Tramas de poder

Famílias e estruturas políticas da alimentação (Belém, 1917-1925)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2021v26n44.55815

Palavras-chave:

Família, Alimentação, Dominação, Poder

Resumo

O artigo está localizado na cidade de Belém (PA) entre 1917 e 1925. A sua base documental foi um conjunto de correspondências (13 no total) anexadas em 12 processos contenciosos de desquite impetrados por cônjuges descontentes com os encaminhamentos dados aos seus casamentos. Dito isto, o objeto de estudo se concentrou na interpretação dos alimentos (feijão, arroz, peixe, carne, farinha, manteiga) por meio do prisma da fabricação de poder no seio da família. Em outros termos, quem os comprava (trabalhava para tal) e os colocava à disposição dos integrantes da linhagem, os descortinava como ferramentas capazes de submeter sogros(as), cunhados(as), maridos e esposas a condições subalternas, pois, inevitavelmente, esses dependentes – conforme algumas cartas adicionadas aos autos – tinham a sua honra, hombridade, dignidade “submetidas” ao mantenedor. Assim sendo, a problemática a dar vazão a este estudo em nenhum momento esteve preocupada em compreender os provimentos na sua qualidade nutritiva, nem na escassez, nem no abastecimento, nem na variação de preços, nem no aspecto da diversidade alimentícia. O ponto central dessas intervenções se deteve a investigar a alimentação, essencialmente, como instrumento de onde relações de poder, no interior da família, cintilavam e se faziam. À vista disso, a metodologia utilizada no desenvolvimento destas interpretações se concentrou em observar e interligar histórias, bem como em estabelecer comparações sistemáticas a envolver as narrativas contidas nas epístolas agregadas nos litígios de separação de corpos e bens.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ipojucan Dias Campos, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Doutor em História Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Professor Adjunto III da Faculdade de História da Universidade Federal do Pará (UFPA/ IFCH). Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião da Universidade do Estado do Pará (UEPA)

Referências

PARÁ. Tribunal de Justiça do Estado do Pará. Auto de desquite litigioso impetrado por Clotilde Mascarenhas Andrade contra Mário Andrade. ATJEPA. Belém, 1917.

PARÁ. Tribunal de Justiça do Estado do Pará. Auto de desquite litigioso impetrado por Antonio Cavalcante contra Marilda Mesquita Cavalcante. ATJEPA. Belém, 1918.

PARÁ. Tribunal de Justiça do Estado do Pará. Auto de desquite litigioso impetrado por Vivalda Antonia Furtado contra Pedro Alcantara Furtado. ATJEPA. Belém, 1919.

PARÁ. Tribunal de Justiça do Estado do Pará. Auto de desquite litigioso impetrado por Elias Mesquita contra Maria Izadora Silva Mesquita. ATJEPA. Belém, 1920.

PARÁ. Tribunal de Justiça do Estado do Pará. Auto de desquite litigioso impetrado por Januário da Conceição Farias contra Andreia Nunes Farias. ATJEPA. Belém, 1921.

PARÁ. Tribunal de Justiça do Estado do Pará. Auto de desquite litigioso impetrado por Maria da Conceição de Freitas contra Amarildo de Freitas. ATJEPA. Belém, 1921.

PARÁ. Tribunal de Justiça do Estado do Pará. Auto de desquite litigioso impetrado por Rosa Maria da Silva contra Marcondes da Silva. ATJEPA. Belém, 1922.

PARÁ. Tribunal de Justiça do Estado do Pará. Auto de desquite litigioso impetrado por Carmen da Anunciação Bastos contra Armando Silva Bastos. ATJEPA. Belém, 1923.

PARÁ. Tribunal de Justiça do Estado do Pará. Auto de desquite litigioso impetrado por Astrônoma do Socorro Gonçalves contra Fernando Vieira Gonçalves. ATJEPA. Belém,1924.

PARÁ. Tribunal de Justiça do Estado do Pará. Auto de desquite litigioso impetrado por Maria da Conceição Baia contra Angelo Silva Baia. ATJEPA. Belém, 1924.

PARÁ. Tribunal de Justiça do Estado do Pará. Auto de desquite litigioso impetrado por Maria Silva Vasconcelos contra Eduardo da Anunciação Vasconcelos. ATJEPA. Belém, 1925.

