A Anormalidade nos Domínios Biopolíticos

“A Organização de Assistência aos Psicopatas de Pernambuco” (1931)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2020v25n43.54337

Palavras-chave:

História da Loucura, Ulysses Pernambucano, Biopolítica

Resumo

Este artigo se insere na problemática geral dos efeitos que o medo de uma possível reprodução e expansão da loucura impôs aos médicos psiquiatras e ao Estado de Pernambuco no início do século XX. A loucura ingressava, ao lado das grandes doenças epidêmicas, como o novo perigo a ser evitado e combatido. Deste modo, nosso objetivo é identificar as descontinuidades das concepções médicas sobre loucura, atentando para o aparecimento das primeiras instituições de assistência, tratamento e profilaxia da doença mental no estado. Buscaremos analisar e caracterizar os princípios políticos e médicos que guiaram a elaboração e funcionamento da “Organização de Assistência aos Psicopatas de Pernambuco”. O que queremos indicar é que o aparecimento da categoria do “anormal” no final do século XIX favoreceu a emergência de uma nova governamentalidade preocupada não somente com o adestramento de corpos individuais, mas agora, com a vida e os hábitos da população, uma categoria politicamente importante para os projetos de modernização do Estado. Trata-se da estruturação de uma biopolítica da população pernambucana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Santana Bezerra, Universidade Federal de Pernambuco

Rafael Santana Bezerra é doutorando em História pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE); Mestre em História pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE); Professor efetivo da Secretaria de Educação do Estado da Paraíba e do Município de Paulista - PE.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer I: O Poder Soberano e a Vida Nua. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

AURELIANO, João. As Diretrizes da Higiene Mental. In. Arquivos da Assistência aos Psicopatas de Pernambuco, Vol. I. 1934, p. 47-52.

BERCHIERE, Paul. Os Fundamentos da Clínica: História e estrutura do saber psiquiátrico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1980.

CAPONI, Sandra. Loucos e Degenerados: Uma Genealogia da Psiquiatria Ampliada. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2012.

CODECEIRA, Alcides. Relatório da Assistência a Psicopatas de Pernambuco, no período de 1935. In. Arquivos da Organização de Assistência aos Psicopatas de Pernambuco. Recife: Vol. I. 1936. p. 39-87.

COSTA, Jurandir Freire. História da Psiquiatria no Brasil: Um Corte Ideológico. 5. ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2007.

COSTA, Jurandir Freire. Ordem Médica e Norma Familiar. 5. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2004.

CUNHA, Maria Clementina. O Espelho do Mundo: Juquery, a História de um Asilo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

ENGEL, Magali Gouveia. Os Delírios da Razão: Médicos, Loucos e Hospícios (Rio de Janeiro, 1830-1930). Rio de Janeiro: Fiocruz, 2001.

FILHO, Heronides Coelho. A Psiquiatria no País do Açúcar. 2. ed. Recife: ABIGRAF, 1983.

FONTENELLE, J.P. Higiene Mental e Educação. In: Arquivos da Liga Brasileira de Higiene Mental. Rio de Janeiro, ano I, 1925, p. 2-11.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: História da Violência nas Prisões. 29. ed. Petrópolis: Vozes, 2004.

FOUCAULT, Michel. Em Defesa da Sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FOUCAULT, Michel. História da Loucura na Idade Clássica. 10. ed. São Paulo: Perspectiva, 2014.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: A Vontade de Saber. Lisboa: Antropos, 1976.

FOUCAULT, Michel. Segurança, Território, População: Curso dado no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

HUTZIER, Celina Ribeiro. Ulysses Pernambucano: Psiquiatria Social. Revista Ci.& Trop. Nº 1. Vol. 15, 1987, p. 1-18.

MACHADO, Roberto; LOUREIRO, Ângela; LUZ, Rogério. Danação da Norma: Medicina Social e Constituição da Psiquiatria no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Graal, 1978.

MIRANDA, Carlos Alberto Cunha. Quando a razão começa a julgar a loucura: a institucionalização do sistema manicomial em Pernambuco. Cadernos de História. v. 7, n. 7, p. 37-84, 2010. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/cadernosdehistoriaufpe/article/view/110061. Acesso em: 20 nov. 2020.

MOREL, Benedict-Auguste. Tratado das degenerescências na espécie humana. Revista Latino Americana de Psicopatologia Fundamental. São Paulo, v. 11, n. 3, p. 497-501, 2008.

PADOVAN, Maria Concepta. As Máscaras da Razão: Memórias da Loucura no Recife durante o Período do Estado Novo. (1937-1945). Dissertação (Mestrado em História). Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2007.

PERNAMBUCANO, Ulysses. Assistência a Psicopatas em Pernambuco: Ideias e Realizações. Recife: Imprensa Industrial. Revista Arquivos de Assistência aos Psicopatas de Pernambuco, ano II, nº 1, Abril de 1932, p. 3-57.

PERNAMBUCANO, Ulysses. Comunicado da Diretoria Geral. Arquivos da Organização de Assistência aos Psicopatas. Vol I, 1931. p.128-129.

PESSOTTI, Isaias. Os Nomes da Loucura. Rio de Janeiro: Editora 34, 1999.

PORTOCARRERO, Vera. Arquivos da Loucura: Juliano Moreira e a Descontinuidade Histórica da Psiquiatria. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2002.

REZENDE, Antônio Paulo. (DES)encantos Modernos: Histórias da cidade do Recife na década de 20. 2. ed. Editora UFPE, 2016.

Downloads

Publicado

2020-11-18

Como Citar

BEZERRA, R. S. A Anormalidade nos Domínios Biopolíticos: “A Organização de Assistência aos Psicopatas de Pernambuco” (1931). Sæculum – Revista de História, [S. l.], v. 25, n. 43, p. 93–110, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2020v25n43.54337. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/srh/article/view/54337. Acesso em: 4 ago. 2021.

Edição

Seção

Dossiê: A nova história (bio)política: sobre as capturas e as resistências