“Que fiquemos livres da jurisdição dos bispos do Maranhão”

os discursos por autonomia eclesiástica da Província do Piauí (1829-1838)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2020v25n43.53627

Palavras-chave:

História, Igreja, Autonomia, Diocese, Piauí

Resumo

A presente pesquisa analisa os discursos em prol da emancipação do Piauí em relação ao governo episcopal do Maranhão, no recorte temporal de 1829 a 1838, período em que se identificou forte investida de grupos piauienses em busca da constituição de uma diocese autônoma. Em um contexto no qual a província do Piauí encontrava-se subordinada ao bispado do Maranhão, desde 1728, se observaram as investidas de grupos que compunham a elite econômica e política piauiense para separar os governos espirituais das duas províncias, expressos nos documentos do Conselho Geral de Governo e da Assembleia Provincial. A narrativa construída em defesa da criação da diocese do Piauí foi elaborada de forma a denunciar prejuízos econômicos e espirituais à Província e ressaltar benefícios que a separação traria, inspirados nos exemplos eclesiais de Goiás e Cuiabá. Entretanto, o lastro documental analisado, centrado na documentação produzida pelo executivo e legislativo piauiense do recorte, denotam o forte desejo das lideranças econômicas e políticas locais em atender conveniências internas, fruto de uma complexa organização matri-patrimonial estabelecida sobre uniões endogâmicas, que, por meio de uma diocese autônoma, encontrar-se-ia livre das custas e embargos impostos pela administração clerical maranhense.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Vitor Araújo Sales, Universidade Federal do Piauí

João Vitor Araújo Sales é doutorando em História do Brasil na Universidade Federal do Piauí. Mestre e Bacharel em História pela Universidade Federal do Piauí, campus Ministro Petrônio Portella (Teresina).

Marcelo de Sousa Neto, Universidade Estadual do Piauí

Marcelo de Sousa Neto é doutor em História pela Universidade Federal de Pernambuco. Docente da Universidade Estadual do Piauí, campus Clóvis Moura (Teresina), e do Programa de Pós-Graduação em História do Brasil da Universidade Federal do Piauí (Mestrado e Doutorado).

Referências

ANSART, Pierre. História e Memória dos Ressentimentos. In.: BRESCIANI, Stella; NAXARA, Márcia (org.). Memória e (res)sentimento. Indagações sobre uma questão sensível. Campinas: Unicamp, 2004. p. 15-36.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade e ambivalência. In: FEATHERSTONE, Mike (coord.). Cultura global. Nacionalismo, globalização e modernidade. Trad. de Attilio Brunetta. Petrópolis: Vozes, 1994. p. 155-182.

BRANDÃO, Tanya Maria Pires. A elite colonial piauiense: família e poder. 2. ed. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2012.

BRANDÃO, Tanya Maria Pires. Matrimônio: legalidade e sagração da família no Piauí colonial. In: SILVA, Maria Beatriz Nizza. Sexualidade, família e religião na colonização do Brasil. Lisboa: livros horizonte, 2001.

CORBALAN, Kleber Roberto Lopes. A Igreja Católica na Cuiabá Colonial: da primeira Capela à chegada do primeiro Bispo (1722-1808). 2006. 116 f. Dissertação (Mestrado em História). Instituto de Ciências Humanas e Sociais. Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2006.

FERNANDES, Antônio Carlos. O Turíbulo e a Chaminé. A Ação do Bispado no Processo de Constituição da Modernidade em Diamantina (1864-1917). 2005. 210 f. Dissertação (Mestrado em História). Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. Universidade Federal de Minas Gerais. Diamantina, 2005.

GONZAGA, Luís (Pe.). ESCORÇO histórico da diocese do Piauí. O Apóstolo. 1907.

LIMA, Maurílio César de. Breve História da Igreja no Brasil. Rio de Janeiro: Restauro, 2001.

MARTINS, Agenor de Sousa [et al.]. Piauí: Evolução, realidade e desenvolvimento. Teresina: Fundação Cepro, 2002.

