Ciúme, exílio e poesia em Machado de Assis

Palavras-chave: Machado de Assis, Romance Brasileiro, Espaços Sociais, Literatura Comparada, Literatura Brasileira

Resumo

Segundo Silviano Santiago, a obra romanesca de Machado de Assis, em sua série cronológica, possui “certas estruturas primárias e primeiras [que] se desarticulam e se rearticulam sob a forma de estruturas diferentes, mais complexas e sofisticadas”. O estudo do ciúme enquanto expressão patriarcal na cultura brasileira é uma dessas estruturas que o crítico estudou para compreender o romance machadiano. O presente artigo busca levar adiante as formulações de Santiago, inserindo no debate questões como exílio, ciúme e espaço social como parte do repertório estrutural do romance machadiano. Para tanto, analisa episódios em que esses temas estão presentes em Helena (1876), A mão e a luva (1874) e, sobretudo, Dom Casmurro (1899).

Biografia do Autor

Rogério Fernandes Santos, Universidade de São Paulo
Rogério Fernandes dos Santos é Doutor (2015) e Mestre (2010) em Letras pela Universidade de São Paulo. Atuou como professor de literaturas de língua portuguesa na Universidade Federal Rural de Pernambuco, Unidade Acadêmica de Serra Talhada, UFRPE/UAST. Pós-doutor com pesquisa sobre a ficcionalização do processo narrativo nos romances machadianos Esaú e Jacó e Memorial de Aires pela Faculdade de Letras da UFG. Atua principalmente nos seguintes temas: Machado de Assis, formação do romance brasileiro, estética da recepção, literatura autorreflexiva, romance brasileiro contemporâneo e modernidade(s) em literaturas periféricas.

Referências

ADORNO, Theodor W. Palestra sobre lírica e sociedade. In: Notas de literatura I. São Paulo: Duas Cidades / Editora 34, 2008.

AGAMBEN, Giorgio. O fim do poema. Tradução de Sérgio Alcides. Revista Cacto, nº 1, agosto de 2002, p. 142-149.

ALENCAR, José de. Como e porque sou romancista. In: Alencar, José de. Ficção Completa. São Paulo: Companhia Aguiar Editora, 1959, vol. I.

ASSIS, Machado de. Ressurreição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira/MEC, 1977a.

______. A mão e a luva. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira/MEC, 1977b.

______. Helena. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira/MEC, 1977c.

______. Dom Casmurro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira/MEC, 1977d.

BALZAC, Honoré de. O pai Goriot. Tradução de Gomes da Silveira. In: A comédia humana. Introduções, notas e orientação de Paulo Rónai. Vol IV. Porto Alegre: Editora Globo, 1949.

BAPTISTA, Abel Barros. A formação do nome. Duas interrogações sobre Machado de Assis. Campinas: Unicamp, 2003.

______. Autobibliografias. A solicitação do livro na ficção de Machado de Assis. Campinas: Unicamp, 2003.

CALDWELL, Helen. O Otelo brasileiro de Machado de Assis. São Paulo: Ateliê Editorial, 2002.

DUNKER, Christian Ingo Lenz. Mal-estar, sofrimento e sintoma. Uma psicopatologia do Brasil entre muros. São Paulo: Boitempo, 2015.

KLEIN, Melanie. Inveja e gratidão – um estudo das fontes inconscientes. Rio de Janeiro: Imago, 1984.

MORETTI, Franco. A forma trágica como desconsagração da soberania. In: Signos e estilos da modernidade. Ensaio sobre a sociologia das formas literárias. Tradução de Maria Beatriz Medina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

SANTIAGO, Silviano. Retórica da verossimilhança. In: Uma literatura nos trópicos. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

SANTOS. Rogério Fernandes. O reflexo de Helena. Modelos Literários e nacionalidade em Helena (1876), de Machado de Assis. Dissertação de mestrado. São Paulo: FFLCH/USP, 2009.

SCHWARZ, Roberto. Duas meninas. São Paulo: Companhia das letras, 1997.

Publicado
2020-01-11
Como Citar
SANTOS, R. F. Ciúme, exílio e poesia em Machado de Assis. Revista Graphos, v. 21, n. 2, p. 164-178, 11 jan. 2020.