Revisitando a Estratégia de Execução das Reformas Gerenciais no Setor Público: uma abordagem à luz do equilíbrio de Nash

  • Saulo Felipe Costa UEPB
  • Italo Fittipaldi UFPB
  • Cletiane Medeiros Araújo UFPE
Palavras-chave: Reforma administrativa, falha sequencial, dilema do controle, teoria dos jogos.

Resumo

A década de 1990 inaugurou um conjunto de políticas públicas marcadas pela busca do aumento da eficiência governamental na geração e execução de suas ações. Às políticas orientadas para o mercado seguiram-se esforços de descentralização do processo decisório com vistas ao aprimoramento da gestão pública, onde se buscou combinar ajuste fiscal (eficiência orçamentária) com mudança institucional (instituições voltadas para os resultados). Entretanto, o problema da falha sequencial das reformas administrativas, decorrente do dilema do controle, se constituiu no vetor de constrangimento para a implementação exitosa dessas concepções gerencialistas. Qual a natureza dos conflitos e a estratégia de ação dos policy-makers no interior da “coalizão reformadora”? Este trabalho, em uma tentativa de responder tal questão, apresenta uma abordagem analítica do dilema do controle baseada na teoria dos jogos. Objetivou-se com isto, apresentar uma formalização do problema da falha sequencial, via dilema do controle, como esforço analítico para o desenvolvimento de modelos formais para fenômenos decisórios na área das Ciências Sociais em geral, e da Ciência Política em particular. 

Biografia do Autor

Saulo Felipe Costa, UEPB
Doutorado em Ciência Política pela UFPE, Mestre em Relações Internacionais pela UEPB, Mestre em Ciência Política pela UFPE e Bacharel em Ciências Sociais pela UFPB
Italo Fittipaldi, UFPB
Doutor em Ciência Política pela UFPE, Professor de Ciência Política da UFPB
Cletiane Medeiros Araújo, UFPE
Doutoranda em Ciência Política pela UFPE e Mestre em Ciência Política na mesma instituição

Referências

ABRUCIO, Fernando L. (2001). “Os Avanços e os Dilemas do Modelo Pós¬-Burocrático: a reforma da administração pública à luz da experiência internacional recente”. In: BRESSER PEREIRA, L.C. & SPINK, P. (orgs.), Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial. 4º edição. Rio de Janeiro. Ed. FGV.

BRESSER PEREIRA, L.C. (1996). Crise Econômica e Reforma do Estado no Brasil: para uma nova interpretação da América Latina. São Paulo. Editora 34.

____________________.(1998). Reforma do Estado para Cidadania: a reforma gerencial brasileira na perspectiva internacional. São Paulo. Editora 34.

____________________.(1998b). “A Reforma do Estado nos Anos 90: a lógica e os mecanismos de controle.” In: Lua Nova, nº 45, pp. 49-91.

____________________. (2001). “Gestão do Setor Público: estratégia e estrutura para um novo Estado.” In: BRESSER PEREIRA, L.C. & SPINK, P. (orgs.), Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial. 4º edição. Rio de Janeiro. Ed. FGV.

FERLIE, Ewan, ASBURNER, Lynn, FITZGERALD, Louise, PETTIGREW, Andrew. (1999). A Nova Administração Pública. Brasília, Editora da UNB.

JENKINS, Kate. (2001). “A Reforma do Setor Público no Reino Unido”. In: BRESSER PEREIRA, L.C. & SPINK, P. (orgs.), Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial. 4º edição. Rio de Janeiro. Ed. FGV.

KETTL, Donald F. (2001). “A Revolução Global: reforma da administração do setor público.” In: BRESSER PEREIRA, L.C. & SPINK, P. (orgs.), Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial. 4º edição. Rio de Janeiro. Ed. FGV.

RASMUSEN, Eric (1996). Juegos e información: uma introdución a la teoria de juegos. Ciudad de México-DF: Fondo de Cultura Econômica. 1º edição em espanhol.

REZENDE, Flávio da Cunha (2004). Por que falham as reformas administrativas? Rio de Janeiro: Editora da FGV.

________________. (1999). Administrative Reform, Permanet Failure, and the Problem of External Support: MARE and the Reform of the State Apparatus in Brazil, PhD Dissertation, Cornell University, Ithaca, New York.

VALDECI, Araújo. (1997). “A reforma administrativa francesa.” In: Texto para Discussão nº 20, Brasília, FGV/EBAP/ENAP.

VELASCO JR. (1997). A Economia Política das Políticas Públicas: As Privatizações e a Reforma do Estado, Texto para Discussão nº 55, BNDES, Rio de Janeiro.

Publicado
2017-07-19