Circulação de papéis

notícias e ideias pela América portuguesa (1808-1822)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2020v25n43.52956

Palavras-chave:

Escritos, Censura, Notícias

Resumo

O início do século XIX no Brasil é marcado por um processo de grande ruptura estrutural, a quebra do antigo sistema colonial, que se materializa especialmente após a trasladação da corte portuguesa, em 1808. As alterações sociais, econômicas e políticas vivenciadas à época tiveram nos escritos, impressos e manuscritos, uma importante ferramenta na disseminação de ideias, notícias, culturas políticas, bem como num rearranjo de comportamentos sociais por meio de novas formas de sociabilidades e que perpassavam as alterações que ocorriam entre os âmbitos privado e público daquela sociedade. Tudo isso sob a vigilância da coroa através da censura, um instrumento que enfrentava as dificuldades práticas e logísticas de seu tempo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Augusto Henrique Assis Resende, UNESP

Doutoramento (em curso) em História na Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista (FCL/UNESP Assis), sendo bolsista pela CAPES. Mestre em História pela Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista (FCL/UNESP Assis), tendo sido bolsista pela FAPESP. Licenciado e bacharel em História pela Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ).

Referências

ALEXANDRE, Valentim. Os sentidos do Império: questão nacional e questão colonial na crise do Antigo Regime português. Porto: Afrontamento, 1993.

BASILE, Marcello; CARVALHO, José Murilo de; NEVES, Lúcia Maria Bastos Pereira. Pelo povo ao rei, o poder é dado: a linguagem constitucionalista dos panfletos manuscritos da Independência. In: MAGALHÃES, Aline Montenegro; MARINS, Álvaro; BEZERRA, Rafael Zamorano (Orgs.). D. Leopoldina e seu tempo: sociedade, política, ciência e arte no século XIX. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 2016. p. 85-102.

BERBEL, Márcia Regina. A nação como artefato: deputados do Brasil nas Cortes portuguesas (1821-1822). São Paulo: HUCITEC, 1999.

BLOCH, Marc. Apologia da história, ou ofício do historiador. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo. História e análise de textos. In: CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo (Orgs.). Domínios da história: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997. p. 375-399.

DARNTON, Robert. Censores em ação: como os Estados influenciaram a literatura. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

HABERMAS, Jürgen. Mudança estrutural da esfera pública: investigações sobre uma categoria da sociedade burguesa. São Paulo, Editora Unesp, 2014.

JANCSÓ, István. A sedução da liberdade: cotidiano e contestação política no fim do século XVIII. In: NOVAIS, Fernando A. (Coord.); SOUZA, Laura de Mello e (Org.). História da vida privada no Brasil: cotidiano e vida privada na América portuguesa. São Paulo: Companhia de Bolso, 2018. p. 304-345.

LUSTOSA, Isabel. Insultos impressos. A guerra dos jornalistas na Independência (1821-1823). São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

LUSTOSA, Isabel. O nascimento da imprensa brasileira. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003.

MARTINS, Ana Luiza; LUCA, Tania Regina de. Introdução. In: MARTINS, Ana Luiza; LUCA, Tania Regina de (Orgs.). História da imprensa no Brasil. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2012. p. 7-19.

MAXWELL, Kenneth. A devassa da devassa: a Inconfidência Mineira, Brasil-Portugal, 1750-1808. 6. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

MELLO, Evaldo Cabral de. A outra independência: o federalismo pernambucano de 1817 a 1824. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2014.

MOREL, Marco. As transformações dos espaços públicos: imprensa, atores políticos e sociabilidades na cidade imperial (1820-1840). São Paulo: Hucitec, 2005.

MOREL, Marco. Nação e revolução: o rubro veio historiográfico no Brasil na primeira metade do século XIX. In: CHAVES, Cláudia Maria das Graças; SILVEIRA, Marco Antonio (Org.). Território, conflito e identidade. Belo Horizonte: Argumentum; Brasília: CAPES, 2007. p. 181-206.

MOREL, Marco. Os primeiros passos da palavra impressa. In: MARTINS, Ana Luiza; LUCA, Tania Regina de (Orgs.). História da imprensa no Brasil. 2. ed. 1. reimp. São Paulo: Contexto, 2012. p. 23-43.

