PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES TEÓRICAS DO ATOR-REDE NA ARQUIVOLOGIA

Autores

  • Patrícia Silva UFPB

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2318-6186.2017v5n1.35861

Palavras-chave:

Teoria Ator-Rede. Arquivologia. Arquivos

Resumo

No espaço arquivístico estamos envoltos de não humanos em um ambiente híbrido de objetos/coisas, sendo assim, uma questão cada vez mais importante é a de como entendemos e trabalhamos com os objetos/coisas cotidianos à nossa volta, pois reconhecemos que esses ocupam fisicamente e compartilham socialmente nossas vidas. O propósito do presente artigo é delinear uma perspectiva sobre a ontologia dos objetos a partir da Teoria Ator-Rede (ANT) inserida na área da Arquivologia. Trata-se, portanto, de um ensaio teórico que faz parte de uma pesquisa maior que representa uma crítica à visão antropocêntrica de mundo e dialoga com a ANT, principalmente quando o novo pensamento pós-humanista passa a incorporar atores não humanos como elementos essenciais para a compreensão do social. Pensar uma teoria que observa a ação do ser humano no objeto/coisa, e que, esse objeto/coisa também age no humano, imprimindo a mesma função, o mesmo encargo no momento da ação, parece bastante oportuno nos estudos atuais em Arquivologia. A ANT contribuiu de forma atraente no mapeamento das redes que articulam humanos e não humanos nos arquivos, oxigenando de forma bastante audaciosa as pesquisas arquivísticas, ocasionando insights interessantes para os estudos dessa área. Nessa perpectiva as ideias da ANT na arquivologia podem ajudar a abrir novas oncepções, pelas quais o fazer arquivístico é realizado, pois esse abrange formas diferente, em diferentes redes, e com efeitos diferentes. Ademais, é mais uma possibilidade, de como construir uma metodologia que permita apreender e a observar a participação de humanos e não humanos em seus contextos de atuação.

Biografia do Autor

Patrícia Silva, UFPB

Professora do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Federal da Paraíba. Doutoranda em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia.

Referências

BENNERTZ, R. Constituindo coletivos de humanos e não humanos: a ordenação do mundo. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.18, n.3, p.949-954, 2011.

BOURDIEU, P. Homo Academicvs. Stanford, CA: Polity Press, 1988.

CALLON, M. Dos estudos de laboratório aos estudos de coletivos heterogêneos passando pelos gerenciamentos econômicos. Sociologias, Porto Alegre, v. 10, n. 19, p. 302-321, jan./jun. 2008.

CHRIST, O. Martin Heidegger‘s Notions of World and Technology in the Internet of Things age. Asian Journal of Computer and Information Systems, v. 3, n. 2, April, p. 58-64, 2015.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs - capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: 34, 1996. V. 3.

DOURISH, P. et al. An Internet of Social Things. 2014. Disponível em: <http://www.dourish.com/publications/2014/InternetOfSocialThings.pdf>. Acesso em: 21 fev. 2017.

FENWICK, T. Knowledge circulations in inter-para/professional practice: a sociomaterial enquiry. Journal of Vocational Education & Training, v. 66, n. 3, p. 264-280, 2014.

FENWICK, T.; EDWARDS, R. Actor-Network Theory in Education. London, New York: Routledge, 2010.

JAPIASSÚ, H.; MARCONDES, D. Dicionário básico de filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996.

JARDIM, J. M. A Pesquisa em Arquivologia: um Cenário em Construção. In: VALENTIM, M. L. P (Org.). Estudos avançados em Arquivologia. Marília, São.Paulo: Cultura Acadêmica, 2012. p. 135-154.

KNORR-CETINA, K. Objectual practice. In: SCHATZKI, T. R.; KNORR-CETINA, K.; VON SAVIGNY, E. (Ed.). The practice turn in contemporary. London: Routledge, 2001. p. 184197.

LATOUR, B. A esperança de Pandora: ensaios sobre a realidade dos escudos científicos. Bauru, SP : EDUSC, 2001.

______. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: 34, 1994.

______. Por uma antropologia do centro. Revista Mana, Rio de Janeiro, v. 10, n.2, p.397-414, out. 2004.

______. Reagregando o Social: uma introdução à teoria do Ator-rede. Salvador: Edufba, 2012.

______. Reassembling the social: an introduction to actor-network theory. New York: Oxford University Press, 2005.

______. Changer de societé, refaire de la sociologie. 2006. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2017.

LEMOS, A. A comunicação das coisas: teoria ator-rede e cibercultura. São Paulo: Annablume, 2013.

______. A comunicação das Coisas. Internet das Coisas e Teoria Ator-Rede. Etiquetas de Radiofrequência em Uniformes Escolares na Bahia. 2012. Disponível em: <http://docplayer.com.br/659634-A-comunicacao-das-coisas-internet-das-coisas-e-teoria-ator-rede.html>. Acesso em: 15 fev. 2017.

MERLEAU-PONTY, M. Conversas. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

MITEW, T. Do objects dream of an internet of things? Fibreculture Journal, n. 23, p. 1-25, 2014.

NIETZSCHE, F. Assim falava Zaratustra. 2002. Disponível em: < http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/zara.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2016

PICKERING, A. Practice and post-humanism: social theory and a history of agency. In: CHATZKI, T. R.; KNORR-CETINA, K.; VON SAVIGNY, E. (Ed.). The practice turn in contemporary. London: Routledge, 2001. p. 172-183.

QUEIROZ E MELO, M. F. A. Mas de onde vem o Latour? Pesquisas e Práticas Psicossociais, São João del-Rei, v. 2, n. 2, fev. 2008.

SCHATZKI, T. R. A new societist social ontology. Philosophy of the Social Sciences, v. 33, n. 2, p. 174-202, 2003.

SCHATZKI, T. R.; CETINA, K. K.; SAVIGNY, E. The Practice Turn in Contemporary Theory. London, New York: Routledge, 2001.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 20. ed. São Paulo: Cortez, 1996.

Downloads

Publicado

2017-08-25

Como Citar

SILVA, P. PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES TEÓRICAS DO ATOR-REDE NA ARQUIVOLOGIA. Archeion Online, [S. l.], v. 5, n. 1, p. 07–21, 2017. DOI: 10.22478/ufpb.2318-6186.2017v5n1.35861. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/archeion/article/view/35861. Acesso em: 17 maio. 2021.

Edição

Seção

Artigos de Revisão