Comunidade fitoplanctônica como indicadora da qualidade ambiental em um trecho urbano do Rio Jaguaribe, semiárido cearense

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-1268.2019v13n1.46747

Resumo

As atividades antrópicas são uma das principais causas da poluição dos ambientes aquáticos, pois favorece o fenômeno da eutrofização. Esse processo é caracterizado pelo crescimento elevado do fitoplâncton, considerado como bioindicador da qualidade ambiental desses ambientes. Este trabalho objetiva investigar a qualidade ambiental em um trecho urbano do Rio Jaguaribe por meio da comunidade fitoplanctônica e das características químicas da água. As amostragens ocorreram durante o período chuvoso e seco, em cinco pontos ao longo do trecho urbanizado do rio. O fitoplâncton foi coletado através de uma rede de plâncton. Adicionalmente, foram analisados os compostos nitrogenados e fosfatados da água. As maiores concentrações desses nutrientes ocorreram no período chuvoso, assim como a maior riqueza de espécies, resultado provavelmente influenciado pelo maior aporte de nutrientes decorrente da entrada de material alóctone no rio. As análises químicas revelaram, uma baixa qualidade das águas do rio Jaguaribe quando comparadas com os padrões estabelecidos pelo CONAMA, corroborado pela presença de várias espécies de clorofíceas, cianofíceas e diatomáceas comuns em ambientes sob elevado nível de poluição. Portanto, faz-se necessário realizar um monitoramento periódico da qualidade da água devido à grande importância econômica, social e ecológica que o Rio Jaguaribe possui para toda a região.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisca Reijannya dos Santos da Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Campus Jaguaribe

Discente do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas

Francisco Lucas Pacheco Cavalcante, Universidade Federal do Ceará

Discente do curso de pós-graduação em Bioquímica da Universidade Federal do Ceará, Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular, Campus do Pici

Romário Bezerra Agostinho, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Campus Jaguaribe

Discente do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas

Daniele Jovem da Silva Azêvedo, Universidade Federal de Minas Gerais

Discente do curso de pós-graduação em Ecologia, Conservação e Manejo da Vida Silvestre

José Etham de Lucena Barbosa, Universidade Estadual da Paraíba

Docente da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Departamento de Biologia/CCBS/Laboratório de Ecologia Aquática (LEAq)

Raquel da Silva Cordeiro, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Campus Jaguaribe

Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Campus Jaguaribe

Referências

Abreu CHM, Cunha AC. 2017. Qualidade da água e índice trófico em rio de ecossistema tropical sob impacto ambiental. Engenharia Sanitária e Ambiental, 22(1):45-56. DOI: 10.1590/S1413-41522016144803.

AGÊNCIA NACIONAL DAS ÁGUAS. 2007 Panorama do enquadramento dos corpos d’água do Brasil, e, Panorama da qualidade das águas subterrâneas no Brasil. Disponível em: http://portalpnqa.ana.gov.br/Publicacao/PANORAMA_DO_ENQUADRAMENTO.pdf. Acesso em: 15 out. 2018.

Alves ICC, El-Robrini M, Santos MLS, Monteiro SM, Barbosa LPF, Guimarães JTF. 2012. Qualidade das águas superficiais e avaliação do estado trófico do Rio Arari (Ilha de Marajó, norte do Brasil). Acta Amazonica, 42(1):115-124.

APHA. 2012. Standard methods for the examination of water and wastewater. v. 1496. Washington: APHA, AWWA, WPCR.

Aragão NKCV, Gomes CTS, Lira GAST, Andrade CM. 2007. Estudo da comunidade fitoplanctônica no reservatório do Carpina-PE, com ênfase em Cyanobacteria. Revista Instituto Adolfo Lutz, 66(3):240-248.

Arantes DM. 2012. Deposição e exportação de sólidos e nutrientes na Sub-bacia do Ribeirão das Cruzes, Baixo Tietê (SP). Universidade de São Paulo. 123 p.

Azevêdo EL., Alves RRN, Dias TLP, Molozzi J. 2017. How do people gain access to water resources in the Brazilian semiarid (Caatinga) in times of climate change? Environmental monitoring and assessment, 189: 375-391.

