Reflexões sobre as Políticas Públicas voltadas os(as) Catadores(as) de Materiais Recicláveis no Estado da Paraíba: Entre as diretrizes nacionais e a implementação local

  • Thelma Flaviana Rodrigues dos Santos Universidade Federal de Campina Grande
Palavras-chave: Políticas Públicas, Catadores de Materiais Recicláveis, Economia Solidária, Paraíba.

Resumo

A crise do trabalho assalariado, a emergência dos movimentos ambientais e do terceiro setor, contribuíram para a intensificação dos debates sobre cooperativismo, Economia Solidária (ES), meio ambiente e gestão do lixo durante as décadas de 1980 e 1990. Neste momento surgem as primeiras iniciativas de organização dos catadores de materiais recicláveis em associações e cooperativas, encontrando-se formas de trabalho e renda e buscando-se ainda a solução de problemas ambientais. Hoje existem diversas políticas públicas voltadas aos catadores(as). Diante deste quadro, surge este artigo que tem por objetivo analisar como vem se configurando a construção das políticas públicas voltadas aos catadores(as) de materiais recicláveis no estado da Paraíba, refletindo ainda sobre a relação entre as diretrizes nacionais e a implementação local destas políticas. A partir do momento em que os catadores(as) realizam conquistas legais a nível federal, estados e municípios passam a ser pressionados a elaborarem suas próprias políticas públicas de ES e de gestão de resíduos sólidos, seguindo as diretrizes federais. Para atender à demanda legal e social que se coloca, os gestores públicos da Paraíba têm buscado estabelecer diálogos com diversos atores sociais, mas ainda parece faltar muito para que as políticas públicas voltadas aos catadores(as) avancem no estado.

Biografia do Autor

Thelma Flaviana Rodrigues dos Santos, Universidade Federal de Campina Grande
Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal de Campina Grande. Graduada em Administração, especialista em Economia Solidária e Autogestão, mestre em Ciências Sociais. Área de pesquisa: Trabalho, Ação Coletiva e Políticas Públicas.

Referências

Amorim, L. S. de. (2012) Economia solidária e catadores de materiais recicláveis em Salvador e Curitiba: políticas públicas e a enunciação de identidades no Brasil. Revista Avaliação de Políticas Públicas, 2, 21-35. Recuperado em 10 junho, 2016, de http://www.mapp.ufc.br/images/revista_aval/edi%C3%A7%C3%B5es/PG-21-35.pdf

Andrade, M. T. de. (2015). O Programa CATAFORTE e o incentivo à Economia Solidária. Anais do Encontro Nacional da ABET. Campinas, SP, Brasil, 14.

Cunha, G. C. (2012). A construção da rede de políticas públicas de Economia Solidária no governo federal: notas de pesquisa. In: E. A. Benini, (et al). (Orgs). Gestão pública e sociedade: fundamentos e políticas públicas de economia solidária. (Vol.2, pp. 45-80). São Paulo: Outras Expressões.

Figueiredo, F.F., & Silveira, R.M. da C. (2016). A participação de catadores na gestão dos resíduos sólidos de Natal/RN entre os anos de 2003 e 2014. Anais do Encontro Anual da ANPOCS. Caxambu, MG, Brasil, 40. Recuperado em 20 julho, 2017, de http://www.anpocs.com/index.php/papers-40-encontro/st-10/st34-3/10496-a-participacao-de-catadores-na-gestao-dos-residuos-solidos-de-natal-rn-entre-os-anos-de-2003-e-2014/file

Lechat, N. M. P. (2002). As raízes históricas da Economia Solidária e seu aparecimento no Brasil. Palestra proferida na Unicamp por ocasião do Seminário de Incabadoras Tecnológicas de Cooperativas Populares. São Paulo, SP, Brasil, 2. Recuperado em 28 julho, 2017, de http://base.socioeco.org/docs/raizes_histor.pdf

Leite, M. de P. (2012) Cooperativas e trabalho: um olhar sobre o setor de reciclagem e fábricas recuperadas em São Paulo. In: I.P.H. Georges, & M. de P. Leite (Orgs). Novas configurações do trabalho e Economia Solidária. (pp. 227-268). São Paulo: Annablume, Fapesp.

