ANÁLISE FILOSÓFICA SOBRE A DEFINIÇÃO DOS CONCEITOS TEÓRICOS

Palavras-chave: Herbert Feigl, Percy Bridgman, Operacionalismo, Empirismo lógico, Conceitos primitivos.

Resumo

Esta pesquisa tem como objetivo resgatar e analisar as concepções de Herbert Feigl e de Percy Bridgman em relação a forma como são definidos os conceitos das teorias das ciências da natureza. O texto de base da pesquisa é o artigo de Feigl de 1970 intitulado The ‘orthodox’ view of theories: remarks in defense as well as critique onde nele são feitas defesas e também críticas importantes à concepção ortodoxa da ciência do início do século XX. Além deste, analisamos duas importantes obras de Bridgman, a saber, The Nature of Physical Theories (1936), publicada nove anos após a primeira obra de Bridgman de 1927, e A physicist’s second reaction to Mengenlehre (1934). No artigo de Feigl é feita uma defesa da existência de conceitos primitivos nas teorias e de que eles são definidos apenas parcialmente pelo conjunto de axiomas a que ele pertence. Esta é uma defesa da independência da experiência de alguns conceitos teóricos, ou seja, independência da necessidade de verificação empírica para a determinação do significado deles. Com efeito, há um questionamento de Feigl em relação à possibilidade de definição operacional de todos os conceitos teóricos. Apresentaremos uma análise desta crítica e também um questionamento a ela. Será necessário também, para nossa exposição, abordar a questão dos fundamentos das teorias das ciências da natureza, uma questão muito pertinente na época aos físicos, filósofos, etc., em particular, sobre quais problemas as teorias das ciências da natureza enfrentavam neste período, para entender os principais desafios da época em relação à consistência de estruturas teóricas e na construção de uma explicação filosófica também consistente sobre o desenvolvimento teórico.

Biografia do Autor

Douglas Antonio Bassani, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE - Campus Toledo - PR
Professor de Filosofia da Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE - Campus Toledo - PR. Doutor em Filosofia pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP- 2008). Pesquisa temas de Filosofia da Ciência.

Referências

BRIDGMAN, Percy W. The Logic of Modern Physics. 3° ed. New York: The Macmillan Company, 1960.

______. The Nature of Physical Theory. Princeton: Princeton University Press, 1936.

______. A physicist’s second reaction to Mengenlehre. In: Scripta Mathematica, v. I, p. 101-117, 1934.

______. A physicist’s second reaction to Mengenlehre. In: Scripta Mathematica, v. II, p. 224-234, 1934.

______. Reflections of a Physicist. 2° ed. Nova Iorque: Arno Press, 1980.

______. The Way Things Are. 2° ed. Cambridge: Harvard University Press, 1959.

BUNGE, Mário. Física e Filosofia. Trad. Gita K. Guinsburg. São Paulo: Editora Perspectiva, 2007.

CARNAP, Rudolf. Philosophical Foundations of Physics. Nova Iorque: Basic Books, 1966.

______. Testability and Meaning. In: Philosophy of Science, v. 3, p. 01-40, 1936.

______. Testability and Meaning. In: Philosophy of Science, v. 4, p. 420-471, 1936.

EINSTEIN, Albert. O significado da relatividade. Trad. Mário Silva. 5° ed. Coimbra: Editora Armênio Amado, 1984.

______. Indução e dedução na física. Trad. Valter Alnis Bezerra. In: Sciencia Studia, v. 3, n. 4, p. 663-664, 2005.

FEIGL, Herbert. A visão “ortodoxa” das teorias: comentários para defesa assim como para crítica. Trad. Osvaldo Pessoa Júnior. In: Scientiae Studia, v. 2, n. 2, p. 265-277, 2004.

______. The ‘orthodox’ view of theories: remarks in defense as well as critique. In: RADNER, M. & WINOKUR, S. (Org.). Minnesota Studies in the Philosophy of Science, v. 4. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1970. p. 3-16.

______. The “Mental” and the “Physical”: The essays and a postscript. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1967.

______. Operationalism and Scientific Method. In: Psychological Review, v. 52, p. 250-259, 1945.

FEIGL, Herbert. & SELLARS, Wilfrid. In: Readings and philosophical analysis. Nova Iorque: Apleton-Century-Crofts, 1949.

FEIGL, Herbert. & MAXWELL, Grover. (Org). Current issues in the Philosophy of Science. Nova Iorque, Holt, Rinehart and Winston, 1961.

FRANK, Philipp. Modern Science and its Philosophy. Cambridge: Harvard University Press, 1950.

GIAQUINTO, Marcus. Hilbert’s Philosophy of Mathematics. In: British Journal for the Philosophy of Science, v. 34, p. 119-132, 1983.

HILBERT, David. Fundamentos da Geometria. Trad. Leo Unger. 1° ed. Lisboa: Gradiva, 2003.

LASSALLE CASANAVE, Abel. Em torno da interpretação operacionalista do programa de Hilbert. In: Manuscrito, v. XXI, n. 1, Campinas: Editora da UNICAMP, p. 85-106, 1998.

LISTON, Gelson. Carnap e o Revisionismo. In: Principia, v. 16, n. 1, p. 99-119, 2012.

MARTINS, Roberto de A. Visão operacional de conceitos e medidas físicas. In: Revista de Ensino de Física, v. 4, p. 57-84, 1982.

PESSOA Jr., Osvaldo. O canto do cisne da visão ortodoxa da filosofia da ciência. In: Scientiae Studia, v. 2, n. 2, p. 259-263, 2004.

POINCARÉ, Henry. A Ciência e a Hipótese. Trad. Maria Auxiliadora Kneipp. Brasília: Editora da UnB, 1984.

SCHLICK, Moritz. Meaning and Verification. In: The Philosophical Review, v. 45, n. 4, p. 339-369, 1936.

WALTER, Maila L. Science and cultural crisis. An intellectual biography of Percy Williams Bridgman (1882-1961). Stanford: Stanford University Press, 1990.

Publicado
2020-05-19
Seção
Artigos