EM DEFESA DA FILOSOFIA:

ENTRE UMA POSIÇÃO POLÍTICA E UMA FILOSOFIA EM SALA DE AULA

  • Rodrigo Pelloso Gelamo UNESP/Marília
  • Augusto Rodrigues
Palavras-chave: Ensino de filosofia, Filosofia no Brasil, Ensino médio, Formação em filosofia

Resumo

No contexto brasileiro, o lugar da filosofia na formação humana passa por uma constante desvalorização. Uma década após seu retorno como disciplina obrigatória do currículo da educação básica, já não há uma preocupação em defender sua presença como um saber disciplinar. Os acontecimentos do presente fazem com que emerja todo um discurso já construído no Brasil desde a década de 1980, em que a disciplina era pensada como crucial à formação humana, em razão das qualidades peculiares à tradição filosófica, de crítica e de resistência às imposições do tempo presente. Embora se reconheça a importância desse posicionamento político, o objetivo deste texto é problematizar a construção apenas abstrata de uma defesa da filosofia em sala de aula, sem que se pense nos limites e possibilidades das práticas de ensinar e aprender que atravessam a formação do professor de filosofia e a disciplina na educação básica. Assim, defende-se que o engajamento político, em prol da presença da filosofia, só pode acontecer fundamentado em uma investigação sobre as relações que são estabelecidas, dentro da sala de aula, em nome da filosofia, de seu ensino e aprendizagem.

Biografia do Autor

Rodrigo Pelloso Gelamo, UNESP/Marília

Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação e Filosofia UNESP.

Augusto Rodrigues

Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação UNESP/Marília e Professor de Filosofia na Rede Estadual de São Paulo.

Referências

ALVES, Dalton José. A filosofia no ensino médio: ambiguidades e contradições na LDB. Campinas, SP: Autores Associados, 2002.
ARANTES, Paulo Eduardo. Um Departamento Francês de Ultramar: estudos sobre a formação da cultura filosófica uspiana. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1994.
BRASIL. Congresso Nacional. Câmara dos Deputados. Padre Roque Zimmemann. Projeto de Lei 3178/1997. Altera dispositivos do art. 36. Da Lei n 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional - Brasília, DF, 1997.
BRASIL. Lei Federal nº 11.684, de 02 de junho de 2008. Altera o art. 36 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir a Filosofia e a Sociologia como disciplinas obrigatórias nos currículos do ensino médio.
BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Orientações Curriculares de Filosofia (OCEM). Brasília: MEC/SEB, 2006.
BRASIL. Secretaria da Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio. Brasília: MEC/SEMTEC, 2002.
GALLO, Silvio (coord). Ética e Cidadania: Caminhos da filosofia: Elementos para o ensino de filosofia. 15ª Ed. Campinas: Papirus, 2007.
GELAMO, Rodrigo Pelloso. Ensino da filosofia no limiar da contemporaneidade: O que faz o filósofo quando o seu ofício é ser professor de filosofia? São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009.
GUIDO, Humberto; GALLO, Sílvio; KOHAN, Walter Osmar. Princípios e possibilidades para uma metodologia filosófica do ensino de filosofia: história, temas, problemas. In: CARVALHO, Marcelo; CORNELLI, Gabriele (Org). Ensinar Filosofia. Cuiabá: Central de Texto, 2013.
GOLDSCHMIDT, Victor. A Religião de Platão. Trad: Ieda e Oswaldo Porchat Pereira. 2ª ed., São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1970 [1953].
GUÉROULT, Martial. Lógica, arquitetônica e estruturas constitutivas dos sistemas filosóficos. Trad. Pedro Jonas de Almeida. Trans/form/ação, São Paulo, v. 30, n. 1, p. 235-246, 2007 [1957].
______. O problema da legitimidade da história da filosofia. Revista de História, São Paulo, v. 37, n. 75, p. 189- 211, 1968 [1956].
KOHAN, Walter. Perspectivas atuais do ensino de Filosofia no Brasil. In: FÁVERO, Altair Alberto; RAUBER, Jaime José; KOHAN, Walter Omar (Org.). Um olhar sobre o ensino de Filosofia. Ijuí: Unijuí, 2002. p. 21- 40.
KOHAN, Walter Omar; GALLO, Sílvio. Crítica de alguns lugares comuns ao se pensar a filosofia no ensino médio. In: KOHAN, W. GALLO, S (orgs). Filosofia no ensino médio. Petrópolis: Vozes, 2001.
MARQUES, Ubirajara Rancan de Azevedo. A Escola Francesa de Historiografia da Filosofia: Notas Históricas e Elementos de Formação. São Paulo: Editor
PLATÃO. Êutifon, Apologia de Sócrates, Críton. 4. ed. Lisboa: Casa da Moeda, 1983. Tradução, Introdução e Notas de José Trindade Santos
PRADO JÚNIOR, Bento. As filosofias da Maria Antônia (1956-1959) na Memória de um Ex Aluno. Maria Antônia: uma rua na contramão. São Paulo: Nobel, p. 66-81, 1988.
RODRIGUES, Augusto. Como nos tornamos os professores que somos: uma problematização da herança estruturalista nas práticas de ensinar e aprender filosofia. Dissertação (Mestrado em Educação)- Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista. Marília, 2019.
SOFISTE, J. A filosofia para crianças e o ensino de filosofia: Ética e filosofia política, v. 3, n. 2. Juiz de Fora: UFJF, 1998.
TOMAZETTI, Elisete M.. Produção discursiva sobre ensino e aprendizagem filosófica. Educ. rev., Curitiba , n. 46, p. 83-98, Dez 2012 .
UNESP. Projeto Pedagógico do Curso de Filosofia da UNESP, Marília, s/d, s/p. Disponível em: http://www.marilia.unesp.br/Home/Graduacao/Filosofia/projeto.pdf. Acesso em: 15 mar. 2019.
WOLFF, Francis. Sócrates — o sorriso da razão. Tradução de Franklin Leopoldo e Silva. São Paulo, Brasiliense, 1987.
Publicado
2019-12-24
Seção
Dossiê especial – EM DEFESA DA FILOSOFIA