O abastecimento de água no Brasil

uma prospecção bibliográfica no âmbito da historiografia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2020v25n43.53781

Palavras-chave:

História, Abastecimento de água, Brasil, Historiografia

Resumo

O artigo apresenta o resultado de um estudo bibliográfico sobre a história do abastecimento de água no Brasil. Partindo de um conjunto de doze textos (dez dissertações e duas teses) procedentes de Programas de Pós-Graduação em História, o artigo identifica aspectos relevantes para a construção de um conhecimento histórico sobre o tema; analisa procedimentos metodológicos presentes nas obras e trata das fontes documentais usadas pelos historiadores que elegeram o abastecimento de água como objeto das suas investigações. Os critérios aplicados para a seleção da bibliografia, as prioridades definidas e as limitações da abordagem adotada são descritos na Introdução do artigo. Posteriormente, a segunda seção apresenta um panorama da historiografia do abastecimento de água no Brasil com ênfase nas fontes documentais pesquisadas pelos historiadores. Na sequência, a terceira seção concede uma especial atenção para as escalas espaciais e a quarta trata dos recortes cronológicos presentes no conjunto dos textos acadêmicos selecionados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiano Quadros Rückert, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Fabiano Quadros Rückert é Doutor em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS. Tem Licenciatura Plena e Mestrado em História também pela UNISINOS, tendo realizado intercâmbio na Universidad Nacional del Centro de la Província de Buenos Aires e na Universidad de Jaén – España. É Professor Adjunto da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – Campus do Pantanal. Desenvolve pesquisas no campo da História Urbana e da História Ambiental.

Referências

ADVÍNCULA, Chyara Charlotte Bezerra. Entre miasmas e micróbios: a instalação de redes de água e esgoto na cidade de Parahyba do Norte (PB) e outras medidas de salubridade – 1910/1926. Dissertação de Mestrado em História. Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2009.

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz. Falas de astúcia e angústia: a seca no imaginário nordestino – de problema a solução (1877-1922). Dissertação de Mestrado em História, Universidade Estadual de Campinas, SP, 1988.

BARRETO, Neila Maria Souza. Água: gota da vida. Abastecimento e uso no Espaço Urbano de Cuiabá (1790-1886). Dissertação de Mestrado em História. Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2005.

BARROSO, Luís Roberto. Saneamento Básico: competências constitucionais da União, Estados e Municípios. Revista de Informação Legislativa, v. 38, n. 153, p. 255-270, jan./mar. 2002.

CAPELATO, Maria Helena. O Estado Novo: o que trouxe de novo? In: DELGADO, Lucilia de A. N.; FERREIRA, Jorge. (Orgs). O Brasil Republicano, V. II. O tempo do nacional-estatismo, do início da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo. 2 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007, p. 107-145.

COOPER, Donald R.; SCHINDLER, Pamela S. Métodos de pesquisa em administração. 7. ed. Porto Alegre: Bookman, 2003.

CAMINHA, Adolfo. A Normalista [1893]. Fortaleza: ABC Editora, 2005.

CHAVES, José Olivenor Souza. Fortaleza e os retirantes da seca de 1877-1879: o real de um imaginário dominante. Dissertação de Mestrado em História, Recife, 1995.

CARVALHO, José Murilo de. A formação das almas: o imaginário da República no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

CARVALHO, José Murilo de. Os bestializados. O Rio de Janeiro e a República que não foi. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2015.

CORDEIRO, Lorena de Pauli. Uma História Ambiental dos mananciais da Serra do Mar: o abastecimento de água para Curitiba (1870-1929). Dissertação de Mestrado em História. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

DINIZ, José Nilo Bezerra. Paisagens marginais: um estudo em perspectiva histórica de localidades portuárias no sertão brasileiro (1808-1851) e no deserto do sudoeste africano (1884-1914). Dissertação de Mestrado em História. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

HERSCHMANN, Micael; PEREIRA, Carlos Alberto M. (Orgs.). A invenção do Brasil Moderno. Medicina, educação e engenharia no Brasil dos anos 20-30. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1989.

KLAUCK, Aline Gabriela. Água, fontes e aguadeiros: o abastecimento hídrico em Nossa Senhora do Desterro (século XIX). Dissertação de Mestrado em História. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2018.

