A idolatria teórica: uma crítica à história tradicional da disciplina de Relações Internacionais.

  • Mateus de Paula Narciso Rocha Universidade Federal de Uberlândia

Resumo

Este artigo tem por objeto a história tradicional da disciplina de Relações Internacionais, a denominada “história dos grandes debates”, e objetiva criticar teoricamente essa abordagem. Pretende-se compreender se há um fundamento teórico equivocado que informa a narrativa e por que uma perspectiva reconhecida pela historiografia como inconsistente segue sendo a apresentação mais influente dessa área de estudos. Argumenta-se, inter alia, que essa abordagem sustenta, de modo tácito, uma “autonomia no movimento das ideias”, pois dissocia e isola a trajetória desse ramo da ciência social das dinâmicas extracientíficas. Este “insulamento apriorístico” dos condicionamentos sociais é equivocado e configura a “idolatria teórica”, fazendo com que essa ciência seja apresentada pelo que se espera que ela seja (dever ser) e não pelo que é. Essa idolatria teórica, ao sugerir que a história da disciplina é um movimento ideacional de progressiva aproximação à verdade, convenientemente legitima e entroniza as teorias e metodologias mais influentes. Destarte, entendemos que, além dessa função legitimadora, a simplicidade da narrativa conjugada à ausência de alternativas globais para a história da disciplina tendem a fazer com que, não obstante os equívocos empíricos e teóricos, a história dos grandes debates permaneça como a principal introdução à disciplina.

Biografia do Autor

Mateus de Paula Narciso Rocha, Universidade Federal de Uberlândia
Bacharel em Relações Internacionais (UFU). Mestrando em Relações Internacionais (PPGRI/UFU).

Referências

ALBRECHT, U.; BRAUCH, H. 2008. Security in peace research and security studies. In: BRAUCH, H. Globalization and Enviromental Challenges. Heidelberg: Springer, v. 3, p. 503-526.

ARISTÓTELES. Metafísica. 2002.Tradução de F. Rodríguez. São Paulo: Edições Loyola, v. II.

ASHWORD, L. Of Great Debates and the History of IR: Why the 'Great Debate' Story is Wrong. E-International Relations. Disponivel em: <http://www.e-ir.info/2014/02/12/of-great-debates-and-the-history-of-ir-why-the-great-debate-story-is-wrong/>. Acesso em: 20 Dezembro 2014.

ASSIS, J. 1997. Filosofia da ciência. Folha de São Paulo. Disponivel em: <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs130416.htm>. Acesso em: 7 Julho 2015.

BELL, D. 2009. Writing the world. International Affairs, v. 1, n. 85, p. 3-22.

BHASKAR, R. 1979. The possibility of naturalism. New York: Routledge.

BURCKHARDT, J. 1996. Reflexiones sobre la historia mundial. México: Fondo de cultura económica.

CARR, E. 1961. What is history? New York: Vintage.

CARR, E. 2001. Vinte anos de crise. Tradução de L. Machado. Brasília: UNB.

CARVALHO, B. et al. 2011. The Myths That Your Teachers Still Tell You about 1648 and 1919. Millenium: Journal of International Studies, London, v. 39, n. 3, p. 735-758.

COMTE, A. 1978. Curso de Filosofia Positiva. São Paulo: Abril cultural.

CORRÊA, F. 2013. A distinção entre as categorias ciência e doutrina/ideologia na obra de Errico Malatesta.

COX, R. 1981. Social forces, states and World Orders. Millennium: Journal of International Studies, v. 10, n. 2.

DIESING, P. 1991. How social sciences work. Pittsburgh: University of Pittsburgh Press.

DUAYER, M. 2003. Economia depois do relativismo: Crítica ontológica ou ceticismo instrumental. Disponivel em: <http://pendientedemigracion.ucm.es/info/ec/jec9/pdf/A09%20-%20Duayer,%20Mario.pdf>. Acesso em: 28 Junho 2015.

