A modéstia e a ostentação no vestuário das mulheres alforriadas na Vila de Pitangui (1750-1820)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2020v25n43.52665

Palavras-chave:

Libertas, Vila de Pitangui, Vestuário, Sociedade

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar de forma qualitativa o vestuário das mulheres alforriadas da vila de Pitangui, Capitania de Minas Gerais, Brasil, no período de 1750 a 1820. Através dos inventários post mortem, testamentárias e testamentos, verificamos o valor material e social dos trajes destas mulheres. Devido à representatividade e valor monetário de algumas peças deixadas, constituiu-se, em alguns casos, como herança no momento anterior à morte, doadas às outras forras, às filhas e comadres, como demonstração de afeto e gratidão. Através da investigação, notamos a valorização simbólica que as indumentárias carregavam, os valores culturais e o poderio socioeconômico de quem às vestia. Tratava-se de uma sociedade de Antigo Regime, onde as aparências tinham grande importância e atuavam como marcadores sociais. Desta forma, para as egressas do cativeiro, os trajes poderiam significar uma importante forma de afirmação da liberdade, distanciamento do passado escravista e, ainda, importante diferenciador entre cativos, libertos e livres.

Biografia do Autor

Ana Caroline Carvalho Miranda, Universidade Federal de Juiz de Fora

Ana Caroline Carvalho Miranda é Doutoranda em História pela Universidade Federal de Juiz de Fora, Mestra e Graduada em História pela Universidade Federal de Ouro Preto. É Membro do Laboratório de História Econômica e Social (UFJF), e do Grupo de Pesquisa Escravismo atlântico: família, riqueza e cultura (UFMG). Também é professora nas redes de ensino privada e pública no Estado de Minas Gerais. Pesquisa, atualmente, os seguintes temas: os libertos e o acesso à justiça cível; História da Justiça; Escravidão Atlântica e Antigo Regime Português.

Referências

ALMEIDA, Carla Maria Carvalho de. Hierarquia Social polarizada. Homens ricos, homens bons: produção e hierarquização social em Minas Gerais, 1750-1822. Niterói, 2001. Tese (Doutorado em História). Universidade Federal Fluminense, 2001.

CHAHON, Sérgio. Visões da religiosidade católica no Brasil colonial. Revista Digital Simonsen, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 85-99, 2014.

CARRARA, Angelo Alves. “A Capitania de Minas Gerais (1674-1835): modelo de interpretação de uma sociedade agrária”. História Econômica & História de Empresas. São Paulo Brasil, v. 3, n. 2, p. 47-63, 2001.

CASTRO, Hebe. “História Social”. In: CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo (orgs). Domínios da história: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997, p. 76-96.

COSTA, Manuela Pinto da. “Glossário de termos têxteis e afins”. Revista da Faculdade de Letras, Ciências técnicas e do patrimônio. Porto, 2004 I Série vol. III.

DEBRET, Jean Baptiste. Viagem pitoresca e histórica ao Brasil. Tradução de Sérgio Milliet. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia Limitada/São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1978.

FIGUEIREDO, Luciano Raposo. O avesso da Memória. Cotidiano e trabalho da mulher em Minas Gerais no século XVIII. Rio de Janeiro: José Olympio, 1999.

FRAGOSO, João; GUEDES, Roberto; SAMPAIO, Antonio Carlos Jucá de (orgs.) Arquivos paroquiais e história social na América Lusa, séculos XVII e XVIII: métodos e técnicas de pesquisa na reinvenção de um corpus documental. Rio de Janeiro: Mauad X, 2014.

GUEDES, Roberto. Dinâmica Imperial no Antigo Regime Português: escravidão, governos, fronteiras, poderes e legados – séc. XVII-XIX. Rio de Janeiro: Mauad X, 2011.

KANTOR, Iris. Tirania da etiqueta nas Minas Gerais Setecentista. LPH: Revista de História. Mariana: Dep. De História/UFOP, Ouro Preto, v. 5, p. 122-137, 1995.

LARA, Silvia Hunold. Fragmentos Setecentistas: escravidão, cultura e poder na América portuguesa. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

LIPOVETSKY, Gilles. O Império do Efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

MACHADO, Alcântara. Vida e morte do bandeirante. Editora Itatiaia, 1980.

MAGALHÃES, Beatriz Ricardina de. A Demanda do Trivial: vestuário, alimentação e habitação. Revista Brasileira de Estudos Políticos. Belo Horizonte/UFMG, n. 65, p. 153-199, jul. 1997.

MAGALHÃES, Cristiane Maria. Escravos e libertos: homens de ocupações no século XIX. Revista O Olho da História, n. 10, p. 44-52, abr. 2008.

MÓL, Cláudia Cristina. Mulheres forras: cotidiano e cultura – Material em Vila Rica (1750-1800). Mariana, 2002. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Minas Gerais, 2002.

MÓL, Cláudia Cristina. Entre sedas e baetas: o vestuário das mulheres alforriadas de Vila Rica. Varia História (UFMG. Impresso), v. 32, p. 176-189, 2004.

PAIVA, Eduardo França. Escravidão e Universo Cultural na Colônia: Minas Gerais, 1716-1789. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

PEREIRA, Alexandra Maria. Um mercador de Vila Rica: atividade mercantil na sociedade do ouro (1737-1738). Juiz de Fora-MG, 2008. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal de Juiz de Fora, Programa de Pós-Graduação em História, 2008.

PRIMO, Bárbara Deslandes. Representação e poder simbólico nas joias afrobrasileiras: sobrevivências culturais e ascensão econômica de mulheres forras em São João del Rei no século XVIII. Anais Do II Encontro Internacional De História Colonial. Mneme – Revista de Humanidades. UFRN. Caicó (RN), v. 9. n. 24, p. 1-18, set/out. 2008.

REIS, João José. A morte é uma festa: ritos fúnebres e revolta popular no século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

ROCHE, Daniel. A Cultura das Aparências: uma história da indumentária (séculos XVII – XVIII). São Paulo: SENAC, 2007.

RODRIGUES, Cláudia. Lugares dos mortos na cidade dos vivos: tradições e transformações fúnebres no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, Divisão de Editoração, 1997.

SILVA, Marcus Flávio da. Subsistência e Poder: A política do abastecimento alimentar nas Minas setecentistas. Belo Horizonte, Editora UFMG, 2008.

SOARES, Márcio. “A promessa da alforria e os alicerces da escravidão na América Latina”. In: GUEDES, Roberto. Dinâmica Imperial no Antigo Regime Português: escravidão, governos, fronteiras, poderes e legados – séc. XVII-XIX. Rio de Janeiro: Mauad X, 2011, p. 35-50.

THORNTON, John. A África e os Africanos na Formação do Mundo Atlântico 1400-1800. Tradução Marisa Rocha Motta. São Paulo: Campus, 2004.

Downloads

Publicado

2020-11-18

Como Citar

MIRANDA, A. C. C. A modéstia e a ostentação no vestuário das mulheres alforriadas na Vila de Pitangui (1750-1820). Sæculum – Revista de História, [S. l.], v. 25, n. 43, p. 180–194, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2020v25n43.52665. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/srh/article/view/52665. Acesso em: 24 jun. 2021.