Sistema de avaliação espacial do processo de desertificação no semiárido brasileiro

Autores

  • Ricardo da Cunha Correia Lima Instituto Nacional do Semiárido
  • Wilson Fadlo Curi Universidade Federal de Campina Grande
  • Ana Paula Silva dos Santos Instituto Nacional do Semiárido
  • Talita Stael Pimenta da Silva Costa Instituto Nacional do Semiárido

Palavras-chave:

Indicadores, Análise de Decisão Multicritério, Sistema de informações Geográficas, GIS-MCDA, DPSIR

Resumo

A desertificação é um processo complexo para o qual concorrem fatores de ordem ambiental, social, econômica e institucional. Sua modelagem através de indicadores permanece um desafio para pesquisadores em todo o mundo, em função das múltiplas relações entre a sociedade, o meio ambiente e o desenvolvimento desejado. O presente estudo procurou estruturar um sistema de avaliação da desertificação através de 27 indicadores, sugeridos na literatura relacionada e para os quais foi possível obter dados confiáveis e acessíveis, e organizados segundo o modelo conceitual DPSIR - Força Motriz, Pressão, Estado, Impacto e Resposta. A capacidade dos indicadores descreverem os diversos aspectos da desertificação foi avaliada por um grupo de especialistas de modo a estabelecer um peso para cada um deles. Os indicadores foram calculados e transformados em planos de informação do tipo raster para serem processados através de técnicas de análise de decisão multicritério integradas a sistemas de informações geográficas. Desta maneira, índices multicriteriais de desertificação foram desenvolvidos para cada categoria DPSIR, como instrumentos de avaliação das causas estruturais, causas diretas, susceptibilidade, consequências e respostas da sociedade. Para exemplificar a aplicação da metodologia, um Índice Multicriterial de Desertificação das Pressões (IMD-P) foi calculado para uma porção da região semiárida brasileira, indicando as áreas onde o desmatamento e o manejo inadequado da terra contribuem significativamente para a degradação das terras e, consequentemente, para a desertificação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo da Cunha Correia Lima, Instituto Nacional do Semiárido

Pesquisador do Instituto Nacional do Semiárido na área de desertificação

Wilson Fadlo Curi, Universidade Federal de Campina Grande

Professor titular da Universidade Federal de Campina Grande (da Unidade Acadêmica de Física, do Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil e Ambiental e do Programa de Pós-graduação em Recursos Naturais)

Ana Paula Silva dos Santos, Instituto Nacional do Semiárido

Pesquisadora do Instituto Nacional do Semiárido na área sócio-ambiental

Talita Stael Pimenta da Silva Costa, Instituto Nacional do Semiárido

Pesquisadora do Instituto Nacional do Semiárido na área de desertificação

Referências

Abraham, E. M. 2006. Indicadores de desertificación para Argentina, Bolívia, Brasil, Chile y Perú. In Abraham, E. M., Beekman, G. B. Indicadores de la desertificación para América del Sur. Mendoza, IICA, p.189-207.

Abraham, E. M.; Montaña, E.; Torres, L. 2006. Procedimiento y marco metodológico para la obtención de indicadores de desertificación en forma participativa. In Abraham, E. M., Beekman, G. B. Indicadores de la desertificación para América del Sur. Mendoza, IICA, p.37-64.

Brans, J. P.; Vincke, P.; Mareschal, B. 1986. How to select and how to rank projects: The PROMETHEE method. European Journal of Operational Research, v.24, p.228-238.

Cinelli, M., Coles, S.R., Kirwan, K. 2014. Analysis of the potentials of multi criteria decision analysis methods to conduct sustainability assessment. Ecological Indicators, v.46, p.138-148.

Cronbach, J. L. 1951. Coefficient alpha and the internal structure of tests. Psychometrika, v. 16. n. 3, p. 297-334.

EEA - European Environment Agency. 1999. Environmental indicators: Typology and overview. Copenhagen, 19p.

Franco, R. A. M.; Hernandez, F. B. T.; Moraes, J. F. L. 2013. O uso da análise multicritério para a definição de áreas prioritárias a restauração de Área de Preservação Permanente (APP), no noroeste paulista. In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 16, 2013, Anais... INPE, p.3366-3373.

Giulietti, A. M., Bocage Neta, A. L., Castro, A. A. J. F. 2004. Diagnóstico da vegetação nativa do bioma da caatinga. In: Biodiversidade da Caatinga: áreas e ações prioritárias para a conservação. MMA-UFPE, Brasília, DF, p.47-90.

Grau, J. B., Anton, J. M., Tarquis, A. M., Colombo, F., Rios, L., Cisneros, J. M. 2010. Mathematical model to select the optimal alternative for an integral plan to desertification and erosion control for the Chaco Area in Salta Province (Argentine). Biogeosciences Discussions, v.7, p.2601–2630.

Hamadouche, M.A.; Mederbal, K.; Kouri, L.; Regagba, Z.; Fekir, Y.; Anteur, D. 2014. GIS-based multicriteria analysis: an approach to select priority areas for preservation in the Ahaggar National Park, Algeria. Arabian Journal of Geosciences, v. 7, n.2, p.419-434.

Huete, A.R. 1988. A soil-adjusted vegetation index (SAVI). Remote Sensing of Environment, 25, p.295-309.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2006. Censo Agropecuário. Rio de Janeiro. Disponível em http://www.sidra.ibge.gov.br/, acesso em 25/10/2015.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 1995. Censo Agropecuário. Rio de Janeiro. Disponível em http://www.sidra.ibge.gov.br/, acesso em 25/10/2015.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Censo demográfico. Rio de Janeiro. Disponível em http://www.sidra.ibge.gov.br/, acesso em 25/10/2015.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 1992. Divisão do Brasil em mesorregiões e microrregiões. Rio de Janeiro, v.2, n.2, 302 p.

INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. 2016. Portal do Monitoramento de Queimadas e Incêndios. Disponível em http://www.inpe.br/queimadas. Acesso em: 16/03/2016.

Kosmas, C., Kirkby, M., Geeson, N. 1999. Manual on key indicators of desertification and mapping environmentally sensitive areas to desertification. European Commission, 87p.

Krige, D.G. 1951. A statistical approach to some basic mine valuation problems on the Witwatersrand. J. Chem. Metall. Min. Soc. S. Afr., v. 52, p. 119-139.

Lima, A. A. C.; Oliveira, F. N. S.; Aquino, A. R. L. de. 2002. Limitações do uso dos solos do Estado do Ceará por suscetibilidade à erosão. Documentos, n. 54, Embrapa Agroindústria Tropical, 19p.

Lopes, H. L.; Candeias, A. L. B.; Accioly, L. J. O.; Sobral, M. C. 2009. Modelagem de parâmetros biofísicos para desenvolvimento de algoritmo para avaliação e espacialização de risco a desertificação. Bol. Ciênc. Geod., Curitiba, v. 15, n. 4, p. 652-668.

Malczewski, J.; Rinner, C. 2015. Multicriteria Decision Analysis in Geographic Information Science. Springer, 331p.

Massei, G.; Rocchi, L.; Paolotti, L.; Greco, S.; Boggia, A. 2014. Decision Support Systems for environmental management: A case study on wastewater from agriculture. Journal of Environmental Management, v.146, p.491-504.

Mckee, T. B.; Doesken, N. J.; Kleist, J. 1993. The relationship of drought frequency and duration to time scales, In: Eighth Conference on Applied Climatology, Anaheim, California.

Nações Unidas. 1997. Convenção das Nações Unidas de combate à desertificação nos países afetados por seca grave e/ou desertificação, particularmente na África. Brasília: MMA.

Nasiri, H.; Boloorani, A.D.; Sabokbar, H.A.F.; Jafari, H.R.; Hamzeh, M.; Rafii, Y. 2013. Determining the most suitable areas for artificial groundwater recharge via an integrated PROMETHEE II-AHP method in GIS environment (case study: Garabaygan Basin, Iran). Environmental Monitoring and Assessment, v.185, n.1, p.707-718.

Rêgo, A. H. 2012. Os sertões e os desertos: o combate à desertificação. Brasília, FUNAG, 204p.

Reynolds, J. F.; Grainger, A.; Stafford Smith, D. M.; Bastin, G.; Garcia-Barrios, L.; Fernandez, R. J.; Janssen, M. A.; Jürgens, N.; Scholes, R. J.; Veldkamp, A.; Verstraete, M. M.; Von Maltitz, G.; Zdruli, P. 2011. Scientific concepts for an integrated analysis of desertification. Land Degradation and Development. v.22, p.166-183.

Sá, I. B.; Cunha, T. J. F.; Taura, T. A.; Drumond, M. A. 2013. Mapeamento da desertificação do semiárido paraibano com base na sua cobertura vegetal e classes de solos. In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 16, 2013, Anais... INPE, p.3112-3118.

Salvati, L.; Mancino, G.; De Zuliane, E.; Sateriano, A.; Zitte, M.; Ferrara, A. 2013. An expert system to evaluate environmental sensitivity: a local scale approach to desertification risk. Applied Ecology and Environmental Research, v. 11, n. 4, p.611-627.

Sampaio E.V.B.; Sampaio, Y.; Vital, T.; Araújo, S. B.; Sampaio, G. R. 2003. Desertificação no Brasil: Conceitos, núcleos e tecnologias de recuperação e convivência. Recife, Ed. Universitária da UFPE, 202 p.

Sepehr, A.; Zucca, C. 2012. Ranking desertification indicators using TOPSIS algorithm. Natural Hazards, v.62, p.1137-1153.

Valeriano, M. M.; Rossetti, D. F. 2011. Topodata: Brazilian full coverage refinement of SRTM data. Applied Geography (Sevenoaks), v. 32, p. 300-309.

Vasconcelos Sobrinho, J. 1971. Núcleos de Desertificação no Polígono das Secas. In: ICB, 1971. Anais...Recife: Universidade Federal de Pernambuco, p. 69- 73.

Vieira, R. M. S. P.; Tomasella, J.; Alvalá, R. C. S.; Sestini, M. F.; Affonso, A. G.; Rodriguez, D. A.; Barbosa, A. A.; Cunha, A. P. M. A.; Valles, G. F.; Crepani, E.; De Oliveira, S. B. P.; De Souza, M. S. B.; Calil, P. M.; De Carvalho, M. A.; Valeriano, D. M.; Campello, F. C. B.; Santana, M. O. 2015. Identifying areas susceptible to desertification in the Brazilian northeast. Solid Earth, v. 6, p. 347-360.

Zhang, X, Wu, B., Ling F., Zeng, Y., Yan, N., Yuan, C. 2010. Identification of priority areas for controlling soil erosion. Catena, v. 83, n.1, p. 76-86.

Downloads

Publicado

2016-12-19

Como Citar

LIMA, R. da C. C.; CURI, W. F.; SANTOS, A. P. S. dos; COSTA, T. S. P. da S. Sistema de avaliação espacial do processo de desertificação no semiárido brasileiro. Gaia Scientia, [S. l.], v. 10, n. 4, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/gaia/article/view/32876. Acesso em: 25 jan. 2022.

Edição

Seção

Ciências Ambientais