AS "MULHERES DE CONFORTO" DA GUERRA DO PACÍFICO

Autores

  • Julia Yuri Okamoto Universidade de São Paulo (USP)

Resumo

Durante a Guerra do Pacífico, entre 80 e 200 mil mulheres foram mobilizadas pelo Exército Imperial Japonês para servir sexualmente seus soldados, em um dos maiores casos de tráfico humano do mundo. A maioria das vítimas, eufemisticamente conhecidas como "mulheres de conforto", provinha da Coreia, colônia do Japão à época, e era atraída por falsas promessas de emprego ou simplesmente sequestrada pelas tropas japonesas. Levadas para bordéis militares ao longo do Pacífico, elas eram submetidas à violação repetida e ao espancamento. Algumas tão jovens quanto à idade de 12 eram forçadas a ter relações com os soldados japoneses, 10, 30, 50 vezes ao dia. As poucas mulheres que sobreviveram e puderam voltar para casa no final da guerra continuaram a sofrer por seus passados, através do trauma psicológico e do ostracismo social, de modo que se mantiveram em silêncio sobre sua experiência por causa do medo e da vergonha. Essas mulheres gostariam de viver em paz, de serem esposas, mães, irmãs, avós... Mas a todas foi negada essa escolha. Nenhuma recebeu qualquer tipo de reparação oficial do governo japonês, que continua a escapar às suas responsabilidades legais e morais quanto ao crime de guerra. Sessenta e oito anos depois, elas ainda estão à espera de justiça.

Biografia do Autor

Julia Yuri Okamoto, Universidade de São Paulo (USP)

Graduanda do IRI/USP

Referências

DOLGOPOL, Ustinia e PARANJAPE, Snehal. (1994), "Comfort Women: an unfinished ordeal. Report of a mission". Geneva, Switzerland: International Commission of Jurists.

HICKS, George. (1997), "The Comfort Women: Japan's brutal regime of enforced prostitution in the Second World War". New York: W.W. Norton & Co.

KELLER, Nora Okja. (1997), “From Comfort Women”. Grand STreet, No. 60, pp. 178-199.

LADINO, James. (2009), “IANFU: No Comfort Yet for Korean Comfort Women and the Impact of House Resolution 121”. Cardozo Journal of Law & Gender, pp. 333-355.

MIN, Pyong Gap. (2003), “Korean “Comfort Women”: The Intersection of Colonial Power, Gender, and Class”. Gender and Society, Vol.17, No. 6, pp. 938-957.

SOH, Chunghee Sarah. (1996), “The Korean Comfort Women: Movement for redress”. Asia Survey, Vol. 36, No. 12, pp. 1226-1240.

YAYORI, Matsui e SHARNOFF, Lora. (1977), “Sexual Slavery in Korea”. A Journal of Women Studies, Vol. 2, No. 1, pp. 22-30.

Downloads

Publicado

2013-12-27

Edição

Seção

Artigos