Leite, M. de P., Araújo, A.M.C., & Lima, J.C. (Orgs.). (2015). O trabalho na economia solidária: entre a precariedade e a emancipação. São Paulo: Annablume.

Leite, M. de P., Wirth, I.G., & Cherfem, C. O. (2015). Trabalho e resistência na Reciclagem: Movimento Social, Política Pública e Gênero. In: M. de P. LEITE, A.M.C. ARAÚJO, & J.C. LIMA (Orgs.). O trabalho na economia solidária: entre a precariedade e a emancipação. (pp. 335-361). São Paulo: Annablume.

Lima, J.C. (2002). As artimanhas da flexibilização: o trabalho terceirizado em cooperativas de produção. São Paulo: Terceira Margem.

Lima, J. C. (2007). O Trabalho em Cooperativas: Dilemas e Perspectivas. In: G. DRUCK, & T. FRANCO (Orgs). A perda da razão social do trabalho: terceirização e precarização. (pp. 69-80). São Paulo: Boitempo.

Lima, J.C. (2015). Cooperativas de Reciclagem de lixo no Brasil: A autogestão da Pobreza. In: M. de P. LEITE, A.M.C. ARAÚJO, & J.C. LIMA (Orgs.). O trabalho na economia solidária: entre a precariedade e a emancipação. (pp. pp. 325-333). São Paulo: Annablume.

Sant’Ana, D. de; Metello, D. (2016). Reciclagem e inclusão social no Brasil: balanço e desafios. In: C.J. PEREIRA, & F.L. GOES (Orgs.). Catadores de materiais recicláveis: um encontro nacional. (pp. 21-46). Rio de Janeiro: Ipea.

Santos, T. F. R. dos. (2016). Contra a maré? Economia solidária e cooperativa de catadores em meio ao capital [Dissertação]. Campina Grande: UFCG.

Santos, T. F. R. dos, & Guedes, D. M. B. A. (2017). Novos Desafios da Economia Solidária. Encontro de Ciências Sociais da UFCG. Sumé, PB, Brasil, 2.

Sardá, M. (2011, agosto). Oito Anos da Secretaria Nacional de Economia Solidária (SENAES): significados e perspectivas. Boletim Mercado de Trabalho – IPEA. (48), pp. 57-70.

Silva, S. P. Goes, F. L., & Alvarez, A. R. (2013). Situação social das catadoras e dos catadores de material reciclável e reutilizável – Brasil. Brasília: IPEA.

Singer, P. (2002). Introdução à Economia Solidária. São Paulo: Perseu Abramo.

Véras de Oliveira, R. (2015). Prefácio. In: M. de P. LEITE, A.M.C. ARAÚJO, & J.C. LIMA (Orgs.). O trabalho na economia solidária: entre a precariedade e a emancipação. (pp. 7-9). São Paulo: Annablume.

Wellen, H. (2012). Para a crítica da economia solidária. São Paulo: Outras Expressões.

Outras fontes consultadas

Prefeitura Municipal de Campina Grande (2014). Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos do Município de Campina Grande – PB [Plano]. Campina Grande: ECOSAM. Recuperado em 20 agosto, 2015, de http://pmcg.org.br/sesuma/estudos/Prognostico_2204_VF.pdf

Conselho Nacional de Economia Solidária (2015). 1º Plano Nacional de Economia Solidária 2015 – 2019. Brasília.

G1. (2014, janeiro 18). Municípios da PB ainda não regulamentaram plano de resíduos. Recuperado em 28 julho, 2017, de http://g1.globo.com/pb/paraiba/noticia/2014/01/municipios-da-pb-ainda-nao-regulamentaram-plano-de-residuos.html

MNCR. Movimento Nacional dos Catadores(as) de Materiais Recicláveis. Recuperado em 19 setembro, 2015, de http://www.mncr.org.br/sobre-o-mncr/sua-historia

SENAES. (2013a). Política Nacional de Economia Solidária Senaes/MTE. (Vol. 1). Brasília.

SENAES. (2013b). Política Nacional de Economia Solidária Senaes/MTE. (Vol. 2). Brasília.

SIES. (2013). Atlas de Economia Solidária no Brasil. Recuperado em 10 junho, 2015, de http://sies.ecosol.org.br/atlas

Publicado
2018-07-31