Barbosa JEL, Andrade RS, Lins RP, Diniz CR. 2006. Diagnóstico do estado trófico e aspectos limnológicos de sistemas aquáticos da Bacia Hidrográfica do Rio Taperoá, Trópico Semi-árido brasileiro. Revista de Biologia e Ciência da Terra, (1):81-89.

Barbosa JEL, Medeiros ESF, Brasil J, Cordeiro RS, Crispim MCB, Silva GHG. 2012. Aquatic systems in semi-arid Brasil: Limnology and management. Acta limnológica brasiliensia, 24(1):103-118.

Bastos ICO, Lovo IC, Estanislau CAM, Scoss LM. 2006. Utilização de bioindicadores em diferentes hidrossistemas de uma indústria de papeis reciclados em Governador Valadares – MG. Engenharia Sanitária e Ambiental, 11(3):203-211.

Bicudo CEDM, Menezes M. 2006. Gêneros de Algas de Águas Continentais do Brasil - chave para identificação e descrições, 2 ed. São Carlos: RiMA.

BRASIL 2005. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução n° 357 23 de Janeiro 2005.

Disponível em: http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=459&gt. Acesso em: 16 out. 2018.

Calijuri MC, Alves MAS, Santos ACA. 2006. Cianobactérias e cianotoxinas em águas continentais. São Carlos: RiMA.

Carvalho MC, Agujaro LF, Pires DA, Picoli C. 2013. Manual de Cianobactérias Planctônicas: Legislação, Orientações para o Monitoramento e Aspectos Ambientais, São Paulo: CETESB.

Cardoso AS, Marwell DTB, Sobral MCM, Melo GL, Casé MCC. 2017. Análise da presença do fitoplâncton em bacia integrante do Projeto de Integração do Rio São Francisco, região semiárida, Nordeste Brasileiro. Revista de Engenharia Sanitária Ambiental, 22(2):261-269. DOI: 10.1590/S1413-41522016146707

Castro GM. 2017. Abordagens ecológicas e biotecnológicas para conservação e preservação do Rio Toledo. Universidade Estadual do Oeste do Paraná. 66 p.

Chellappa S, Bueno RM, Chellappa T, Chellappa NT, Val VMFA. 2009. Reproductive seasonality of the fish fauna and limnoecology of semi-arid Brazilian reservoirs. Limnologica-Ecology and Management of Inland Waters, 39: 325-329.

Cordeiro-Araújo MK, Ogava LE, Moura AN, Piccin-Santos V, Bittencourt-Oliveira MC. 2010. Cianobactérias planctônicas de reservatórios do Oeste Paulista: Condições naturais versus controladas. Revista Brasileira de Engenharia de Pesca, 5(3):74–88.

Costa MRA, Attayde JL, Becker V. 2016. Effects of water level reduction on the dynamics of phytoplankton functional groups in tropical semi-arid shallow lakes. Hydrobiologia, 778(1): 75-89.

Dias GF. 2004. Educação Ambiental: princípios e práticas. 9 ed. São Paulo: Gaia.

Dring MJ. 1992. The biology of marine plants. Cambridge: Cambridge University Press.

Esteves FA, Marinho CC. 2011. Nitrogênio. In: Esteves FA. Fundamentos de Limnologia. Rio de Janeiro: Interciência. p. 239-258.

Fleck L, Queiroz CB, Eyng E, Schutz FCA. 2012. Análise físico-química da qualidade da água do Rio Alegria localizado no município de Medianeira – PR. Revista Eletrônica Científica Inovação e Tecnologia, 1(5):65-71.

Franceschini IM, Prado JF, Burliga AL. 2010. Diversidade. In: Franceschini IM et al. Algas: Uma abordagem filogenética, taxonômica e ecológica. Porto Alegre: Artmed. p. 73-214.

FUCEME- Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos. Clima. Disponível em: http://www.funceme.br/?page_id=2783. Acesso em: 15 jul. 2019.

Gondim RS, Teixeira AS, Rosa MF, Figuereido MCB, Pereira PM, Costa CAG, Sabino KV. 2004. Diagnóstico da agricultura irrigada no Baixo e Médio Jaguaribe. Revista econômica do Nordeste, 35(3):424-430.

Hou Z, Jiang Y, Liu Q, Tian Y, He K, Fu L. 2018. Impacts of Environmental Variables on a Phytoplankton Community: A Case Study of the Tributaries of a Subtropical River, Southern China. Water, 10(2): 152-164.

