Aves silvestres utilizadas como recurso trófico pelos moradores do povoado de Pedra Branca, Santa Teresinha, Bahia, Brasil

Autores

  • Ana Teresa Galvagne-Loss
  • Eraldo Medeiros Costa Neto
  • Fernando Moreira Flores

Palavras-chave:

Etnoornitologia, Conhecimento popular, Conservação, Ecótono, Atividade cinegética

Resumo

Diante as diversas interações entre ser humano e aves, o objetivo deste estudo foi registrar as espécies de aves silvestres utilizadas como recurso alimentar pelos moradores do povoado de Pedra Branca, Santa Teresinha, Bahia, além de apresentar as técnicas de captura e caça local. A coleta de dados ocorreu de agosto de 2011 a dezembro de 2012 por meio de entrevistas semiestruturadas conduzidas com 48 moradores. As técnicas de caça mais citadas foram a arapuca, espingarda, cachorro e pio. Um total de 47 espécies de aves foram registradas, e as famílias mais citadas foram Tinamidae, Columbidae e Cracidae, tanto pela oferta de proteína quanto pelo sabor da carne. Foram identificadas restrições e tabu alimentares associados à crença religiosa e comportamento alimentar de algumas aves. O sucesso da atividade de caça está associado ao conhecimento da ecologia das aves locais. Foi identificada uma ave na lista vermelha de espécies ameaçadas de extinção e, ressaltando que a Serra da Jiboia é um ecótono, entre Mata Atlântica e Caatinga, estes dois fatores reforçam a importância e necessidade de pesquisas voltadas ao conhecimento e realidade das condições socioculturais das comunidades que utilizam os recursos naturais, programas de educação ambiental, como também estudos sobre população e conservação das aves.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2014-12-28

Como Citar

GALVAGNE-LOSS, A. T.; NETO, E. M. C.; FLORES, F. M. Aves silvestres utilizadas como recurso trófico pelos moradores do povoado de Pedra Branca, Santa Teresinha, Bahia, Brasil. Gaia Scientia, [S. l.], v. 8, n. 2, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/gaia/article/view/22395. Acesso em: 16 jan. 2022.

Edição

Seção

Ciências Ambientais