MOTA, Carlos Guilherme. Idéias de Brasil: formação e problemas (1817-1850). In: MOTA, Carlos Guilherme (Org.). Viagem incompleta: a experiência brasileira (1500-2000). 3. ed. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2009. p. 197-238.

NEVES, Lúcia Maria Bastos Pereira das. Corcundas e constitucionais. A cultura política da independência (1820-1822). Rio de Janeiro: Revan: Faperj, 2003.

NEVES, Lúcia Maria Bastos Pereira das. A vida política. In: SILVA, Alberto da Costa e (Coordenador). Crise colonial e Independência (1808-1830). Vol. 1 da coletânea História do Brasil nação: 1808-2010, direção de Lilia Moritz Schwarcz. Rio de Janeiro: Objetiva e Fundación Mapfre, 2011. p. 75-113.

NEVES, Lúcia Maria Bastos Pereira das. Opinião pública. In: FERES JÚNIOR, João (Org.). Léxico da história dos conceitos políticos do Brasil. 2 ed. Belo Horizonte, Editora UFMG, 2014. p. 155-171.

PRIORE, Mary del. Ritos da vida privada. In: NOVAIS, Fernando A. (Coord.); SOUZA, Laura de Mello e (Org.). História da vida privada no Brasil: cotidiano e vida privada na América portuguesa. São Paulo: Companhia de Bolso, 2018. p. 221-257.

PROST, Antoine. Doze lições sobre a história. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

RÉMOND, René. Do político. In: RÉMOND, René (Org.). Por uma história política. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003, p. 441-450.

RIZZINI, Carlos. O livro, o jornal e a tipografia no Brasil: 1500-1822: com um breve estudo geral sobre a informação. São Paulo: Livraria Kosmos, 1946.

ROSANVALLON, Pierre. Por uma história do político. São Paulo: Alameda, 2010.

SANTOS, Beatriz Catão Cruz; FERREIRA, Bernardo. Cidadão. In: FERES JÚNIOR, João (Org.). Léxico da história dos conceitos políticos do Brasil. 2. ed. Belo Horizonte, Editora UFMG, 2014. p. 41-58.

SCHIAVINATTO, Iara Lis. Entre os manuscritos e os impressos. In: LESSA, Mônica Leite; FONSECA, Silvia Carla Pereira (Org.). Entre a monarquia e a república: imprensa, pensamento político e historiografia (1822-1889). Rio de Janeiro: EdUERJ, 2008, p. 25-50.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da. A Idade d’Ouro do Brasil e as formas de sociabilidade baianas. In: NEVES, Lúcia Maria Bastos P.; MOREL, Marco; FERREIRA, Tania Maria Bessone da C. (Org.). História e imprensa: representações culturais e práticas de poder. Rio de Janeiro: DP&A: Faperj, 2006. p. 155-175.

SLEMIAN, Andréa. Vida política em tempo de crise: Rio de Janeiro (1808-1824). São Paulo: HUCITEC, 2006.

SODRÉ, Nelson Werneck. História da imprensa no Brasil. 4. ed. Rio de Janeiro: Mauad, 1999.

SOUZA, Iara Lis Carvalho. Pátria coroada: o Brasil como corpo político autônomo, 1780-1831. São Paulo: Editora UNESP, 1999.

SUBTIL, José. Os poderes do centro. In: MATTOSO, José (Dir.). História de Portugal. Lisboa: Editorial Estampa, 1998. p. 141-243. [V. 4, O Antigo Regime (1620-1807)].

VILLALTA, Luiz Carlos. Usos do livro no mundo luso-brasileiro sob as luzes: reformas, censura e contestações. Belo Horizonte: Fino Traço, 2015.

VILLALTA, Luiz Carlos. O Brasil e a crise do Antigo Regime português (1788-1822). Rio de Janeiro: Editora FGV, 2016.

VILLALTA, Luiz Carlos. 1789-1808: o império luso-brasileiro e os brasis. Coordenação: Laura de Mello e Souza, Lilia Moritz Schwarcz. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

Downloads

Publicado

2020-11-18

Como Citar

RESENDE, A. H. A. Circulação de papéis: notícias e ideias pela América portuguesa (1808-1822). Sæculum – Revista de História, [S. l.], v. 25, n. 43, p. 195–210, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2020v25n43.52956. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/srh/article/view/52956. Acesso em: 4 ago. 2021.