A PRÁXIS PEDAGÓGICA NA ESCOLA BÁSICA:

CONTRIBUIÇÕES DA FILOSOFIA PARA RECONFIGURAÇÃO DOS CAPITAIS À LUZ DE PIERRE BOURDIEU

  • Antônio Charles Santiago Almeida Universidade Estadual do Paraná - UNESPAR
  • Ingrid Aline de Carvalho Ferrasa Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR-PPGECT)
  • Rafael Gemin Vidal Centro Universitário Vale do Iguaçu – Uniguaçu
Palavras-chave: Filosofia, Capital Cultural, Práxis Pedagógica

Resumo

Diante da história recente que a filosofia vem construindo no tocante a sua organização curricular, chama-nos atenção o quanto o capital cultural vem definindo o cenário da escola. Para Pierre Bourdieu, o capital cultural é diretamente proporcional aos atributos de um indivíduo inserido nela, uma propriedade associada ao habitus. Nesse aspecto, objetivamos a partir dos três estados do capital cultural de Bourdieu: o incorporado, o objetivado e o institucionalizado, fortalecer a filosofia como área de conhecimentos, no sentido de buscar fundamentos epistemológicos, pela pesquisa documental, para a construção de uma base sólida, em sua defesa no ensino básico. Assim, nossos apontamentos apresentam a filosofia como corpo de conhecimentos, potencialmente articulado, para a reconfiguração dos capitais, quando associado a um ensino via práxis pedagógica do professor na educação básica.

Biografia do Autor

Antônio Charles Santiago Almeida, Universidade Estadual do Paraná - UNESPAR

Doutor em Educação e professor adjunto da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR) – Campus União da Vitória. Professor do Programa de Mestrado em Filosofia – PROF-FILO.

Ingrid Aline de Carvalho Ferrasa, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR-PPGECT)

Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR-PPGECT) – Campus Ponta Grossa.

Rafael Gemin Vidal, Centro Universitário Vale do Iguaçu – Uniguaçu

Bacharel e licenciado em educação física – Uniguaçu, Mestre em desenvolvimento e sociedade – Uniarp. Professor do centro universitário Vale do Iguaçu – Uniguaçu.

Referências

ADORNO, Theodor W. Educação e emancipação. Tradução: Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro, 3ª edição, Editora: Paz e Terra, 1995.
BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. Os Herdeiros: os estudantes e a cultura. Trad. Ione R. Valle e Nilton Valle. Florianópolis, SC. Editora da UFSC, 2014c.
BOURDIEU, Pierre. Razões Práticas. Sobre a teoria da ação. Tradução: Maria Corrêa. Campinas, SP. 11ª Edição, Editora: Papirus Editora, 2014a.
______. Escritos de Educação. Em Nogueira M. A. e CATANI, A. (orgs.). Petrópolis, RJ. 4ª Edição, Editora: Vozes, 2014b.
______. La noblesse D'État: Grandes écoles et Esprit de Corps. Ed: Les Editions de Minuit. France. p. 569. 1989.
BRASIL. Ministério da Educação. Filosofia e Sociologia no Ensino Médio. Resolução CNE/CEB nº 1, de 18 de maio de 2009. Brasília, DF, 18 maio 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/pnaes/323-secretarias-112877938/orgaos-vinculados-82187207/12768-filosofia-e-sociologia-no-ensino-medio-sp-1870990710. Acesso em: 10/10/2019.
BRASIL. Ministério da Educação. Medida Provisória nº746, de 22 de setembro de 2016. Secretaria Geral. Brasília, DF, 22 set. 2016. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Mpv/mpv746.htm. Acesso em: 10/10/2019.
BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 13415, de 16 de fevereiro de 2017. Secretaria Geral. Brasília, DF, 16 fev. 2017a. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/L13415.htm. Acesso em: 10/10/2019
BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 5692, de 11 de agosto de 1971. Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus. Congresso Nacional. Brasília, DF, 11 ago. 1971. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 10/10/2019.
BRASIL. Ministério da educação. Base Nacional Comum Curricular. 2017b. Congresso Nacional. Brasília, DF, 21/12/2017. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/conselho-nacional-de-educacao/base-nacional-comum-curricular-bncc-etapa-ensino-medio. Acesso em: 12/10/2019
BRASIL. Lei Orgânica do Ensino Secundário. Lei nº 4244, de 09 de abril de 1942. Brasília, DF, 09 abril. 1942. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-4244-9-abril-1942-414155-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 11/10/2019.
CARMINATI, Celso João. (Des)razões da retirada da Filosofia do Ensino Médio no Brasil. Revista Linhas, v. 5, n. 2, p. 1-13, 2004. Disponível em: FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 13ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.
KOHAN, Walter Omar. La philosophie au Brésil au fil du temps. In: GOUCHA, Moufida (Org.). La philosophie. Une école de la liberté. Paris: Organisation des Nations Unies pour l’éducation, la science et la culture, 2007. p. 300
PASSERON, J. C. Morte de um amigo, fim de um pescador. In: ENCREVÉ, P.; LAGRAVE, R. M. Trabalhar com Bourdieu. Paris: Bertrand, 2003. Cap.1 , p. 17-92.
SHERRINGHAM, Mark. L’enseignement scolaire de la philosophie en France. La revue de l’inspection générale, Paris, n. 3, 2006. Disponível em: . Acesso em: 13/10/19.
Publicado
2019-12-24
Seção
Dossiê especial – EM DEFESA DA FILOSOFIA