Práticas Agroecológicas e Conhecimentos Tradicionais na Chácara Santo Antônio, Cáceres-MT, Brasil

Autores

  • Thaís Aparecida Coelho Santos UNEMAT
  • Maria Antonia Carniello UNEMAT
  • Flávio Bezerra Barros Universidade Federal do Pará, Núcleo de Ciências Agrárias e Desenvolvimento Rural. Rua Augusto Corrêa, Nº 1, Cidade Universitária José da Silveira Netto, Guamá, CEP: 66075-110, Belém, PA.

Resumo

As práticas agroecológicas nos remetem à recuperação dos saberes tradicionais. Com isso, o objetivo deste estudo foi investigar o manejo da agrobiodiversidade na Chácara Santo Antônio, Cáceres, MT. Para tanto, empregamos técnicas de história oral, entrevista informal, entrevista não estruturada e observação. Os dados foram registrados por meio de fotografias e diário de campo. Foi registrada uma riqueza de 72 espécies, das quais 42 são alimentares, 28 medicinais, 10 ornamentais e quatro sem categoria de uso definida. O manejo da agrobiodiversidade é realizado com técnicas simples, robustas e sem muitos custos financeiros. Alguns exemplos são: utilização de restos vegetais como adubo, a resistência ao uso do agrotóxico e a origem das sementes, estas geralmente obtidas por troca.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaís Aparecida Coelho Santos, UNEMAT

Mestranda em Ciências Ambientais pela UNEMAT

Maria Antonia Carniello, UNEMAT

Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais da UNEMAT

Flávio Bezerra Barros, Universidade Federal do Pará, Núcleo de Ciências Agrárias e Desenvolvimento Rural. Rua Augusto Corrêa, Nº 1, Cidade Universitária José da Silveira Netto, Guamá, CEP: 66075-110, Belém, PA.

Biólogo formado pela UFRPE, Mestre em Zoologia pela UFPB, Dr. em Biologia da Conservação pela Universidade de Lisboa.

Referências

Albuquerque U. P. 2005. Introdução à Etnobotânica. 2. ed. Rio de Janeiro: Interciência.

Amorozo MCM. 2012. Diversidade agrícola em um cenário rural em transformação: será que vai ficar alguém para cuidar da roça? In: Ming LC, Amorozo MCM e Kffuri CW (Orgs.). Agrobiodiversidade no Brasil: experiências e caminhos da pesquisa. Volume 6. Recife: Nuppea, 2012.

Almeida P. 2004. Revalorizando a agrobiodiversidade. Agriculturas. V.1, n.1.

Altieri MA. 2004. Agroecologia: a dinâmica produtiva da agricultura sustentável. Editora da Universidade, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Bernard HR. 1988. Research methods in cultural anthropology. Sage, New-bury Park, Calif., p. 149-179.

Carniello MA. 2007. Estudo etnobotânico nas comunidades de Porto Limão, Porto Alambrado e Campo Alegre, na fronteira Brasil-Bolívia, Mato Grosso, Brasil. Tese (Doutorado em Biologia Vegetal). Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, 215p.

Grisa C, Gazolla M e Schneider, S. 2012. A produção invisível na agricultura familiar: autoconsumo, segurança alimentar e políticas públicas de desenvolvimento rural. Agroalimentaria, Mérida/Venezuela, v. 16, n. 31, p.65-79.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades@. 2014. Disponível em: <http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=510250&search=mato-grosso|caceres >. Acesso em: 10 abr. 2015, 21:04:50.

Leff E. 2002. Agroecologia e saber ambiental. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, Porto Alegre, v. 3, n. 1, p.36-41.

Matos GR e Marin JOB. 2009. Agricultores familiares e sistemas de produção de frutas em Itapuranga, Goiás. Pesquisa Agropecuária Tropical (Agricultural Research in the Tropics), v. 39, n. 3, p. 197-206.

Martins PS. 2005. Dinâmica evolutiva em roças de caboclos amazônicos. Estudos Avançados, São Paulo, v. 19, n. 53, p.209-219.

Pasa MC, Soares JJ e Guarim Neto G. 2005. Estudo etnobotânico na comunidade de Conceição-Açu (alto da bacia do rio Aricá Açu, MT, Brasil). Acta Botanica Brasilica, 19(2), 195-207.

Pilla M e Amorozo M. 2009. O conhecimento sobre os recursos vegetais alimentares em bairros rurais no Vale do Paraíba, SP, Brasil. Acta Botanica Brasilica, v. 23, p. 1190-1201.

Sabourin E. 2011. Teoria da Reciprocidade e sócio-antropologia do desenvolvimento. Sociologias, Porto Alegre, v. 13, n. 27, p.24-51.

Silva TP, Almeida RA, Kudlavicz M. 2012. Os assentamentos rurais em Cáceres/MT: espaço de vida e luta camponesa. Revista Eletrônica da Associação dos Geógrafos Brasileiros, Três Lagoas/MS, v. 8, n. 15, p.62-82.

Toledo VM e Barrera-Bassols N. 2008. La Memoria Biocultural: la importancia ecológica de las sabidurías tradicionales (Vol. 3). Icaria Editorial.

Vieira SNA. 2006. Unidade de manejo chacra em comunidades agrícolas tradicionais da morraria em Cáceres, MT. 99 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Agricultura Tropical, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá– MT.

Viertler R. B. 2002. Métodos Antropológicos como Ferramenta para Estudos em Etnobiologia e Etnoecologia. In: Amorozo CM. et al. (eds.). Métodos de coleta e análise de dados em etnobiologia, etnoecologia e disciplinas correlatas. Anais do I Seminário de Etnobiologia e Etnoecologia do Sudeste. Rio Claro, SP. SBEE, p. 11-29.

Downloads

Publicado

2016-09-30

Como Citar

COELHO SANTOS, T. A.; CARNIELLO, M. A.; BARROS, F. B. Práticas Agroecológicas e Conhecimentos Tradicionais na Chácara Santo Antônio, Cáceres-MT, Brasil. Gaia Scientia, [S. l.], v. 10, n. 4, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/gaia/article/view/24929. Acesso em: 24 jan. 2022.

Edição

Seção

Ciências Ambientais