Deposição de serapilheira em áreas de Caatinga sob diferentes densidades de caprinos

Autores

  • Rômulo Gil de Luna Universidade Federal de Campina Grande http://orcid.org/0000-0002-8350-5615
  • Albericio Pereira de Andrade
  • Jacob Silva Souto Universidade Federal de Campina Grande
  • João Gil de Luna

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-1268.2017v11n1.30113

Resumo

O Cariri paraibano tem recebido atenção especial devido ao nível de degradação ambiental que o coloca entre os ambientes do semiárido em visível processo de desertificação. Objetivou-se avaliar a deposição de serapilheira em áreas de Caatinga sob diferentes densidades de caprinos, visando a sua utilização como indicadora de ambientes degradados. O estudo foi realizado na Fazenda Experimental Bacia Escola, em São João do Cariri-PB. A densidade de caprinos foi de 3 animais.ha-¹ (tratamento I) e 1,5 animais.ha-¹ (tratamento II) e sem animais (tratamento III). Foram distribuídas, em cada área experimental, 30 coletores de serapilheira, sendo a coleta realizada mensalmente. Estatisticamente, considerou-se as medidas obtidas de um experimento com um fator em três níveis, em 2012 e 2013. A deposição anual em 2012, nos tratamentos T2 e T3 e no ano de 2013, em todos os tratamentos, foi muito baixa, até mesmo para os padrões da Caatinga. Os baixos valores de serapilheira registrados, em comparação aos observados em áreas de Caatinga preservadas são bons bioindicadores de distúrbios, podendo subsidiar planos de manejo florestal, bem como indicadores de áreas degradadas pelo pastejo permanente. O número de caprinos nas áreas estudadas encontra-se acima da capacidade de suporte, podendo gerar focos de desertificação. Fica explícita a necessidade de mais conhecimento sobre a capacidade de suporte de outras áreas da Caatinga para que se possa melhor entender, explorar e preservar este complexo e pouco conhecido bioma.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abreu JRSP. 2006. Dinâmica da serapilheira em um trecho de Floresta Atlântica Secundária em área urbana do Rio de Janeiro. 2006. 76f. Dissertação (Mestrado em Ciências), Instituto de Florestas, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Aguiar J, Lacher Junior TE, Da Silva, JMC. 2002. The Caatinga. In: Mittermeier, RA, Mittermeier CG, Robles Gil P, Pilgrim J, Fonseca GAB, Brooks T, Konstant WR (Eds), Wilderness. Earth’s last wild places, Cemex: Agrupación Serra Madre. p. 174-181.

Alves AR, Souto JS, Souto PC, Holanda AC. 2006. Aporte e decomposição de serapilheira em áreas de Caatinga, na Paraíba. Revista de Biologia e Ciência da Terra, 6(2):194-203.

Andrade LA, Reis MG, Reis GG. 1999. Classificação ecológica do Estado da Paraíba: interpolação de dados climáticos por aproximação numérica. Revista Árvore, 23(1):23-32.

Bakke AO, Pereira Filho JM, Bakke IA, Cordão MA. 2010. Produção e utilização da forragem de espécies lenhosas da Caatinga. In: Gariglio MA, Sampaio EVSB, Cestaro LA, Kageyama PY (Org.), Uso sustentável e conservação dos recursos florestais da Caatinga, Brasília: Serviço Florestal Brasileiro.

Bartlett MS. 1937. Properties of sufficiency and statistical tests. Proceedings of the Royal Society of London, Serie A, London, 160:268-282.

Box GEP, Cox DR. 1964. An analysis of transformations (whith discussion). Journal of the Royal Statistical Society (B), 26(2):211-252.

Cambianch GM. 2010. Ciclagem de nutrientes via serapilheira em um fragmento ciliar do rio Urupá, (Rondônia), Dissertação (Mestrado) – Centro de Energia Nuclear na Agricultura, Universidade de São Paulo, Piracicaba.