PARÁ. Tribunal de Justiça do Estado do Pará. Auto de desquite litigioso impetrado por Pericles da Silva Campos contra Jeronima da Conceição Campos. ATJEPA. Belém, 1925.

BARCELLOS, Gustavo. O banquete de psique: imaginação, cultura e psicologia da alimentação. Petrópolis: Vozes, 2017.

BRAUDEL, Fernand. Civilização material, economia e capitalismo (séculos XV-XVIII): as estruturas do cotidiano, o possível e o impossível. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

CAMPOS, Ipojucan Dias. Para além da tradição: casamentos, famílias e relações conjugais (Belém 1916-1940). São Paulo: Fonte Editorial, 2016.

CAMPOS, Ipojucan Dias. “Não posso sustentar mulher ...”: casamento, família e custo de vida em Belém nas primeiras décadas do século XX. Revista NUPEM, n. 4, p. 19-38, jan./jul. 2011.

CARNEIRO, Henrique. Introdução. In: CARNEIRO, Henrique. Comida e sociedade: uma história da alimentação. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003, p. 01-06.

CASCUDO, Luís da Câmara. História da alimentação no Brasil: cardápio indígena, dieta africana, ementa portuguesa. Vol. I. São Paulo: Editora Companhia Nacional, 1967.

COLLOMP, Alain. Família, habitações e coabitações. In: ARIÈS, Philippe; CHARTIER, Roger (orgs.). História da vida privada: da Renascença ao Século das Luzes. Vol. III. São Paulo: Companhia das Letras, 1991, p. 501-541.

DURAND, Gilbert. A imaginação simbólica. São Paulo: EDUSP, 1988.

FLANDRIN, Jean-Louis. A distinção pelo gosto. In: ARIÈS, Philippe; CHARTIER, Roger (Orgs.). História da vida privada: da Renascença ao Século das Luzes. Vol. III. São Paulo: Companhia das Letras, 1991a, p. 267-309.

FLANDRIN, Jean-Louis. Famílias: parentesco, casa e sexualidade na sociedade antiga. Lisboa: Editorial Estampa, 1991b.

FOISIL, Madeleine. A escrita do foro privado. In: ARIÈS, Philippe; CHARTIER, Roger (orgs.). História da vida privada: da Renascença ao Século das Luzes. Vol. III. São Paulo: Companhia das Letras, 1991, p. 331-369.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France. São Paulo: Editora Loyola, 2009.

GIARD, Luce. O prato do dia. In: GIARD, Luce. A invenção do cotidiano: morar, cozinhar. Petrópolis: Vozes, 1996, p. 234-249.

LADURIE, Emmanuel Le Roy. Ferramentas mentais: o tempo e o espaço. In: LADURIE, Emmanuel Le Roy. Montaillou, povoado accitânico 1294/1324. São Paulo: Companhia das Letras, 1997, p. 347-366.

MONTANARI, Massimo. A cozinha, lugar da identidade e das trocas. In: MONTANARI, Massimo (org.). O mundo da cozinha: história, identidade, trocas. São Paulo: Estação Liberdade, 2009, p. 12.

PERROT, Michelle. Os atores: a família triunfante. In: PERROT, Michelle (org.). História da vida privada: da Revolução Francesa à Primeira Guerra. Vol. IV. São Paulo: Companhia das Letras, 2001, p. 93-103.

PHILLIPS, Roderick. Desfazer o nó: breve história do divórcio. Lisboa: Terramar, 1991.

SANTOS, Carlos Roberto Antunes. A alimentação e o seu lugar na história: os tempos da memória gustativa. História: Questões & Debates, n. 42, p. 11-31, jan./jun. 2005.

VINCENT-BUFFAULT, Anne. Da amizade: uma história do exercício da amizade nos séculos XVIII e XIX. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1996.

VOVELLE, Michel. Ideologias e mentalidades. São Paulo: Brasiliense, 2004.

Downloads

Publicado

2021-07-29

Como Citar

CAMPOS, I. D. Tramas de poder: Famílias e estruturas políticas da alimentação (Belém, 1917-1925). Sæculum – Revista de História, [S. l.], v. 26, n. 44, p. 134–154, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2021v26n44.55815. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/srh/article/view/55815. Acesso em: 7 dez. 2021.