“Escrevo da periferia, não do centro”

mulheres negras e experiências de racismo cotidiano

Palavras-chave: Racismo cotidiano, Mulheres negras, Memória

Resumo

 

 

Biografia do Autor

Claudia Regina Nichnig, Universidade do Estado de Santa Catarina

Claudia Regina Nichnig é doutoranda no Programa de Pós Graduação em História, na Universidade do Estado de Santa Catarina, sob a orientação da Prof. Doutora Silvia Maria Favero Arend. É doutora em Ciências Humanas pela Universidade Federal de Santa Catarina (2013), na área de Estudos de Gênero. Pós-doutora em História, pela UFSC e pós-doutora em Antropologia Social no CNRS, EHESS, Universidade Jean Jaures, em Toulouse, França. Possui graduação em História pela Universidade Federal de Santa Catarina (2003), graduação em Direito pela Universidade do Vale do Itajaí (1999). Atua principalmente nos seguintes temas: feminismos no Brasil; família no Brasil contemporâneo; gênero e direito, conjugalidades entre pessoas do mesmo sexo e homoparentalidades no Brasil e na França, decolonialidade, violências e mulheres indígenas.

Referências

CARDOSO, Claudia Pons. Amefricanizando o feminismo: o pensamento de Lélia Gonzalez. Estudos Feministas, v. 22, n. 3, p. 965-986, 2014.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América latina a partir de uma perspectiva de gênero. [S.l.: Unifem], 2011. Disponível em: http://www.unifem.org.br/sites/700/710/00000690.pdf. Acesso em: 10 abr. 2020.

CARVAJAL, Julieta Paredes. Para descolonizar el feminismo. La Paz, Bolivia: Feminismo Comunitario de Abya Yala, 2020.

COLLINS, Patricia Hill. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. São Paulo: Boitempo, 2019.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

FIGUEIREDO, Ângela. Epistemologia insubmissa feminista negra decolonial. Tempo e Argumento, [S.l.], v. 12, n. 29, p. e0102, maio 2020.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, p. 223-244, 1984.

HOOKS, bell. 1984. Erguer a voz: pensar como feminista, pensar como negra. São Paulo: Elefante, 2019.

KILOMBA, Grada. Memórias de Plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

MIOTTO, Flávia Herédia. A autobiografia na contemporaneidade e sua consequente abertura a perspectiva feministas na literatura: análise da obra Teoria King Kong, de Virginie Despentes. Revista Versalete, Curitiba, v. 7, n. 12, p. 182-198, jan.-jun. 2019.

PEREIRA, Lígia Maria Leite. Algumas reflexões sobre histórias de vida, biografias e autobiografias. História Oral, n. 3, p. 117-127, 2000.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Ed. da UNICAMP, 2008.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar?. Trad. de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa, André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

VEIGA, Ana Maria. Uma virada epistêmica feminista (negra): conceitos e debates. Tempo e Argumento, [S.l.], v. 12, n. 29, p. e0101, abr. 2020.

Publicado
2020-11-27
Como Citar
NICHNIG, C. R. “Escrevo da periferia, não do centro”. Sæculum – Revista de História, v. 25, n. 43, p. 398-405, 27 nov. 2020.