A FILOSOFIA DA CIÊNCIA E O CONCEITO DE CONHECIMENTO ANTERIOR

  • Marcos Rodrigues da Silva UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA
  • Debora Domingas Minikoski Unopar
Palavras-chave: Conhecimento Anterior, Inferência da melhor explicação, História da Ciência

Resumo

Uma das categorias filosóficas considerada de modo quase consensual como fundamental para a compreensão da atividade científica é a categoria denominada de “conhecimento anterior”: um conhecimento consolidado na literatura científica e que serve de base para a formulação e aceitação de novas teorias científicas. Porém, ao relativo consenso acerca da importância do conhecimento anterior não se segue um aprofundamento conceitual a respeito de seu estatuto filosófico. Uma consulta tanto à literatura da filosofia da ciência quanto a alguns registros históricos da ciência mostra que a expressão “conhecimento anterior” pode ser melhor compreendida como um conceito geral que abriga, em seu interior, tipos específicos de emprego do conhecimento anterior. O objetivo deste artigo é o de apontar a pertinência de uma taxonomia do conceito de conhecimento anterior, considerando as contribuições da filosofia da ciência e da história da ciência.

Biografia do Autor

Marcos Rodrigues da Silva, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA
Doutor em Filosofia pela Universidade de São Paulo. Professor do Departamento de Filosofia da Universidade Estadual de Londrina. Área de especialidade: filosofia da ciência.
Debora Domingas Minikoski, Unopar
Professora da Unopar (Londrina/PR) e mestranda no Mestrado em Filosofia da Universidade Estadual de Londrina.

Referências

BENSAUDE-VINCENT, B.; STENGERS, I. História da Química. Lisboa: Instituto Piaget, 1992.

BIRD, A. Inferência da Única Explicação. Cognitio, 15(2):375-384, 2014.

BOWLER, P. The mendelian revolution. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1989.

BOYD, R. Lex orandi est lex credendi. In: CHURCHLAND, P.; HOOKER, C. (eds.). Images of science. 1985. Chicago: Chicago Press. (p. 1-15).

CREAGER, A., MORGAN, G. After the Double Helix. Isis 99: 239-272, 2008.

DARWIN, C. On the Origin of Species. 6ª ed., London, John Murray, 1872.

FEYERABEND, P. Against Method. 4ª ed. Nova York: Verso Books, 2010.

GIERE, R. Science Without Laws. Chicago: The University of Chicago Press, 1999.

HARMAN, G. The inference to the best explanation. In: The philosophical review, nº 74, p. 88-95, 1965.

HOLMES, F. Lavoisier and the Chemistry of Life. Madison, The University of Wisconsin Press, 1987.

HUDSON, J. The History of Chemistry. New York: Chapman & Hall, 1992.

IHDE, A. The Development of Modern Chemistry. Nova York: Dover, 1964.

JUNGNICKLE, C, MCCORMMACH, R. Cavendish: The Experimental Life. Lewisburg, Bucknell University Press, 1999.

KLUG, A. Rosalind Franklin and the Double Helix. Nature 248: 776-79, 1974.

KUHN, T. A Estrutura das Revoluções Científicas. São Paulo: Perspectiva, 2000.

LADYMAN, J., DOUVEN, I., HORSTEN, L., VAN FRAASSEN, B. “Uma Defesa da Crítica de van Fraassen à Inferência Abdutiva: Uma Réplica a Psillos”. Tradução de Marcos Rodrigues da Silva e Alexandre Meyer Luz. In: Crítica. vol. 6, nº 21, p. 63-88, 2000.

LATOUR, B. A Ciência em Ação. São Paulo: Unesp, 2000.

LAUDAN, L. Progress and Its Problems. London: Routledge, 1997.

LEPLIN, J. A novel defense of scientific realism. Oxford: Oxford University Press, 1997.

LIPTON, P. Inference to the best explanation. 2. ed. London: Routledge, 2004.

LIPTON, P. O melhor é bom o suficiente? Tradução de Marcos Rodrigues da Silva e Alexandre Meyer Luz. In: Princípios, vol. 17, nº 27, p. 313-329, 2010.

MAAR, J. Pequena História da Química: Primeira Parte: dos Primórdios a Lavoisier. Florianópolis: Papa-Livro, 1999.

MADDOX, B. Rosalind Franklin: The Dark Lady of DNA. New York: Harper Colins, 2002.

MARTINS, R. “A origem dos pombos domésticos na estratégia argumentativa de Charles Darwin”. Filosofia e História da Biologia, vol. 7, n. 1, p. 91-116, 2012.

MAYR, E. O Desenvolvimento do Pensamento Biológico. Brasília: UNB, 1998.

NULAND, Sherwin. A peste dos médicos. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

OLBY, R. Charles Darwin’s Manuscript of Pangenesis. The British Society for the History of Science, 1(3):251-263, 1963.

OLBY, R. The Path to the Double Helix. London: MacMillan, 1974.

POLCOVAR, J. Rosalind Franklin and the Structure of Life, Greensboro, Morgan Reynolds, 2006.

POPPER, K.R. Conjecturas e Refutações. Brasília: UNB, 1994.

PSILLOS, S. Sobre a crítica de van Fraassen ao raciocínio abdutivo. Tradução de Marcos Rodrigues da Silva e Alexandre Meyer Luz. In: Crítica., vol. 6, nº 21, p.35-62, 2000.

SAYRE, A. Rosalind Franklin and DNA. New York: W.W. Norton & Company, 1975.

SECORD, J. “Darwin and the Breeders: A Social History”. The Darwinian Heritage. (ED. Kohn, David) Princeton: Princeton University Press, 1986.

SELYA, R. Defined by DNA: The Intertwined Lives of James Watson and Rosalind Franklin. Journal of the History of Biology 36: 591-97, 2003.

STANFORD, K. Exceeding our grasp. Oxford: Oxford University Press, 2006.

THAGARD, P. “A Estrutura Conceitual da Revolução Química”. Princípios, v. 14, n. 22, p. 265-303, 2007.

THAGARD, P. The best explanation: criteria for theory choice. In: The journal of philosophy. Nova York, Columbia University. 1978. (vol. LXXV, nº 2, p. 76-92).

VAN FRAASSEN, B. A imagem científica. Tradução de Luiz Henrique Dutra. São Paulo: Discurso Editorial, 2007.

WATSON, J., CRICK, F. A Structure for Deoxyribose Nucleic Acid. Nature 171:737, 1953a.

WATSON, J., CRICK, F. Genetical Implications of the Structure of Deoxyribose Acid. Nature 171: 964-967, 1953b.

WATSON, J. The Double Helix. London: Weidenfeld & Nicolson, 1997.

Publicado
2017-12-10
Seção
Artigos