC, 2000(b).

WUENSCH, Ana Míriam. “O que Christine de Pizan nos faz pensar.” In: Graphos. Revista Eletrônica da UFPB nº 15, 1s 2013 http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/graphos/issue/view/1247/showToc Acesso em 15/01/2015

______. “Hannah Arendt e María Zambrano: pensadoras do nascimento.” In: SILVA, Úrsula Rosa da; MICHELON, Francisca F.; SENNA, Nádia da Cruz (org.). Gênero, Arte e Memória. Ensaios Interdisciplinares. Pelotas: Ed. da UFPel, 2009, pp. 131-150.

______. “Sobre as mulheres, pensadoras e currículos de filosofia”. In: RIBAS, Maria Alice C. et al.(org.). Filosofia e Ensino: a Filosofia na Escola. Ijuí, RS: Ed. Unijuí, 2005, pp.93-110.Coleção Filosofia e Ensino, vol.7

______. “Notas para uma história de filosofia para crianças no Brasil”. In: KOHAN, Walter Omar; WUENSCH, Ana Míriam. Filosofia para Crianças: A tentativa pioneira de Matthew Lipman. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998(c), pp.43-83. Coleção Filosofia e Crianças/Filosofia na Escola

ZAMBRANO, María. A Metáfora do Coração e outros Escritos. Introdução e tradução de José Bento. Lisboa:Assírio & Alvim, 2000(c).

______. Hacía un saber sobre el alma. Buenos Aires: Losada, 2005. Biblioteca de obras maestras del pensamiento.

Publicado
2015-05-14