Emergência de plântulas de pitangueira (<i>Eugenia uniflora </i>L.) sob diferentes fotoperíodos

  • João Paulo Gava Cremasco Universidade Federal de Viçosa
  • Antônio Gustavo de Luna Souto Universidade Federal de Viçosa
  • Mariana Quintas Maitan Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro
  • Maria Helena Menezes Cordeiro Universidade Federal de Viçosa
  • Keise Duarte Bacelar de Morais Universidade Federal de Viçosa
  • Carlos Eduardo Magalhães dos Santos Universidade Federal de Viçosa

Resumo

Os pomares comerciais e domésticos de pitangueira, em sua maioria, são formados por plantas propagadas através de sementes. As informações sobre as exigências das sementes de pitanga quanto às exigências de fotoperíodo para que ocorra a germinação são mínimas. O trabalho teve como objetivo avaliar a emergência de plântulas de pitangueira sob fotoperíodo. O experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado, com três tratamentos (ausência de luz; fotoperíodo de 12 h e luz constante) e quatro repetições em câmara climatizada. A emergência foi avaliada do 18º até o 60º dia e, ao final do experimento, foi avaliado o tempo médio de emergência, o índice de velocidade de emergência, a altura das plântulas, comprimento de raiz e parte aérea e massa seca das plântulas. O fotoperíodo não interfere na percentagem de emergência de plântulas de pitangueira. No entanto, na ausência de luz, o índice velocidade de emergência foi maior. A massa seca das plântulas submetidas à presença constante de luz foi significativamente superior à massa observada nas condições de ausência de luz e fotoperíodo de 12 horas. A emergência das plântulas de pitangueira ocorre tanto na ausência quanto na presença de luz. A pitangueira pode ser considerada como fotoblástica neutra para emergência de plântulas.

Biografia do Autor

João Paulo Gava Cremasco, Universidade Federal de Viçosa
Graduado em Agronomia pela Universidade Federal de Viçosa(2014) e Mestrando em Fitotecnia pela Universidade Federal de Viçosa sob orientação do professor Dsc Carlos Eduardo Magalhães dos Santos. Fez estágio no setor de Fruticultura (Departamento de Fitotecnia-UFV) trabalhando com melhoramento de pessegueiro e maracujazeiro, sendo bolsista de iniciação científica sob orientação do professor Dr. Claudio Horst Bruckner, trabalhando com melhoramento de pessegueiro.Graduando em Agronomia pela Universidade Federal de Viçosa(2009). Participou do PDPL-RV (Programa de desenvolvimento da pecuária leiteira - Região de Viçosa), desenvolvendo a primeira e segunda fase do programa. Estagiou no Programa Gilberto Melo, sendo este de extensão voltado para cultura do Café. Fez estágio no setor de Fruticultura(Departamento de Fitotecnia-UFV) trabalhando com melhoramento de pessegueiro e maracujazeiro. Atualmente é bolsista de iniciação científica sob orientação do professor Dr. Claudio Horst Bruckner, trabalhando com melhoramento de pessegueiro.
Antônio Gustavo de Luna Souto, Universidade Federal de Viçosa
Engenheiro Agrônomo pela Universidade Federal da Paraíba. Doutorando em Fitotecnia, área de concentração - (Produção Vegetal) sob orientação do Prof. Carlos Eduardo Magalhães dos Santos. Mestre em Ciência do Solo pela Universidade Federal da Paraíba, foi bolsista pela CAPES durante o período de 2012-2014, sob orientação da Profa Vânia da Silva Fraga. Foi bolsista de Iniciação Científica pelo CNPq/INCTSal durante três anos (2009-2011) sob orientação do Prof. Lourival Ferreira Cavalcante, atuando principalmente nas áreas de Fertilidade do solo, Nutrição de plantas, Salinidade do solo e da água, Maracujazeiro - Amarelo, Espécies Exóticas (Nim e Noni), Adubação mineral e orgânica, Calagem, Insumos Orgânico (Biofertilizantes e esterco bovino) e Propagação de frutéiras. Atualmente estar atuando em projetos com frutíferas (Pitanga, Pêssego, Goiaba, Jaca, Rumã e Noni). Membro fundador do Grupo de Estudos e Pesquisas em Fruticultura (GEPFRUT) da UFV E Revisor do periódico - Agropecuária Técnica
Mariana Quintas Maitan, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro
Graduada em Agronomia pela Universidade Federal de Viçosa(2015). Estágiou no setor de Fruticultura(Departamento de Fitotecnia-UFV) trabalhando sob orientação do Dr. Dalmo Lopes de Siqueira com auxílio na avaliação de experimentos e propagação da cultura do citros e auxílio de avaliação de experimentos da cultura da magueira. Fez estágio no setor de Fruticultura(Departamento de Fitotecnia-UFV) trabalhando com melhoramento e germinação da caultura do maracujazeiro. Foi bolsista de iniciação científica sob orientação do professor Dr. Carlos Eduardo Magalhães dos Santos, trabalhando com influência do Fotoperíodo e da profundidade da semeadura na germinação do maracujazeiro azedo. Atualmente cursa mestrado na Universidade Norte Fluminense Darcy Ribeiro, na área de floricultura sob orientação da Dr. Janie Mendes Jasmim
Maria Helena Menezes Cordeiro, Universidade Federal de Viçosa
Engenheira agrônoma, atualmente estudante de doutorado em Fitotecnia pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em fitotecnia, atuando principalmente nos seguintes temas: melhoramento genético, produção vegetal e pós-colheita das principais fruteiras tropicais
Keise Duarte Bacelar de Morais, Universidade Federal de Viçosa
Experiência em agronomia, com ênfase em Agronomia, Ecologia (NEO/UFV), auxiliando em trabalhos relacionados o melhoramento de olerícolas. Atuou como Monitora nível I de Ecologia Básica realizando mostras de trabalhos da área e acompanhando aulas. Participou do Programa de Desenvolvimento da Pecuária Leiteira da Região de Viçosa (PDPL-RV) tendo experiência com manejo de gado de leite em sistema confinado. Foi estagiária da Prefeitura Municipal de Ouro Preto tendo exercido atividades junto à Secretaria Municipal de Agropecuária. Realizou estágio na área de fruticultura no Grupo de Estudos e Pesquisas em Fruticultura da UFV (GEPFrut/UFV). Atualmente desenvolve trabalhos relacionado a iniciação científica com melhoramento genético do maracujazeiro.
Carlos Eduardo Magalhães dos Santos, Universidade Federal de Viçosa
Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal do Espírito Santo (2003) e mestrado em Fitotecnia (Produção Vegetal), doutorado em Genética e Melhoramento (2008) e pós-doutorado em Fitotecnia (2008) pela Universidade Federal de Viçosa. Atualmente é Professor Adjunto na Universidade Federal de Viçosa/Campus de Viçosa - Departamento de Fitotecnia.possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal do Espírito Santo (2003) e mestrado em Fitotecnia (Produção Vegetal), doutorado em Genética e Melhoramento (2008) e pós-doutorado em Fitotecnia (2008) pela Universidade Federal de Viçosa. Atualmente é Professor Adjunto na Universidade Federal de Viçosa/Campus de Viçosa - Departamento de Fitotecnia
Publicado
2017-07-27
Seção
Nota Técnica