Carreira RC, Rondon JN, Zaidan LBP. 2006. Produção de serrapilheira em uma área de cerrado de Mogi Guaçu, SP, São Paulo: Instituto de Botânica.

Chaves LHG, Chaves IB, Vasconcelos ACF. 2000. Salinidade das águas superficiais e suas relações com a natureza dos solos na Bacia Escola do açude Namorados. Campina Grande: BNB/UFPB. (Boletim Técnico).

Costa CCA, Camacho RGV, Macedo ID, Silva PCM. 2010. Análise comparativa da produção de serapilheira em fragmentos arbóreos e arbustivos em áreas de caatinga na FLONA de Açu-RN. Revista Árvore, 34(2):259-265.

Costa CCA, Souza AM, Silva NF, Camacho RGV, Dantas IM. 2007. Produção de Serapilheira na Caatinga da Floresta Nacional do Açu-RN. Revista Brasileira de Biociência, Porto Alegre, 5(1):246-248.

Cunha GC, Grendene LA, Durlo MA, Bressan DA. 1993. Dinâmica nutricional em floresta estacional decidual com ênfase aos minerais provenientes da deposição da serapilheira. Ciência Florestal, 3(1):35-64.

Delitti WBC. 1995. Estudos de ciclagem de nutrientes: instrumentos para a análise funcional de ecossistemas terrestres. Oecologia Brasiliensis, 1:469-486.

Fahrig L. 2003. Effects of habitat fragmentation on biodiversity. Annual Review of Ecology, Evolution and Systematics, 34:487-515.

Fernandes MM, Pereira MG, Magalhães LMS, Cruz AR, Giácomo RG. 2006. Aporte e decomposição da serrapilheira em área de floresta secundária, plantio de sabiá (Mimosa caesalpinieafolia Benth.) e andiroba (Carapa guianensis Aubl.) na Flona Mario Xavier, RJ. Ciência Florestal, 16(2):163-175.

Fox BJ, Taylor JE, Fox MD, Williams C. 1997. Vegetation changes across edges of rainforest remnants. Biological Conservation, 82:1-13.

Gariglio MA, Sampaio EVSB, Cestaro LA, Kageyama PY (Org.). 2010. Uso sustentável e conservação dos recursos florestais da caatinga, Brasília: Serviço Florestal Brasileiro.

Hayashi SN. 2006. Dinâmica da serapilheira em uma cronossequência de florestas no município de Capitão Poço - PA. 75f. Dissertação (Mestrado em Botânica), Universidade Federal Rural da Amazônia e Museu Paraense Emílio Goeldi.

Kapos V. 1989. Effects of isolation on the water status of forest patches in the Brazilian Amazon. Journal of Tropical Ecology, 5:173-185.

Kruskal WH, Wallis WA. 1952. Use of ranks is on-criterion variance analysis. Journal of the American Statistical Association, 47(260):583-661.

Kühl AS, Pupin BZ, Ilario VE, Piña-Rodrigues FCM. Sem data. Uso do aporte de serapilheira de uma floresta ombrófila densa em quatro estágios sucessionais como indicador de restauração florestal na Cidade de Sete Barras-SP. Anais do 4º Simpósio de Tecnologia em Meio Ambiente e Recursos Hídricos - FATEC - Jahu, p.183-192.

Laurance WF, Ferreira LV, Merona JR, Laurance SG. 1998. Rain forest fragmentation and the dynamics of Amazonian tree communities. Ecology, 79:2032-2040.

Laurance WF, Lovejoy TE, Vasconcelos HL, Bruna EM, Didham RK, Stouffer PC, Gascon C, Bierregaard RO, Laurance SG, Sampaio E. 2002. Ecosystem decay of Amazonian forest fragments: a 22-year investigation. Conservation Biology, 16:605-618.

