Perspectivas sobre a gestão de documentos

teorias e modelo

Autores

  • Natália Marinho do Nascimento Faculdade de Filosofia e Ciências, Unesp, Marília
  • Marta Lígia Pomim Valentim Faculdade de Filosofia e Ciências, Unesp, Marília
  • María Manuela Moro-Cabero Universidade de Salamanca

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2318-6186.2023v11nEdição%20Especial.68876

Palavras-chave:

Gestão de documentos, Teorias de gestão de documentos, Modelo de gestão de documentos

Resumo

A gestão de documentos é um tema muito discutido na área de Arquivologia, visto que envolve em seu bojo ações importantes para que os documentos sejam gerenciados desde a produção até a avaliação que determinará se o documento será eliminado ou armazenado permanentemente. Os suportes se modificam, mas a essência continua sendo a mesma: acessar, tratar, organizar, avaliar, gerenciar e preservar os documentos para que os usuários possam ter acesso a documentos autênticos e embasar suas decisões. Diante disso, o objetivo deste artigo consiste em apresentar uma reflexão acerca da gestão de documentos envolvendo uma discussão sobre a teoria do Ciclo de Vida, do modelo Records Continuum e da  teoria Archive-as-is. Para tanto utilizou-se como procedimentos metodológicos a pesquisa bibliográfica de natureza qualitativa do tipo descritiva. Como resultados evidencia-se que com os documentos digitais no contexto da teoria do Ciclo de Vida já não sustenta mais a realidade da gestão dos documentos e o modelo Records Continuum pretende responder a questionamentos diante de problemas não resolvidos utilizando novas perspectivas. A teoria denominada de Archive-as-is muda a maneira de valorar a informação ao longo do tempo. Sendo assim, a gestão de documentos consiste em ações aplicadas aos documentos, por meio da implantação de processos arquivísticos que abrangem desde a produção até a avaliação, antevendo as questões de memória baseando-se em teorias e/ou modelos que modificam a compreensão dos documentos, com o objetivo de garantir o acesso eficiente e eficaz para auxiliar nas decisões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natália Marinho do Nascimento, Faculdade de Filosofia e Ciências, Unesp, Marília

Professora Assistente - Doutora do Departamento de Ciência da Informação (DCI) da Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC), Unesp, Marília.

 

María Manuela Moro-Cabero, Universidade de Salamanca

Docente de graduação e pós-graduação na Universidad de Salamanca (USAL).

Referências

AN, X. An integrated approach to records management. Information Management Journal, v.37, p.24-30, Jul./Aug. 2003.

ARQUIVO NACIONAL (BRASIL). Dicionário Brasileiro de Terminologia Arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR ISO 15489-1: informação e documentação – gestão de documentos de arquivo: Parte 1: conceitos e princípios. Rio de Janeiro: ABNT, 2018.

BERNARDES, I. P.; DELATORRE, H. Gestão documental aplicada. São Paulo: Arquivo Público do Estado de São Paulo, 2008.

BRASIL. Leis e Decretos. Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011.

BRASIL. Leis e Decretos. Lei nº 5.562, de 20 de outubro de 2009.

BUSTELO-RUESTA, C. Transformación digital desde la perspectiva de la gestión documental. RUIDERAe: Revista de Unidades de Información, n. 13, p. 1-11, 2018.

CAYA, M. La théorie des trois âges en archivistique. En avons-nous toujours besoin? 2004.

CRUZ MUNDET, J. R. La recepción del Records Management en la Archivística: un caso de éxito. Tria, n. 20, p. 147-157, 2016. ISSN.1134-1602.

CRUZ MUNDET, J. R. La gestión de documentos en las organizaciones. Madrid: Pirámide, 2006.

CUMMING, K. Ways of seeing: Contextualising the continuum. Records Management Journal, v. 10, n. 1, p. 41-52. 2010.

HEREDIA HERRERA, A. Lenguaje y vocabulario Archivísticos. Algo más que um dicionário. Sevilla: Junta de Andalucía; Consejería de Cultura, 2011.

JARDIM, J. M. Caminhos e perspectivas da gestão de documentos em cenários de transformações. Acervo, Rio de Janeiro, v. 28, n. 2, p. 19-50, jul./dez. 2015.

LLANSÓ-SANJUAN, J. La Norma ISO 15489-1 y 2. Análisis y contenido / Aplicación de la norma. Arch-e: Revista Andaluza de Archivos, n. 1, 11 mayo 2009.

LLANSÓ-SANJUAN, J. Gestión de documentos. Definición y análisis de modelos.

Bergara: Departamento de Cultura del Gobierno Vasco, 1993. (Colección Ikerlanak, 7).

MACHADO, H. C.; CAMARGO, A. M. de A. Como implantar arquivos públicos municipais. São Paulo: Arquivo do Estado, 1999. (Projeto como Fazer, 3).

RHOADS, J. B. La función de la gestión de documentos y archivos en los sistemas nacionales de información: un estudio del Ramp. Paris: UNESCO, 1989.

ROUSSEAU, J. Y.; COUTURE, C. Os fundamentos da disciplina arquivística. Lisboa: Dom Quixote, 1998.

STEFAN, L. The three records management models. In: Slideshare, LinkedIn Corporation. 2010.

UPWARD, F. Structuring the Record Continuum – Part One: Postcustodial Principals and Properties First published in Archives and Manuscripts, v.24, n.2, 1996, p. 268-285.

VAN BUSSEL, G. J. The Theoretical Framework of the ‘Archive-as-Is. An Organization Oriented view on Archives. Part I. Setting the Stage: Enterprise Information Management and Archival Theories’, F. Smit, A. Glaudemans, en R. Jonker (eds.), Archives in Liquid Times (Stichting Archiefpublicaties, ‘s-Gravenhage, 2017), pp. 16-41.

Downloads

Publicado

29-12-2023

Como Citar

MARINHO DO NASCIMENTO, N. .; LÍGIA POMIM VALENTIM, M. .; MANUELA MORO-CABERO, M. . Perspectivas sobre a gestão de documentos: teorias e modelo. Archeion Online, [S. l.], v. 11, n. Edição Especial, p. p.162–181, 2023. DOI: 10.22478/ufpb.2318-6186.2023v11nEdição Especial.68876. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/archeion/article/view/68876. Acesso em: 15 abr. 2024.