Intersecções Brasil-Nigéria: a representação da maternidade nas obras Um defeito de cor e The Joys of Motherhood

  • Danielle de Luna e Silva UFPB
  • Maria Elizabeth Peregrino Souto Maior Mendes Universidade Federal da Paraíba
Palavras-chave: Maternidade, Maternagem, Buchi Emecheta, Ana Maria Gonçalves

Resumo

A partir de estudos transnacionais (DAVIES, 1986) de feminismos africanos (NNAEMEKA, 1997; OYEWUMI, 1999) e de estudos interseccionais (HOOKS, 1984; HILL-COLLINS, 2002), o presente trabalho tem como objetivo uma análise comparativa da representação da maternidade negra em dois contextos distintos – Brasil e Nigéria – especificamente nas obras Um defeito de cor e The Joys of Motherhood, das escritoras Ana Maria Gonçalves (1970) e Buchi Emecheta (1944-2017). Nas respectivas obras, são narradas trajetórias de personagens femininas – Kehinde e Nnu Ego –, ambas inseridas em um contexto que vinculava a figura da mãe ao exercício de um ideal cultural monolítico, o da maternidade abnegada. As autoras problematizam tal construto cultural, oferecendo representações que confrontam e ressignificam a própria ideia do que seria o amor materno, em contextos de exploração escravagista, no caso de Kehinde, e de experiência colonial, em se tratando de Nnu Ego. Assim, Gonçalves e Emecheta desvelam novas possibilidades de representar e vivenciar a maternidade negra, realçando fatores como autonomia, cosmologia africana, agência e resistência. Embora ambas as escritoras escrevam a partir de contextos e continentes distintos, suas narrativas parecem oferecer uma desconstrução da representação da maternidade e das práticas de maternagem.

Referências

ARAÚJO, Ana Lúcia. Public Memory of Slavery: victims and perpetrators in the South Atlantic. New York: Cambria Press, 2010.

BROWN-GUILLORY, Elizabeth. (Org.) Middle Passages and the Healing Place of History: migratin and identity. The Ohio State University Press, 2006.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. Racismos contemporâneos. Rio de Janeiro: Takano Editora, v. 49, p. 49-58, 2003.

CHRISTIAN, Barbara. Black Feminist Criticism: perspectives on Black women writers. Oxford: Pergamon Press, 1985.

DAVIS, Angela. Women, Race and Class. 1981. New York: Vintage, 1983.

DAVIES, Carole Boyce; OGUNDIPE-LESLIE, Molara (Org.). Moving Beyond Boundaries: Black Women's Diasporas. Vol. 1. New York: New York University Press, 1995.

_______. Black women, writing and identity: Migrations of the Subject. New York: Routledge, 2003.

DAVIES, Carole Boyce.; GRAVES, Anne A. (ed.) Ngambika: Studies of Women in African Literature. Trenton: Africa World Press, 1986.

EMECHETA, Buchi. The Joys of Motherhood. England: Heinemann, 2008.

EVARISTO, Conceição. Gênero e etnia: uma escre (vivência) de dupla face. Mulheres no mundo, etnia, marginalidade e diáspora, p. 201-212, 2005.

FLAX, Jane. The conflict between nurturance and autonomy in mother-daughter relationships and within feminism. Feminist Studies, v. 4, n. 2, p. 171-189, 1978.

GONÇALVES, Ana Maria. Um defeito de cor. Rio de Janeiro: Record, 2009.

HILL COLLINS, Patricia. Black Feminist Thought, Routledge, 2002.

HOOKS, Bell. Ain’t I a Woman: black women and feminism. Boston: South End, 1992.

______. Feminist Theory: from margin to center. Boston: South End, 1984.

MELO NASCIMENTO, Gizelda. Grandes mães, reais senhoras. In: NASCIMENTO, Elisa Larkin (Ed.). Guerreiras de natureza: mulher negra, religiosidade e ambiente. São Paulo: Grupo Editorial Summus, 2008.

MENDES, M. Elizabeth P. S. Maior. O corpo materno em Without a Name e Butterfly Burning, de Yvonne Vera: tensões, transgressões e resistências. Tese (Doutorado em Letras) - Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, 2017.

NNAEMEKA, Obioma. The Politics of (M)Othering: Womanhood, Identity and Resistance in African Literature London: Routledge, 1997.

OKIN, Susan Moller. Gender, the Public and the Private. Revista Estudos Feministas, v. 16, n. 2, p. 305-332, 2008. O'REILLY, Andrea. Stories to live by: maternal literatures and motherhood studies. In:

PODNIEKS, Elizabeth; O’REILLY, Andrea (Ed.). Textual Mothers/Maternal Texts: Motherhood in Contemporary Women’s Literatures. Wilfrid Laurier Univ. Press, 2010.

______. Maternal Theories: Essential Readings. Toronto: Demeter Press, 2007.

OYEWUMI, Oyeronké. Abiyamo: theorizing African motherhood. Jenda, a Journal of Culture and African Women Studies, Issue 4, 1999.

RICH, Adrienne. Of Woman born: Motherhood as experience and institution. New York:

WW Norton & Company,1995.

ROBOLIN, Stéphane. Gendered Hauntings: The Joys of Motherhood, Interpretive Acts, and Postcolonial Theory. Research in African Literatures, p. 76-92, 2004.

SILVA, Danielle de Luna e. Maternagens na diáspora amefricana: resistência e liminaridade em Amada, Compaixão e Um defeito de cor. Tese (Doutorado em Letras) - Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, 2017.

SPILLERS, Hortense J. Mama's Baby, Papa's Maybe. In: NAPIER, Winston (Org.) African American Literary Theory: A Reader. New York: NYU, 2000.

THEODORO, Helena. Religiões afro-brasileiras. In: NASCIMENTO, Elisa Larkin (Org.) Guerreiras de natureza: mulher negra, religiosidade e ambiente. São Paulo: Selo Negro, 2008.

Publicado
2020-01-11
Como Citar
SILVA, D. DE L. E; PEREGRINO SOUTO MAIOR MENDES, M. E. Intersecções Brasil-Nigéria: a representação da maternidade nas obras Um defeito de cor e The Joys of Motherhood. Revista Graphos, v. 21, n. 2, p. 179-193, 11 jan. 2020.