Leite AVL, Machado IC. 2009. Biologia reprodutiva da “catingueira” (Caesalpinia pyramidalis Tul., Leguminosae-Caesalpinioideae), uma espécie endêmica da Caatinga. Revista Brasileira de Botânica, 32(1):79-88.

Leite AVL, Machado IC. 2010. Reproductive biology of woody species in Caatinga, a dry forest of northeastern Brazil. Journal of Arid Environments, 74:1374-1380.

Levene H. 1960. Robust test for equality of variances. In: Olkin I. (ed). Contributions to probability and statistics: essays in honor of harold hotteling. California: Stanford University Press. p. 278-292.

Lopes JFB, Andrade EM, Lobato FAO, Palácio HAQ, Arraes FDD. 2009. Deposição e decomposição de serapilheira em áreas de Caatinga. Revista Agro@mbiente on-line, 3(2):72-79.

Lovejoy TE, Rankin JM, Bierregaard RVO, Brown KS, Emmons LH, Van Der Voort ME. 1984. Ecosystem decay of Amazon forest fragments. In: Nitecki MH (ed.). Extinctions, Chicago: University of Chicago Press. p. 296-325.

Maia GN. 2004. Caatinga, árvores e arbustos e suas utilidades, São Paulo: D&Z Computação.

Martins CM, Galindo ICL, Souza ER, Poroca HA. 2010. Atributos químicos e microbiológicos do solo de áreas em processo de desertificação no semiárido de Pernambuco. Revista Brasileira de Ciência do solo, 34:1883-1890.

Mendes BV. 1997. Biodiversidade e desenvolvimento sustentável do semi-árido. Fortaleza: SEMACE.

Menezes RSC, Sampaio EVSB, Giongo V, Pérez-Marin AM. 2012. Biogeochemical cycling in terrestrial ecosystems of the Caatinga Biome. Brazilian Journal of Biology, 72(3)suppl.:643-653.

Miller GT Jr., Spoolman SE. 2009. Living in the environment. Concepts, connections and solutions, 16 ed. Belmont: Brooks/Cole e Cengage Learning.

Moço MKS, Gama-Rodrigues EF, Gama-Rodrigues AC, Correia MEF. 2005. Caracterização da fauna edáfica em diferentes coberturas vegetais na região norte fluminense. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 29(4):555-564.

Murcia C. 1995. Edge effects in fragmented forests: implications for conservation. Trends in Ecology & Evolution, 10:58-62.

Noy-Meir I. 1973. Desert ecosystems: environment and producers. Annual Review of Ecology and Systematic, 4:25-51.

Odum EP. 1988. Ecologia. Rio de Janeiro: Guanabara.

Portela RCQ, Santos FAM. 2007. Produção e espessura da serapilheira na borda e interior de fragmentos florestais de Mata Atlântica de diferentes tamanhos. Revista Brasileira de Botânica, 30(2):271-280.

Portes MCGO, Koehler A, Galvão F. 1996. Variação sazonal de deposição de serapilheira em uma Floresta Ombrófila Densa Altomontana no Morro do Anhangava-PR. Floresta, 26:3-10.

Rencher AC, Christensen WF. 2012. Methods of multivariate analysis. 3 ed. New Jersey: John Wiley & Sons. Inc.

Sampaio EVSB. 2010. Caracterização do Bioma Caatinga. In: Garilio MA, Sampaio EVSBS, Cestaro LA, Kageyama PY. (Org.), Uso sustentável e conservação dos recursos florestais da Caatinga, Brasília: Serviço Florestal Brasileiro. 368p.

Sampaio EVSB, Sampaio Y. 2002. Desertificação: conceito, causa, consequência e mensuração, Recife: Ed. Universitária UFPE.

Sanches L, Valentini CMA, Biudes MS, Nogueira JS. 2009. Dinâmica sazonal da produção e decomposição de serapilheira em floresta tropical de transição. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 13(2):183-189.