GOLDMANN, L. 1984. Las ciencias humanas y la filosofia. Tradução de J. Altinari. Buenos Aires: Ediciones Nueva Visión.

HEGEL, G. 1997. Enciclopedia de las ciências filosóficas. Tradução de R. Plana. 1. ed. Madrid: Alianza Universidad.

HOFFMAN, S. 1977. An american social science: International Relations. Daedalus, v. 106, n. 3, p. 41-60.

HOLLIS, M.; SMITH, S. 1990. Explaining and Understanding International Relations. Oxford: Oxford University Press.

HOUAISS, A. 2001. Dicionário Eletrônico Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Ed. objetiva, Versão 1.0

JACKSON, R.; SØRENSEN, G. 2007. Introdução às Relações Internacionais. Tradução de Bárbara Duarte. Rio de Janeiro: Zahar.

KOSIK, K. 1976. Dialética do concreto. Tradução de C. Neves e A. Toríbio. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

LAKE, D. 2013. Theory is dead, long live theory. European Journal of International Relations, v. 19, n. 3, p. 567-587.

LAWSON, G.; HOBSON, J. 2008. What is history in international relations? Millenium: Journal of International Studies, London, v. 37, n. 2, p. 415-435.

LÖWY, M. 2013. As aventuras de Karl Marx contra o barão de Münchhausen: marxismo e positivismo na sociologia do conhecimento. Tradução de Juares Guimarães e Suzanne Léwy. 10. ed. São Paulo: Cortez.

LUKÁCS, G. 1978. As bases ontológicas do pensamento e da atividade humana. Temas de ciências humanas, 1-18. Disponivel em: . Acesso em: 20 Junho 2015.

MARIAS, J. 2004. Historia da Filosofia. Tradução de Claudia Berliner. São Paulo: Martins Fontes.

MORIN, E. 2011. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Tradução de Catarina Eleonora Silva e Jeanne Sawaya. 2. ed. Brasília: Cortez.

MOSER, P. et al. 2009. A teoria do conhecimento: uma introdução temática. Tradução de Marcelo Cipolla. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes.

NIETZSCHE, F. 1978. Fragments posthumes. Paris: Gallimard.

NIINILUOTO, I. 2002. Critical scientific realism. Oxford: Oxford University Press.

NOGUEIRA, J.; MESSARI, N. 2005. Teoria das relações internacionais: correntes e debates. Rio de Janeiro: Elsevier.

POLANYI, K. 2000. A grande transformação. Tradução de F. Wrobel. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus.

SARAMAGO, J. 1998. A Estátua e a Pedra. Disponivel em: <http://www.josesaramago.org/a-estatua-e-a-pedra/>. Acesso em: 22 Abril 2015.

SCHMIDT, B. 2012. On the history and historiography of international relations. In: CARLNAES, W. Handbook of International Relations. London: Sage.

SMITH, S. 1996. Positivism and Beyond. In: SMITH, S.; BOOTH, K.; ZALEWSKI, M. International Relations Theory: positivism and beyond. London: Sage.

SMITH, S. 2000. The discipline of international relations still an American social science? British Journal of Politics and International Relations, v. 2, n. 3, p. 374-402, October.

SMITH, S. et al. 1996. International Relations Theory: positivism and beyond. Cambridge: Cambridge University Press.

TOLSTOY, L. 2010. War and Peace. Tradução de Louise and Aylmer Maude. Oxford: Oxford University Press.

VANDENBERGHE, F. 2010. Teoria social realista. Belo Horizonte: UFMG.

WAEVER, O. 1996. The rise and fall of inter-paradigm debate. In: SMITH, S.; BOOTH, K.; ZALEWSKI, M. International Relations Theory: positivism and beyond. Cambridge: Cambridge University Press,.

WAEVER, O. 2005. Figures of International thought. In: NEUMANN, I.; WAEVER, O. The future of International Relations. New York: Routledge. p. 1-40.

Publicado
2019-09-16
Seção
Artigos