Parâmetros biométricos de Anomalocardia flexuosa (Linnaeus, 1767) - Bivalvia-Veneridae no estuário do rio Paraíba-PB

Autores

  • Felipe de Oliveira Bandeira Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Campus Cabedelo http://orcid.org/0000-0002-5459-1876
  • Maurício Camargo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Campus Cabedelo
  • Jonas de Assis Almeida Ramos Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Campus Cabedelo
  • Ruth Estupiñán Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Campus Cabedelo
  • Ana Paula de Sena Santos Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Campus Cabedelo

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-1268.2017v11n2.26615

Resumo

O bivalve Anomalocardia flexuosa, chamado popularmente por marisco, possui grande importância sócio-econômica no litoral da Paraíba por ser fonte de sustento e renda para as populações locais. Este estudo objetivou a estudar alguns parâmetros biométricos da espécie com a finalidade de gerar subsídios para seu manejo sustentável na região. Foram realizadas coletas mensais de A. flexuosa em seis bancos de sedimento no estuário do rio Paraíba. Os resultados mostraram que cerca de 10 - 12% do peso corporal total corresponde à massa muscular aproveitável para consumo humano. A frota de marisqueiros que pescam A. flexuosa vem capturando exemplares juvenis que não alcançaram sua idade reprodutiva e por tanto pode estar ocorrendo um processo de sobre-exploração por crescimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe de Oliveira Bandeira, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Campus Cabedelo

Técnico em meio ambiente, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia.

Maurício Camargo, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Campus Cabedelo

Possuí experiencia em estudos de diagnóstico ambiental e de EIA-RIMA para pequenos e grandes empreendimentos que envolvem ambientes aquáticos e terrestres. Estuda as cadeias produtivas relacionadas com o pescado. Possui graduação em Biologia e especialização em Políticas Pesqueiras para os países amazônicos e mestrado e Doutorado em Zoologia. Atua como professor no Instituto Federal da Paraíba nas áreas de meio ambiente e recursos pesqueiros e está credenciado no programa de Pós-Graduação em Ecologia Aquática e Pesca da Universidade Federal do Pará. Pesquisador associado do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá. Tem desenvolvidos projetos de pesquisa e extensão com marisqueiras e pescadores.

Jonas de Assis Almeida Ramos, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Campus Cabedelo

Bacharel em Engenharia de Pesca pela Universidade Federal Rural de Pernambuco e Doutor em Oceanografia pela Universidade Federal de Pernambuco. Desde 2012 é professor do curso Recursos Pesqueiros do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba, Campus Cabedelo. Tem experiência na área de Ecologia de Peixes e da Pesca e em Ecossistemas marinhos, atuando principalmente nos seguintes temas: Ictiofauna, utilização de habitats, florestas de manguezal, influência dos parâmetros ambientais nos organismos aquáticos, Recursos pesqueiros e poluição marinha.

Ruth Estupiñán, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Campus Cabedelo

Bacharel em Biologia e especialização em Recuperação e Manejo de Áreas Degradadas na Amazônia. Mestrado em Zoologia pelo Museu Paraense Emílio Goeldi/UFPA. Doutoranda em Biologia Ambiental pela UFPA. Atualmente é docente dos cursos de recursos pesqueiros e meio ambiente do Instituto Federal da Paraíba, participa de projetos de pesquisa e extensão relacionados com marisqueiras e pescadores. Tem experiencia na área de diagnóstico e impacto ambiental e de empreendedorismo, em campo se incluem levantamentos faunísticos, análise de variação geográfica e manuseio de material biológico em acervos e coleções científicas.

Ana Paula de Sena Santos, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Campus Cabedelo

Técnica em meio ambiente, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba.

Referências

BARLETTA, M. & COSTA, M. 2009. Living and non-living resources exploitation in tropical semi-arid estuaries. Journal of Coastal Research, IS 56: 371-375.

BOEHS, G; ABSHER, T. M. & CRUZ-KALED, A. C. 2008. Ecologia populacional de Anomalocardia brasiliana (Gmelin, 1791) (Bivalvia, Veneridae) na baia de Paranaguá, Paraná, Brasil Boletim do Instituto de Pesca, São Paulo 34: 259-270.

ESTRADA, T.E.M.D. 2004. Aspectos morfométricos de conchas de Anomalocardia brasiliana (Gmelin 1791) da região Sudeste do Brasil. Dissertação de mestrado. Universidade Estadual de Campinas (Ecologia). 72p.

MONTI, D., FRENKIEL, L. & MÖUEZA, M. 1991. Demography and growth of Anomalocardia brasiliana (Gmelin) Bivalvia: Veneridae) in a mangrove in Guadalupe (French West Indies). Journal of Molluscan Studies, 57: 249-257.

MOUËZA, M., GROS, O. & FRENKIEL, L. 1999. Embryonic, larval and postlarval development of the tropical clam, Anomalocardia brasiliana (Bivalvia, Veneridae). Journal of Molluscan Studies, 65: 73-88.

RIOS, E.C. 1985. Seashells of Brasil. Rio Grande. RS XII.

SERAFIN, S. I. F. 2014. Percepção nas dimensões social e ambiental das mulheres Marisqueiras da Comunidade Renascer- Cabedelo. Trabalho de conclusão de Curso Tecnico em Meio Ambiente. Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba. 20p.

SILVA-CAVALCANTI, J. S. & COSTA, M. 2009. Fisheries in Protected and Non-Protected areas: What is the difference? The case of Anomalocardia brasiliana (Gmelin, 1971) (Mollusca: Bivalvia) at tropical estuaries of Northeast Brazil. Jounal of Coastal Research, IS 56: 1454-1458.

SILVA-CAVALCANTI, J. S. & COSTA, M. 2010. Avaliação de recursos em reservas extrativistas: viabilidade e ações de manejo da Anomalocardia brasiliana. IV Congresso Brasileiro de Oceanografia-CBO 2010. Rio Grande (RS), 17 a 21 de maio de 2010. CD-ROM.

SILVA-CAVALCANTI, J. S. &. COSTA M. F. 2011. Fisheries of Anomalocardia brasiliana in Tropical Estuaries. PANAMJAS, 6(2):

RODRIGUES, A. M. L. AZEVEDO C. M. B. SILVA G. G. H. Aspectos da biologia e ecologia do molusco bivalve Anomalocardia brasiliana (Gmelin, 1791) (Bivalvia, Veneridae). Revista Brasileira de Biociências 2010, pág. 381.

Downloads

Publicado

2017-07-29

Como Citar

BANDEIRA, F. de O.; CAMARGO, M. .; RAMOS, J. de A. A.; ESTUPIÑÁN, R.; SANTOS, A. P. de S. Parâmetros biométricos de Anomalocardia flexuosa (Linnaeus, 1767) - Bivalvia-Veneridae no estuário do rio Paraíba-PB. Gaia Scientia, [S. l.], v. 11, n. 2, 2017. DOI: 10.22478/ufpb.1981-1268.2017v11n2.26615. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/gaia/article/view/26615. Acesso em: 20 abr. 2024.

Edição

Seção

Ciências Ambientais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)