Santana JAS, Vilar FCR, Souto PC, Andrade LA. 2009. Acúmulo de serapilheira em plantios puros e em fragmento de mata atlântica na Floresta Nacional de Nísia Floresta - RN. Revista Caatinga, 22(3):59-66.

Santana JAS. 2005. Caracterização florística, fitossociológica e dinâmica da ciclagem de nutrientes em áreas de Caatinga no Rio Grande do Norte, Brasil. (Tese Doutorado), Universidade Federal da Paraíba, Areia/PB.

Schlittler FHM, Marinis G, César O. 1993. Produção de serapilheira na floresta do Morro do Diabo, Pontal do Paranapanema-SP. Naturalia, 18:135-147.

Scoriza RN, Pereira MG, Pereira GHA, Machado DL, Silva EMR. 2012. Métodos para coleta e análise de serrapilheira aplicados à ciclagem de nutrientes. Floresta e Ambiente, 2(2):1-18.

Shapiro SS, Wilk MB. 1965. An analysis of variance test of normality (complete samples). Biometrika, 52(34):591-611.

Silva CJ, Lobo F, Bleich ME, Sanches L. 2009. Contribuição de folhas na formação da serrapilheira e no retorno de nutrientes em floresta de transição no norte de Mato Grosso. Acta amazônica, 39(3):591-600.

Silva CJ, Sanches L, Bleich ME, Lobo FA, Nogueira JS. 2007. Produção de serapilheira no Cerrado e Floresta de transição Amazônia - Cerrado do centro-oeste brasileiro. Acta Amazônica, Manaus, 37(4):543-548.

Silva FBR, Riché GR, Tonneau JP, Souza Neto NC, Brito LTL, Correia RC, Cavalcanti AC, Silva AB, Araújo FJ, Leite AP. 1993. Zoneamento agroecológico do Nordeste: diagnóstico do quadro natural e agrossocioeconômico, Petrolina: EMBRAPA-CPTSA. 2 v.

Songwe NC, Fasehun FE, Okali DUU. 1988. Litterfall and productivity in a tropical rain forest, Southern Bankundu Forest, Cameroon. Journal of Tropical Ecology, 4:25-37.

Souto PC. 2006. Acumulação e decomposição da serapilheira e distribuição de organismos edáficos em área de caatinga na Paraíba, Brasil. 150f. Tese (Doutorado em Agronomia) - Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal da Paraíba, Areia.

Sundarapandian SM, Swamy PS. 1999. Litter production and leaflitter decomposition of selected tree species intropical forests at Kodayar in the Western Ghats, India. Forest Ecology and Management, 5(123):231-244.

Vidal MM, Pivello VR, Meirelles ST, Metzger JR. 2007. Produção de serapilheira em floresta Atlântica secundária numa paisagem fragmentada (Ibiúna, SP): importância da borda e tamanho dos fragmentos. Revista Brasileira de Botânica, 30(3):521-532.

Vital ART. 2002. Caracterização hidrológica e ciclagem de nutrientes em fragmento de mata ciliar em Botucatu, SP. 117 f. Tese (Doutorado em Agronomia) – Faculdade de Ciências Agronômicas, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, SP.

Vital ART, Guerrini IA, Franken WK, Fonseca RCB. 2004. Produção de serrapilheira e ciclagem de nutrientes de uma floresta estacional semidecidual em zona ripária. Revista Árvore, 28(6):793-800.

Downloads

Publicado

2017-03-31

Como Citar

LUNA, R. G. de; ANDRADE, A. P. de; SOUTO, J. S.; LUNA, J. G. de. Deposição de serapilheira em áreas de Caatinga sob diferentes densidades de caprinos. Gaia Scientia, [S. l.], v. 11, n. 1, 2017. DOI: 10.22478/ufpb.1981-1268.2017v11n1.30113. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/gaia/article/view/30113. Acesso em: 21 mar. 2023.

Edição

Seção

Ciências Ambientais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)