KROPF, Simone. Sonhos da razão, alegoria da ordem: o discurso dos engenheiros sobre a cidade do Rio de Janeiro no final do século XIX e início do XX. In: HERSCHMANN, Micael; KROPF, Simone; NUNES, Clarice (Orgs.). Missionários do Progresso: Médicos, Engenheiros e Educadores no Rio de Janeiro (1870-1937). Rio de Janeiro: Diadorim, 1996, p. 69-155.

LAHOZ, Rodrigo Augusto Lazzari. Serviços Públicos de Saneamento Básico e Saúde Pública no Brasil. São Paulo: Almedina, 2016.

LEOPOLDI, Maria Antonieta P. A economia política do primeiro governo Vargas (1930-1945): a política econômica em tempos de turbulência. In: DELGADO, Lucilia de A. N.; FERREIRA, Jorge. (Orgs.). O Brasil Republicano V. II. O tempo do nacional-estatismo, do inicio da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007, p. 241-287.

LESSA, Renato. A Invenção Republicana. Rio de Janeiro. Vértice. 1988.

MACHADO DE ALMEIDA, Gilmar. A domesticação da água: os acessos e os usos da água na cidade do Rio de Janeiro entre 1850 a 1889. Dissertação de Mestrado em História. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

MESQUITA, Yuri Mello. Jardim de asfalto: água, meio ambiente, canalização e as políticas públicas de saneamento básico em Belo Horizonte, 1948-1973. Dissertação de Mestrado em História. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013.

NETO, Emy Falcão Maia. Cartografias da água: territorialidades, políticas e usos da água doce em Fortaleza (1856 – 1926). Tese de Doutorado em História. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2015.

NEVES, Frederico de C. A Multidão e a História: saques e outras ações de massa no Ceará. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000.

PANDOLFI, Dulce. Os anos 1930: as incertezas do regime. In: DELGADO, Lucilia de A. N.; FERREIRA, Jorge (Orgs). O Brasil Republicano V. II. O tempo do nacional-estatismo, do inicio da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007, p. 13-39.

PEIXOTO, Aline Teixeira. Do “fabuloso” à “realidade”: a comunidade de Feiticeiro no Ceará (1932-1942). Universidade Federal de Campina Grande, PB, Campina Grande, 2015.

PEIXOTO, João Batista. O barulho da água: os municípios e a gestão dos serviços de saneamento. São Paulo: Água e Vida, 1994.

QUEIROZ, Rachel de. O Quinze. 92. ed. Rio de Janeiro, RJ: José Olympio, 2011.

REZENDE, Sonaly Cristina; HELLER, Léo. Saneamento no Brasil. Políticas e Interfaces. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

RIOS, Kênia S. Campos de Concentração: Isolamento e Poder na seca de 1932. Fortaleza: Museu do Ceará, 2001.

ROCHA DE ALMEIDA, Conceição Maria. As águas e a cidade de Belém do Pará: história, natureza e cultura material no século XIX. Tese de Doutorado em História. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUCSP, São Paulo, 2010.

RÜCKERT, Fabiano Quadros. Saturnino de Brito e a modernização do abastecimento de água no Rio Grande do Sul da Primeira República. Estudios Históricos, Año IX, n. 18, p. 1-34, Jul.-Dic. 2017.

SANT’ANNA, Denise Bernuzzi de. Cidades das águas: usos de rios, córregos, bicas e chafarizes em São Paulo (1822-1901). São Paulo: Editora SENAC, 2007.

SILVA, Edson. Modernização, sanitarismo e cotidiano (Jacobina – BA, 1955-1959). Dissertação de Mestrado em História. Universidade Federal de Campina Grande, PB, Campina Grande, 2015.

SOUZA, Fabiano Badú de. Modernidade à conta gotas: por uma história do abastecimento de água em Campina Grande – PB (1950-1958). Dissertação de Mestrado em História. Universidade Federal de Campina Grande, PB, Campina Grande, 2013.

TEDESCHI, Denise Maria Ribeiro. Águas urbanas: as formas de apropriação das águas em Mariana/MG (1745-1798). Dissertação de Mestrado em História. Universidade Estadual de Campinas, SP, Campinas, 2011.

VILLA, Marco Antonio. Vida e morte no sertão: História das secas no Nordeste nos séculos XIX e XX. SP: Ática, 2000.

Downloads

Publicado

2020-11-18

Como Citar

RÜCKERT, F. Q. O abastecimento de água no Brasil: uma prospecção bibliográfica no âmbito da historiografia. Sæculum – Revista de História, [S. l.], v. 25, n. 43, p. 280–295, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2020v25n43.53781. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/srh/article/view/53781. Acesso em: 4 ago. 2021.