IBGE-INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. 2017. Censo demográfico. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ce/jaguaribe/panorama. Acesso em: 18 out. 2018.

Macedo CF, Sipaúba-Tavares LH. 2010. Eutrofização e qualidade da água na piscicultura: consequências e recomendações. Boletim do Instituto de Pesca, 36(2):149-163.

Marmontel CVF, Rodrigues VA. 2015. Parâmetros Indicativos para Qualidade da Água em Nascentes com Diferentes Coberturas de Terra e Conservação da Vegetação Ciliar. Floresta e Ambiente, 22(2):171-181.

Mascarenhas GL, Cunha MCC, Martins LR. 2013. Caracterização do fitoplâncton das bacias do rio São Francisco, Moxotó e Paraíba, inseridas no projeto de integração do rio São Francisco. Revista Brasileira de Geografia Física, 6(5):1050-1068.

Mendes NGS, Costa AG. 2016. Comunidades de microalgas e variáveis limnológicas abióticas no rio Santa Maria do Doce (Santa Teresa, ES). Natureza online, 14(1):32–37.

Molica R, Azevedo S. 2009. Ecofisiologia de cianobactérias produtoras de cianotoxinas. Oecologia Brasilienses, 13(2):229-246.

Nieweglowski AMA. 2006. Indicadores de qualidade da água na Bacia Hidrográfica do Rio Toledo - PR. Universidade Federal do Paraná, 218 p.

Rego AHG, Rangel-Junior A, Costa IAS. 2018. Phytoplankton scenario and microcystin in water during extreme drought in semiarid tropical water supplies, Northeastern Brazil. Brazilian Journal of Biology, (AHEAD), 1-11.

Reynolds, CS. 2006. The ecology of phytoplankton. Cambridge University Press.

Riediger W, Bueno NC, Sebastien NY, Bortolini JC. 2015. Spatial and temporal variation of phytoplankton in subtropical stabilization ponds. Acta Limnologica Brasiliensia, 27(4):441–453.

Salomoni SE, Rocha O, Callegaro VL, Lobo EA. 2006. Epilithic diatoms as indicators of water quality in the Gravataí river, Rio Grande do Sul, Brazil. Hydrobiologia, 559(1):233–246.

Santos ACA. 2016. Análise da Comunidade Fitoplanctônica do Rio Doce e afluentes. GIAIA, p.1-5.

Sousa AB, Silva DF. 2013. Causas climáticas da variabilidade pluviométrica e tendências climáticas na Bacia Hidrográfica do Rio Jaguaribe (Ce). Revista Caminhos de Geografia, 14(46):101-117.

Souza MDCD, Crossetti LO, Becker V. 2018. Effects of temperature increase and nutrient enrichment on phytoplankton functional groups in a Brazilian semi-arid reservoir. Acta Limnologica Brasiliensia, 30: 215-222.

Townsend CR, Begon M, Harper JL. 2010. Fundamentos em Ecologia. 3 ed. Porto Alegre: Artmed.

Tundisi JG, Tundisi TM. 2008. Linmologia. São Paulo: Oficina de Textos.

Valle-Junior RF, Abdala VL, Guidolini JF, Almeida RF, Souza MASC. 2010. Ortofosfato como parâmetro indicador de qualidade da água em diferentes pontos de coleta na Bacia do Rio Uberaba. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer, 6(11): 1-6.

Zanella ME. 2014. Considerações sobre o clima e os recursos hídricos do semiárido nordestino. Caderno Prudentino de Geografia, (36): 126-142.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2019-09-25

Como Citar

SILVA, F. R. dos S. da; CAVALCANTE, F. L. P.; AGOSTINHO, R. B.; AZÊVEDO, D. J. da S.; BARBOSA, J. E. de L.; CORDEIRO, R. da S. Comunidade fitoplanctônica como indicadora da qualidade ambiental em um trecho urbano do Rio Jaguaribe, semiárido cearense. Gaia Scientia, [S. l.], v. 13, n. 1, 2019. DOI: 10.22478/ufpb.1981-1268.2019v13n1.46747. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/gaia/article/view/46747. Acesso em: 18 jan. 2022.

Edição

Seção

Ciências Ambientais