TRATAMENTO DE SEMENTES DE MILHO COM FIPRONIL E THIAMETHOXAM E SUA INFLUÊNCIA FISIOLÓGICA NAS SEMENTES

  • Lilian Faria Melo
  • Marcelo Fagioli
  • Thiago Ferreira Susstrunk

Resumo

O presente trabalho teve como objetivo avaliar a influência dos tratamentos de sementes de milho com fungicida e inseticida na qualidade fisiológica. O trabalho foi realizado no Laboratório de Análise e Tecnologia de Sementes da FEIT, Campus da UEMG. As sementes utilizadas foram do milho híbrido SOMMA, peneira 20M-1 (longa), da safra 2006/2007, cedido pela empresa Syngenta Seeds. Foram utilizados quatro tratamentos com quatro repetições envolvendo o tratamento das sementes com inseticidas (Fipronil e Thiamethoxam) aplicado em milho, sendo: 1) controle (sem tratamento); 2) tratamento com fipronil; 3) tratamento com thiamethoxam; 4) tratamento com fipronil + thiamethoxam. As avaliações de laboratório realizadas foram as seguintes: teor de água das sementes; teste padrão de germinação; comprimento das raízes das plântulas; teste de condutividade elétrica; teste de frio; teste de envelhecimento acelerado. Nas avaliações de campo foram obtidas a emergência de plântulas em campo e o índice de velocidade de emergência. O delineamento utilizado foi o inteiramente casualizado, com quatro repetições, sendo as médias comparadas pelo teste Tukey, em nível de 5% de probabilidade. Pela análise dos resultados concluiu-se que a qualidade fisiológica das sementes de milho não foi comprometida quanto tratada com os produtos Fipronil e Thiamethoxam, tanto de forma isolada como em associação, no tratamento das sementes. Em condições de semeadura ideal o tratamento das sementes pode ser feito com Fipronil e Thiamethoxam, tanto de forma isolada como em associação. Palavras-chave: Zea mays L., sementes, qualidade fisiológica, tratamento de sementes
Publicado
2010-11-07
Seção
Artigo Científico