BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A QUESTÃO DO VALOR DA CIÊNCIA NA HISTÓRIA INTELECTUAL DO SÉCULO XX

Palavras-chave: Cientistas filósofos, valores, ethos científico, utilitarismo, cultura.

Resumo

Ao longo do século XX diversos cientistas filósofos, exemplos daquele tipo de pensador que antes do surgimento do termo cientista na década de 1830 era chamado de “filósofo natural”, defenderam que o valor da ciência não é utilitário, mas epistêmico. A ciência não é apenas um meio de gerar tecnologia e inovação, mas uma parte profunda da cultura, através da qual cosmovisões são produzidas, e respostas para questões existenciais são elaboradas. Neste artigo veremos como tal questão foi pensada por Niels Bohr, Henri Poincaré e outros intelectuais. Para Poincaré a ciência era uma atividade intelectual altamente comprometida com os valores de busca da verdade, do bem e da beleza. 

Biografia do Autor

Vinícius Carvalho da Silva, Universidade Estadual do Tocantins Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Instituto de Medicina Social
Doutor e Mestre em Filosofia da Ciência e Teoria do Conhecimento pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro com estudos pela UFRJ. Pesquisador de pós-doc pelo IMS-UERJ. Bacharel em Filosofia pela UERJ. Fez estudos de pós-graduação em História das Ciências na Fiocruz (COC-Fiocruz). É professor na Universidade Estadual do Tocantins. Como membro do ECTS-CNPq, é professor convidado na disciplina de Filosofia da Ciência na pós-graduação em Biofísica do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Lecionou Epistemologia e História e Teoria da Ciência na Universidade Federal do Tocantins. É colaborador do Hands on Particle Physics ou "Trabalhando com o CERN" do Instituto de Física Armando Dias Tavares da UERJ.

Referências

BLACKBURN, Simon. Dicionário Oxford de filosofia. Tradução de Desidério Murcho et al. Consultoria da edição brasileira, Danilo Marcondes. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.

BOHR, Niels. Física atômica e conhecimento humano. Vera Ribeiro (Trad.). Rio de Janeiro: Contraponto, 1995.

COUTO, Joaquim Miguel et al. Desemprego tecnológico: Ricardo, Marx e o caso da indústria de transformação brasileira (1990-2007). Econ. soc., Campinas , v. 20, n. 2, p. 299-327, Aug. 2011 .

CUPANI, Alberto. A tecnologia como problema filosófico: três enfoques. Sci. stud., São Paulo , v. 2, n. 4, p. 493-518, Dec. 2004 .

FREYRE, Gilberto. Ainda a questão da “arte pura” in Gilberto Freyre - Coleção Pensamento Crítico. Clarissa Diniz; Gleyce Heitor (Org.). Rio de Janeiro: Funarte, 2010.

GALISON, P. Einstein’s clocks, Poincaré’s maps: empires of time. New York: W. W. Norton, 2004.

KOYRÉ, A. Do mundo fechado ao universo infinito. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

LATOUR, Bruno; WOOLGAR, Steve. Vida de Laboratório: a produção dos fatos científicos. Angela Ramalho Vianna (Trad.). Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1997.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O Pensamento selvagem. Tânia Pellegrini (Trad.). Campinas-SP: Papirus, 1989.

______.Race and History. Paris: Unesco, 1952.

LLOSA, Mario Vargas. A Civilização do Espetáculo. Ivone Benedetti (Trad.). Rio de Janeiro: Objetiva, 2013.

MARX, Karl. Maquinaria e trabalho vivo – os efeitos da mecanização sobre o trabalhador in Manuscritos. Diego Grossi Pacheco (Trasc.). Disponível em: <<https://www.marxists.org/portugues/marx/1863/05/maquinaria.htm#tr1>>.

OLIVEIRA, Aercio Barbosa. Originalidade e inovação na filosofia das ciências contemporânea: ainda faz sentido tratá-las como termos distintos? 2015. 158f. Dissertação (Mestrado em Filosofia) Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.

OTTO-APEL, Karl. Estudos de Moral Moderna. Benno Dischinger (trad). Petrópolis: Editora Vozes, 1994.

PATY, M. A criação científica segundo Poincaré e Einstein. Estud. av., São Paulo , v. 15, n. 41, p. 157-192, Apr. 2001 .

PAZ, M. O convencionalismo de Poincaré contextualizado. Kairós. Revista de Filosofia 7: 151-166, 2013. Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa.

PHILOT, A. C. A função e natureza das convenções e hipóteses segundo o convencionalismo francês da virada do século XIX para o XX: relações entre ciência e metafísica nas obras de Henri Poincaré, Pierre Duhem e Édouard Le Roy. 2015. 62 f. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.

POINCARÉ, Henri. Ensaios Fundamentais. Vera Ribeiro (Trad.). Rio de Janeiro: Contraponto, 2008.

______. O Valor da Ciência. Helena Franco Martins (Trad.). Rio de Janeiro: Contraponto, 1995.

______.The Value of Science. New York: The Science Press. 1907.

PRADO JÚNIOR, Caio. Esboço dos Fundamentos da Teoria Econômica. São Paulo: Brasiliense, 1957.

ROPS, Daniel. Para um futuro humano in Para Além da Ciência. Eduardo Pinheiro (Trad.) Porto: Livraria Tavares Martins, 1955.

SCHRÖDINGER. A Natureza e os Gregos, seguido de Ciência e Humanismo. Lisboa: Edições 70. 1996.

SILVA, Vinícius Carvalho. Os microscópios de Galison e os telescópios de Jammer: qual imagem de ciência nos interessa mais?. In: Scientiarum Historia VIII, 2015, Rio de Janeiro. Filosofia, Ciências e Artes: conexões interdisciplinares - (In)certezas e (In)completudes. Rio de Janeiro: UFRJ-HCTE, 2015. v. 1. p. 44.

VIDEIRA. A Inevitabilidade da Filosofia na Ciência Natural do século 19. Ijuí: Editora Unijuí, 2013.

______. Poincaré e as hipóteses indiferentes. Revista da SBHC, n. 17, p. 3-10, 1997.

Publicado
2019-12-24
Seção
Artigos