"Em nome da pátria e da glória”

a formação do 1.º Corpo de Voluntários da Pátria (Pernambuco, 1865)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2020v25n43.54361

Palavras-chave:

Pátria, Guerra do Paraguai, Pernambuco

Resumo

Em fins de 1864, o Brasil entrou em um longo e penoso conflito contra o Paraguai. Como os recursos bélicos (tanto materiais quanto humanos) eram escassos, o governo imperial lançou mão de todos meios ao seu alcance para arregimentar tropas e enviá-las para o teatro de operações: convocou a Guarda Nacional, intensificou o recrutamento forçado para o Exército e, apelando para o patriotismo dos cidadãos, criou os corpos de Voluntários da Pátria. Esperava-se que os homens aptos em pegar em armas cumprissem ao pé da letra o preceito constitucional de garantir a Independência e a integridade do Império, defendendo-o dos seus inimigos externos ou internos. Em um momento conturbado como esse, palavras como pátria, patriota, patriótico e patriotismo, ocuparam o vocabulário dos cidadãos – embora o alcance do significado de cada uma dessas palavras fosse bem limitado, variando de região para região dentro de uma mesma província. Partindo de uma análise da evolução semântica da palavra pátria e a sua utilização em um momento de guerra, bem como de uma pesquisa de base empírica realizada em jornais, relatórios de presidente de província e documentos legados por outras autoridades, este artigo tem como objetivo principal discutir as práticas discursivas e simbólicas que nortearam a formação do 1.º Corpo de Voluntários da Pátria em Pernambuco, no ano de 1865.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wellington Barbosa da Silva, Universidade Federal Rural de Pernambuco/Professor

Wellington Barbosa da Silva é graduado, mestre e doutor em História pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Atualmente é professor associado da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) – atuando na graduação e na pós-graduação. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em História do Oitocentos (GEPHISO). Tem experiência em estudos sobre polícia, crimes, prisões, escravidão e cotidiano no Brasil Império.

Referências

BASILE, Marcello. O laboratório da nação: a era regencial (1831-1840). In: GRINBERG, Keila; SALLES, Ricardo (orgs.). O Brasil imperial, volume II: 1831-1870. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009. p. 53-119.

BEATTIE, Peter M. Tributo de sangue: exército, honra, raça e nação no Brasil, 1864-1945. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2009.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulario portuguez & latino. Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesus, 1712 – 1728. 8 v.

CANECA, Frei Joaquim do Amor Divino. Dissertação sobre o que se deve entender por pátria do cidadão e deveres deste para com a mesma pátria. In: MELLO, Evaldo Cabral de (org.). Frei Joaquim do Amor Divino Caneca. São Paulo: Editora 34, 2001, p. 53-99.

CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

CARVALHO, Marcus Joaquim Maciel de. Liberdade: rotinas e rupturas do escravismo no Recife, 1822-1850. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2001.

CATROGA, Fernando. Pátria e nação. In: DORÉ, Andrea; SANTOS, A. C. (orgs.). Temas setecentistas: governos e populações no império português. Curitiba: UFPR/Fundação Araucária, 2009, p. 13-34. Disponível em: https://bit.ly/30nWe8V. Acesso em: 16 dez. 2019

DAMATA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

DOMINGOS VIEIRA, frei. Thesouro da língua portugueza. Porto: Casa dos Editores Ernesto Chardron e Bartholomeu H. de Moraes, 1871.

FEBVRE, Lucien. Honra e pátria. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998.

FIGUEIRA, Divalte Garcia. Soldados e negociantes na Guerra do Paraguai. São Paulo: Humanitas, FFLCH-USP, Fapesp, 2001.

IZECKSOHN, Vitor. Resistência ao recrutamento para o Exército durante as guerras Civil e do Paraguai. Brasil e Estados Unidos na década de 1860. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n. 27, p. 84-109, 2001.

KRAAY, Hendrik. Repensando o recrutamento militar no Brasil imperial. Diálogos, Maringá, v. 3, n. 3, p. 113-151, 1999.

MENDES, Fábio. Recrutamento militar e construção do Estado no Brasil imperial. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2010.

NOGUEIRA, Octaciano. Constituições brasileiras: 1824. Brasília: Senado Federal, Ministério da Ciência e Tecnologia, Centro de Estudos Estratégicos, 2001.

PINTO, Luiz Maria da Silva. Diccionario da Lingua Brasileira por Luiz Maria da Silva Pinto, natural da Provincia de Goyaz. Na Typographia de Silva, 1832.

PRADO JR., Caio. Formação do Brasil Contemporâneo: colônia. São Paulo: Brasiliense, 1992.

SANTOS, Lídia Rafaela Nascimento dos. Luminárias, músicas e sentimentos patrióticos: festas e política no Recife (1817-1848). Niterói, RJ, 2018. 277 p. Tese (Doutorado em História). Universidade Federal Fluminense, 2018.

SILVA, Antonio Moraes. Diccionario da lingua portugueza. Lisboa: Typographia Lacerdina, 1813.

SILVA, Wellington Barbosa da. “Salve-se quem puder”: polícia e controle do crime no Recife oitocentista (1860-1889). In: CARNEIRO, Deivy Ferreira; BRETAS, Marcos Luiz; ROSEMBERG, André (orgs.). História, violência, criminalidade: reflexões temáticas e narrativas regionais. Uberlândia: EDUFU, 2015, p. 131-154.

SILVA, Wellington Barbosa da. “Grupos de criminosos infestam aquela parte da província”: banditismo em Pernambuco na segunda metade do século XIX (1850-1870). In: FONTELES NETO, Francisco Linhares; BRETAS, Marcos Luiz; FLORES, Mariana F. da C. Thompson (orgs.). História do banditismo no Brasil: novos espaços, novas abordagens. Santa Maria: Ed. UFSM, 2019. p. 151-177.

SOUZA, Iara Lis Franco Schiavinatto Carvalho. Pátria coroada: o Brasil como corpo político autônomo, 1780-1831. São Paulo: Fundação Editora da Unesp, 1999.

Downloads

Publicado

2020-11-18

Como Citar

SILVA, W. B. da. "Em nome da pátria e da glória”: a formação do 1.º Corpo de Voluntários da Pátria (Pernambuco, 1865). Sæculum – Revista de História, [S. l.], v. 25, n. 43, p. 226–247, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2020v25n43.54361. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/srh/article/view/54361. Acesso em: 4 ago. 2021.