ARQUIVO E LITERATURA: perspectivas de acesso e difusão da memória literária no Brasil

Autores

  • Marcos Ulisses Cavalheiro UNESP
  • Sonia Troitiño UNESP

Resumo

Para além do ato de custódia, as instituições de cultura e ciência responsáveis pelo recolhimento de arquivos pessoais de escritores brasileiros exercem papel sumo na organização e representação da informação literária. Em geral, o público usuário desses acervos são os acadêmicos do campo das Letras, à medida que os papéis acumulados pelos escritores ao longo de sua trajetória de vida e carreira constituem uma verdadeira fonte primária à investigação artística, histórica e literária.  No entanto, ainda deve ser destacada a parcela dos usuários desprovida dessa instrução acadêmica, mas cujo interesse em tais arquivos se justifica por sua admiração e afinidades com o titular. É nesse sentido que esses lugares de memória literária, tais como o Arquivo-Museu de Literatura Brasileira AMLB (RJ), a Academia Brasileira de Letras – ABL (RJ) e o Instituto de Estudos Brasileiros – IEB (SP), assumem a responsabilidade de propiciar o acesso aos acervos e à informação literária.  Nesse sentido, é preciso considerar que as bases de dados se apresentam como verdadeiros propagadores na preservação e difusão da memória literária, surgindo, assim, vastas possibilidades de ação cultural e científica em Literatura. Neste recorte, visamos apresentar algumas contribuições das bases de dados dos arquivos literários, os desafios e perspectivas observadas na realidade das mencionadas instituições, em cujas missões inserem-se o discurso da preservação da memória literária.

 

Biografia do Autor

Marcos Ulisses Cavalheiro, UNESP

Licenciado em Letras pela Universidade Estácio de Sá. Graduando em Arquivologia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Estudante do Grupo de Pesquisa Gênese Documental Arquivística (UFF). mcavalheiro_arquivo@yahoo.com

Sonia Troitiño, UNESP


Orientadora: Doutora em História Social pela Universidade de São Paulo (USP). Professora do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual Paulista (UNESP/Marília) – Curso de Arquivologia. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Gênese Documental Arquivística (UFF). smtr@marilia.unesp.br

Referências

BELLOTTO, H. L. Arquivos Pessoais em Face da Teoria Arquivística Tradicional: Debate com Terry Cook. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 11, n. 21, p. 201-207, 1998.

LAGE, M. O. P.. Abordar o patrimônio documental: territórios, práticas e desafios. Cadernos NEPS, n. 4, 2002. Disponível em:<http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/792>. Acesso em: 04 abr. 2013.

NORA, P. Entre memória e História: a problemática dos lugares. Projeto

História, São Paulo, n. 10, dez. 1993.

VASCONCELLOS, E. Inventário do Arquivo Clarice Lispector. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1993.

VASCONCELLOS, E.; XAVIER, L. R. Guia do acervo do Arquivo-Museu de Literatura Brasileira. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2012.

WHITTAKER, B. M; THOMAS, L. M. Special Collections 2.0: New Technologies for Rare Books, Manuscripts, and Archival Collections. Libraries Unlimited: Greenwood. 2009.

Downloads

Como Citar

CAVALHEIRO, M. U.; TROITIÑO, S. ARQUIVO E LITERATURA: perspectivas de acesso e difusão da memória literária no Brasil. Archeion Online, [S. l.], 2013. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/archeion/article/view/17136. Acesso em: 8 maio. 2021.

Edição

Seção

Artigos de Revisão