Marcadores culturais em MMORPGs:

uma análise de Final Fantasy XIV

Autores

Palavras-chave:

Marcadores Culturais, Experiência, Roleplay, MMORPG, Final Fantasy

Resumo

O objetivo deste trabalho é investigar a presença de marcadores culturais no roleplay, especificamente em MMORPGs, e discuti-los com base na literatura existente. Iniciamos a pesquisa pelos elementos textuais e paratextuais que se relacionam com o jogo, como elementos in-game criados pelos jogadores – cenários, roupas, skins – e elementos off-game, como screenshots e comentários dos jogadores em redes sociais – para assim analisar os desdobramentos de seus usos, intencionais ou não. Tomando como objeto o grupo de Facebook “Final Fantasy – XIV Brasil”, observamos como alguns desses marcadores se manifestam e se relacionam com o roleplay, além de identificarmos sua influência em aspectos sociais do grupo e na comunidade brasileira de jogadores de Final Fantasy XIV como um todo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Emmanoel Ferreira, Universidade Federal Fluminense (UFF)

Professor Associado do Departamento de Mídia e Estudos Culturais e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense (Niterói/Rio de Janeiro, Brasil). É o atual coordenador do Grupo de Pesquisa em Estudos de Jogos da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação – INTERCOM.

André Bottino, Universidade Federal Fluminense (UFF)

Bolsista CNPq do Programa Interno de Bolsas de Iniciação Científica da Universidade Federal Fluminense – PIBIC-UFF. Graduando em Estudos de Mídia pela Universidade Federal Fluminense.

Referências

ARAGÃO, Sabrina. Marcadores culturais na tradução de linguagens multimodais. TradTerm. Revista do Centro Interdepartamental de Tradução e Terminologia da USP. São Paulo, v. 40, 2021.

AARSETH, Espen. Cybertext: perspectives on ergodic literature. Baltimore, London: John Hopkins Univ. Press, 1997.

AUBERT, Francis. Indagações acerca dos marcadores culturais na tradução. Estudos Orientais. São Paulo, v.5, p. 23-36, 2006.

AZENHA, João. Linguística textual e tradução: redefinindo o conceito de “marca cultural”. TradTerm. Revista do Centro Interdepartamental de Tradução e Terminologia da USP. São Paulo, v. 12, 2006.

BANKS, J. “Object, Me, Symbiote, Other: A Social Typology of Player-Avatar Relationships.” First Monday: Peer Reviewed Journal on the Internet, v. 20, n. 2. 2015. Disponível em: < http://first monday.org/ojs/index.php/fm/article/view/5433 >. Acesso em: 07 nov. 2023.

BLIZZARD ENTERTAINMENT. World of Warcraft. 2004. Jogo eletrônico.

BOWMAN, S. “Connecting Role-Playing, Stage Acting, and Improvisation.” Analog Game Studies 2.4, 2015. Disponível em: https://analoggamestudies.org/2015/05/connecting-role-playing-stage-acting-and-improvisation/. Acesso em: 9 ago. 2023.

FARIAS, Vicente. O som (in)conformado: manutenção e ruptura na produção musical de games brasileiros. Tese de Doutorado. Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2023.

FERREIRA, Emmanoel. Videogames, paratextos e narrativas (trans)midiáticas. Lumina (UFJF), Vol. 10, nº 2, Agosto de 2016.

FERREIRA, Emmanoel. O jogo não acabou: relações entre apropriação lúdica e produção de sentido nos videogames. Revista FAMECOS, nº 27, 2020. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/index.php/revistafamecos/article/view/33957. Acesso em: 9 jul. 2023.

FERREIRA, Emmanoel. Ludicidade e experiência estética: uma abordagem a partir do pragmatismo (quests iniciais). Anais do 43º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – INTERCOM 2020. Salvador: Intercom, 2020.

GENETTE, Gerard. Paratexts: the thresholds of interpretation. Trad. Jane E. Lewin. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

GOMES, Laura; LEITÃO, Débora. Gênero, sexualidade e experimentação de si em plataformas digitais on-line. Civitas. Porto Alegre, v. 18, n. 1, 2018.

GRAY, Jonathan. Show Sold Separately: Promos, Spoilers and Other Media Paratexts. New York: New York University Press, 2010.

HALL, Stuart. Quem precisa da identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Identidade e diferença: A perspectivas das Estudos Culturais. 12. ed. Petrópolis: Vozes, 2000.

HUIZINGA, Johan. Homo-Ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 1990.

KAWANISHI, Paulo. How the Brazilian FFXIV Community Keeps the Game Alive in an Unsupported Country. Fanbyte, 2023. Disponível em: https://www.fanbyte.com/games/features/how-the-brazilian-ffxiv-community-keeps-the-game-alive-in-an-unsupported-country . Acesso em: 10 ago. 2023.

LINDEN LAB. Second Life. 2003. Jogo eletrônico.

MESSIAS, José. AMARAL, Diego, OLIVEIRA, Thaiane. Playing beyond precariousness: The political dimension of Brazilian modding in Pro Evolution Soccer. In: PENIX-TADSEN, P. (Ed.). Video Games and the Global South. Pittsburgh/PA: ETC Press. 2019.

MONTARGIL, Gilmar, REMENCHE, Maria. Polifonia queer nos roleplays de LuCroft: Uma análise dialógica do discurso de Maria Vaquejada em Red Dead Redemption 2. Letrônica, nº 14, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.15448/1984-4301.2021.s.42552. Acesso em: 9 jul. 2023.

MORITZEN, Karina; FERREIRA, Emmanoel. “Salve o Teu Carnaval”: Cena Gamer, GTA Roleplay e o Carnaval do Cidade Alta. Revista ECO-Pós, v. 25, n. 1, 2022. Disponível em: https://revistaecopos.eco.ufrj.br/eco_pos/article/view/27863. Acesso em: 9 jul. 2023.

OLDENBURG, Ray. The great good place: cafés, coffee shops, community centers, beauty parlors, general stores, bars, hangouts, and how they get you through the day. Nova York: Marlowe & Company, 1999.

PARREIRAS, Carolina. Sexualidades no ponto.com: espaços e (homo) sexualidades a partir de uma comunidade on-line. Campinas, 2008. Dissertação de mestrado em Antropologia Social, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas.

ROCKSTAR GAMES. Grand Theft Auto (GTA) Online. 2013. Jogo eletrônico.

ROCKSTAR GAMES. Red Dead Online. 2018. Jogo eletrônico.

SQUARE ENIX. Final Fantasy XIV. 2010. Jogo eletrônico.

STEINKUEHLER, Constance; WILLIAMS, Dmitri. Where everybody knows your (screen) name: Online games as “third places”. Journal of Computer-Mediated Communication, v. 11, n. 4, 2006.

SUITS, Bernard. The Grasshopper: games, life, and utopia. Boston: David R. Godine, 1990.

WUYCKENS, Géraldine. La triple narrativité du MMORPG à travers la pratique du roleplay. Sciences du jeu, v. 9, jun. 2018. Disponível em: http://journals.openedition.org/sdj/1032. Acesso em: 24 ago. 2023.

Downloads

Publicado

2023-12-22

Como Citar

FERREIRA, E.; BOTTINO, A. Marcadores culturais em MMORPGs:: uma análise de Final Fantasy XIV. Culturas Midiáticas, [S. l.], v. 20, p. 156–173, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/cm/article/view/67810. Acesso em: 23 jun. 2024.