MEIRELES, Mário Martins. História do Maranhão. 2. ed. São Luís: Fundação Cultural do Maranhão, 1980.

MELO, Cláudio (Pe.). Piauí, diocese e província eclesiástica. Teresina: Arquidiocese de Teresina, 1993.

NARCIZO, Makchwell. Gestão das paixões políticas: uma breve abordagem da utilização do ressentimento em demandas políticas na perspectiva de Pierre Ansart. Saeculum – Revista de História, v. 25, n. 42, p. 157-170, 2020.

NAXARA, Márcia. Pertencimento e alteridade: Romance e formação – Leituras de Brasil. In: NAXARA, Márcia; MARSON, Izabel; BREPOHL, Marion (Org.). Figurações do outro. 1ed.Uberlândia-MG: Edufu, 2009, v. 1, p. 241-260.

NERIS, Wheríston Silva. A elite Eclesiástica no Bispado do Maranhão. São Luís: EDUFMA; Jundiaí: Paco Editorial, 2014.

NEVES, Guilherme Pereira das. A religião do império e a Igreja. In.: GRINBERG, Keila; SALLES, Ricardo (Org.). O Brasil Imperial. 1808-1831. Vol. 1. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009. p. 379-428.

PACHECO, Filipe Condurú (Dom). História Eclesiástica do Maranhão. Maranhão: SENEC/ Departamento de Cultura, 1969.

REIS, Edilberto Cavalcante. Pro Animorum Salute. a diocese do Ceará como “vitrine” da romanização no Brasil (1853 – 1912), 2000. 171 f. Dissertação (Mestrado em História). Instituto de Filosofia e Ciências Sociais. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2000.

SANTIROCCHI, Ítalo Domingos. Questão de Consciência: os ultramontanos no Brasil e o regalismo do Segundo Reinado (1840-1889). Belo Horizonte: Fino Traço, 2015.

SILVA, Joelma Santos da. Por mercê de Deus: igreja e política na trajetória de Dom

Marcos Antonio de Sousa (1820 – 1842), 2012. 194 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). Centro de Ciências Humanas. Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2012.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da. Sistema de Casamento no Brasil Colonial. São Paulo: T.A. Queiroz: Ed. da Universidade de São Paulo, 1984.

SOUSA NETO, Marcelo de. Em nome da fé; em nome dos bens: a criação da

diocese do Piauí (1822-1903). Revista Brasileira de História das Religiões. ANPUH,

Ano IV, n. 10, p. 193-214, Mai. 2011.

SOUSA NETO, Marcelo de. Nos bastidores do poder: política e relações familiares no Piauí do século XIX. Revista Crítica Histórica. Ano VII, n. 13, p. 1-15, jun. 2016.

SOUSA NETO, Marcelo de. Entre vaqueiros e fidalgos: sociedade política e educação no Piauí (1820-1850). Teresina: Fundação Cultural Monsenhor Chaves, 2013.

VIDE, Dom Sebastião Monteiro da. Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia. (Impressas em Lisboa no ano de 1719, e em Coimbra em 1720) São Paulo: Tip. 2 de Dezembro, 1853. Disponível em: http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/222291. Acesso em: 29 jan. 2019.

VIEIRA, Dilermano Ramos. O processo de reforma e reorganização da igreja no Brasil (1844-1926). Aparecida: Editora Santuário, 2007.

VILHENA, Gustavo Henrique Ramos de. Os fazedores de cidade: uma história da mudança da capital no Piauí (1800-1852), 2016. 272 f. Tese (Doutorado em História). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2016.

WOLKMER, Antonio Carlos. História do direito no Brasil. 3. ed. Rio de Janeiro Forense, 2003.

Downloads

Publicado

2020-11-18

Como Citar

SALES, J. V. A.; SOUSA NETO, M. de. “Que fiquemos livres da jurisdição dos bispos do Maranhão”: os discursos por autonomia eclesiástica da Província do Piauí (1829-1838). Sæculum – Revista de História, [S. l.], v. 25, n. 43, p. 211–225, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2020v25n43.53627. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/srh/article/view/53627. Acesso em: 4 ago. 2021.